Kābul, número 231, volume 18, edição 19, 22 de dezembro de 1948

Kābul foi um periódico mensal da Anjuman-i Adabi Kabul (Sociedade Literária de Cabul), publicado pela primeira vez em 15 de dezembro de 1931. A revista apresentava obras originais e traduzidas, e com frequência publicava tanto ensaios breves como extensos sobre a história, a arqueologia, a literatura, a cultura, as línguas e a sociedade do Afeganistão. A revista também publicava reportagens de eventos nacionais e internacionais. Em seu primeiro ano, a revista possuía de 40 a 60 páginas por número. Mais tarde, passou a ser de 80 a 120 páginas por número. Entre seus colaboradores estavam escritores literário-nacionalistas afegãos como Qari ʻAbd Allah (de 1871 a 1944), Mir Ghulam Mohammad Ghubar (de 1895 a 1978), Ahmad ʻAli Kuhzad (nascido em 1907), ʻAbd al-Hayy Habibi (de 1910 a 1984), e outras personalidades que desempenharam importantes papéis na historicização e caracterização da identidade do Afeganistão no século XX. Entre 1931 e 1938 Kābul publicou apenas artigos em persa dentro do modelo de trabalho da Anjuman-i Adabi Kabul. Mais tarde a revista se ramificou em duas publicações separadas: uma revista em pachto, e a edição mais antiga em persa. Pushto Tolanah (Sociedade Pachto), fundada em 1939 para promover a história, a literatura e a língua pachto-afegã, assumiu o comando da edição pachto dentro da organização do recém-formado departamento de mídia do governo, Riyasat-i Mustaqil-i Matbu’at (Diretoria Autônoma de Mídia). A revista foi uma das publicações mais antigas e mais populares que apareceu durante o regime monárquico no Afeganistão. Com a chegada dos comunistas ao poder em 1979 e o país se afundando em conflitos e instabilidade política, a revista deixou de ser estável e contínua. Aqui apresentamos 375 edições da revista publicadas entre 1933 e 1964, parte das coleções da Biblioteca do Congresso.

Kābul, número 232, volume 18, edição 20, 5 de janeiro de 1949

Kābul foi um periódico mensal da Anjuman-i Adabi Kabul (Sociedade Literária de Cabul), publicado pela primeira vez em 15 de dezembro de 1931. A revista apresentava obras originais e traduzidas, e com frequência publicava tanto ensaios breves como extensos sobre a história, a arqueologia, a literatura, a cultura, as línguas e a sociedade do Afeganistão. A revista também publicava reportagens de eventos nacionais e internacionais. Em seu primeiro ano, a revista possuía de 40 a 60 páginas por número. Mais tarde, passou a ser de 80 a 120 páginas por número. Entre seus colaboradores estavam escritores literário-nacionalistas afegãos como Qari ʻAbd Allah (de 1871 a 1944), Mir Ghulam Mohammad Ghubar (de 1895 a 1978), Ahmad ʻAli Kuhzad (nascido em 1907), ʻAbd al-Hayy Habibi (de 1910 a 1984), e outras personalidades que desempenharam importantes papéis na historicização e caracterização da identidade do Afeganistão no século XX. Entre 1931 e 1938 Kābul publicou apenas artigos em persa dentro do modelo de trabalho da Anjuman-i Adabi Kabul. Mais tarde a revista se ramificou em duas publicações separadas: uma revista em pachto, e a edição mais antiga em persa. Pushto Tolanah (Sociedade Pachto), fundada em 1939 para promover a história, a literatura e a língua pachto-afegã, assumiu o comando da edição pachto dentro da organização do recém-formado departamento de mídia do governo, Riyasat-i Mustaqil-i Matbu’at (Diretoria Autônoma de Mídia). A revista foi uma das publicações mais antigas e mais populares que apareceu durante o regime monárquico no Afeganistão. Com a chegada dos comunistas ao poder em 1979 e o país se afundando em conflitos e instabilidade política, a revista deixou de ser estável e contínua. Aqui apresentamos 375 edições da revista publicadas entre 1933 e 1964, parte das coleções da Biblioteca do Congresso.

Kābul, número 233, volume 18, edição 21, 20 de janeiro de 1949

Kābul foi um periódico mensal da Anjuman-i Adabi Kabul (Sociedade Literária de Cabul), publicado pela primeira vez em 15 de dezembro de 1931. A revista apresentava obras originais e traduzidas, e com frequência publicava tanto ensaios breves como extensos sobre a história, a arqueologia, a literatura, a cultura, as línguas e a sociedade do Afeganistão. A revista também publicava reportagens de eventos nacionais e internacionais. Em seu primeiro ano, a revista possuía de 40 a 60 páginas por número. Mais tarde, passou a ser de 80 a 120 páginas por número. Entre seus colaboradores estavam escritores literário-nacionalistas afegãos como Qari ʻAbd Allah (de 1871 a 1944), Mir Ghulam Mohammad Ghubar (de 1895 a 1978), Ahmad ʻAli Kuhzad (nascido em 1907), ʻAbd al-Hayy Habibi (de 1910 a 1984), e outras personalidades que desempenharam importantes papéis na historicização e caracterização da identidade do Afeganistão no século XX. Entre 1931 e 1938 Kābul publicou apenas artigos em persa dentro do modelo de trabalho da Anjuman-i Adabi Kabul. Mais tarde a revista se ramificou em duas publicações separadas: uma revista em pachto, e a edição mais antiga em persa. Pushto Tolanah (Sociedade Pachto), fundada em 1939 para promover a história, a literatura e a língua pachto-afegã, assumiu o comando da edição pachto dentro da organização do recém-formado departamento de mídia do governo, Riyasat-i Mustaqil-i Matbu’at (Diretoria Autônoma de Mídia). A revista foi uma das publicações mais antigas e mais populares que apareceu durante o regime monárquico no Afeganistão. Com a chegada dos comunistas ao poder em 1979 e o país se afundando em conflitos e instabilidade política, a revista deixou de ser estável e contínua. Aqui apresentamos 375 edições da revista publicadas entre 1933 e 1964, parte das coleções da Biblioteca do Congresso.

Kābul, número 214, volume 18, edição 2, 4 de abril de 1948

Kābul foi um periódico mensal da Anjuman-i Adabi Kabul (Sociedade Literária de Cabul), publicado pela primeira vez em 15 de dezembro de 1931. A revista apresentava obras originais e traduzidas, e com frequência publicava tanto ensaios breves como extensos sobre a história, a arqueologia, a literatura, a cultura, as línguas e a sociedade do Afeganistão. A revista também publicava reportagens de eventos nacionais e internacionais. Em seu primeiro ano, a revista possuía de 40 a 60 páginas por número. Mais tarde, passou a ser de 80 a 120 páginas por número. Entre seus colaboradores estavam escritores literário-nacionalistas afegãos como Qari ʻAbd Allah (de 1871 a 1944), Mir Ghulam Mohammad Ghubar (de 1895 a 1978), Ahmad ʻAli Kuhzad (nascido em 1907), ʻAbd al-Hayy Habibi (de 1910 a 1984), e outras personalidades que desempenharam importantes papéis na historicização e caracterização da identidade do Afeganistão no século XX. Entre 1931 e 1938 Kābul publicou apenas artigos em persa dentro do modelo de trabalho da Anjuman-i Adabi Kabul. Mais tarde a revista se ramificou em duas publicações separadas: uma revista em pachto, e a edição mais antiga em persa. Pushto Tolanah (Sociedade Pachto), fundada em 1939 para promover a história, a literatura e a língua pachto-afegã, assumiu o comando da edição pachto dentro da organização do recém-formado departamento de mídia do governo, Riyasat-i Mustaqil-i Matbu’at (Diretoria Autônoma de Mídia). A revista foi uma das publicações mais antigas e mais populares que apareceu durante o regime monárquico no Afeganistão. Com a chegada dos comunistas ao poder em 1979 e o país se afundando em conflitos e instabilidade política, a revista deixou de ser estável e contínua. Aqui apresentamos 375 edições da revista publicadas entre 1933 e 1964, parte das coleções da Biblioteca do Congresso.

Kābul, números 215 e 216, volume 18, edições 3 e 4, 21 de abril a 5 de maio de 1948

Kābul foi um periódico mensal da Anjuman-i Adabi Kabul (Sociedade Literária de Cabul), publicado pela primeira vez em 15 de dezembro de 1931. A revista apresentava obras originais e traduzidas, e com frequência publicava tanto ensaios breves como extensos sobre a história, a arqueologia, a literatura, a cultura, as línguas e a sociedade do Afeganistão. A revista também publicava reportagens de eventos nacionais e internacionais. Em seu primeiro ano, a revista possuía de 40 a 60 páginas por número. Mais tarde, passou a ser de 80 a 120 páginas por número. Entre seus colaboradores estavam escritores literário-nacionalistas afegãos como Qari ʻAbd Allah (de 1871 a 1944), Mir Ghulam Mohammad Ghubar (de 1895 a 1978), Ahmad ʻAli Kuhzad (nascido em 1907), ʻAbd al-Hayy Habibi (de 1910 a 1984), e outras personalidades que desempenharam importantes papéis na historicização e caracterização da identidade do Afeganistão no século XX. Entre 1931 e 1938 Kābul publicou apenas artigos em persa dentro do modelo de trabalho da Anjuman-i Adabi Kabul. Mais tarde a revista se ramificou em duas publicações separadas: uma revista em pachto, e a edição mais antiga em persa. Pushto Tolanah (Sociedade Pachto), fundada em 1939 para promover a história, a literatura e a língua pachto-afegã, assumiu o comando da edição pachto dentro da organização do recém-formado departamento de mídia do governo, Riyasat-i Mustaqil-i Matbu’at (Diretoria Autônoma de Mídia). A revista foi uma das publicações mais antigas e mais populares que apareceu durante o regime monárquico no Afeganistão. Com a chegada dos comunistas ao poder em 1979 e o país se afundando em conflitos e instabilidade política, a revista deixou de ser estável e contínua. Aqui apresentamos 375 edições da revista publicadas entre 1933 e 1964, parte das coleções da Biblioteca do Congresso.

Kābul, número 217, volume 18, edição 5, 22 de maio de 1948

Kābul foi um periódico mensal da Anjuman-i Adabi Kabul (Sociedade Literária de Cabul), publicado pela primeira vez em 15 de dezembro de 1931. A revista apresentava obras originais e traduzidas, e com frequência publicava tanto ensaios breves como extensos sobre a história, a arqueologia, a literatura, a cultura, as línguas e a sociedade do Afeganistão. A revista também publicava reportagens de eventos nacionais e internacionais. Em seu primeiro ano, a revista possuía de 40 a 60 páginas por número. Mais tarde, passou a ser de 80 a 120 páginas por número. Entre seus colaboradores estavam escritores literário-nacionalistas afegãos como Qari ʻAbd Allah (de 1871 a 1944), Mir Ghulam Mohammad Ghubar (de 1895 a 1978), Ahmad ʻAli Kuhzad (nascido em 1907), ʻAbd al-Hayy Habibi (de 1910 a 1984), e outras personalidades que desempenharam importantes papéis na historicização e caracterização da identidade do Afeganistão no século XX. Entre 1931 e 1938 Kābul publicou apenas artigos em persa dentro do modelo de trabalho da Anjuman-i Adabi Kabul. Mais tarde a revista se ramificou em duas publicações separadas: uma revista em pachto, e a edição mais antiga em persa. Pushto Tolanah (Sociedade Pachto), fundada em 1939 para promover a história, a literatura e a língua pachto-afegã, assumiu o comando da edição pachto dentro da organização do recém-formado departamento de mídia do governo, Riyasat-i Mustaqil-i Matbu’at (Diretoria Autônoma de Mídia). A revista foi uma das publicações mais antigas e mais populares que apareceu durante o regime monárquico no Afeganistão. Com a chegada dos comunistas ao poder em 1979 e o país se afundando em conflitos e instabilidade política, a revista deixou de ser estável e contínua. Aqui apresentamos 375 edições da revista publicadas entre 1933 e 1964, parte das coleções da Biblioteca do Congresso.

Kābul, número 218, volume 18, edição 6, 5 de junho de 1948

Kābul foi um periódico mensal da Anjuman-i Adabi Kabul (Sociedade Literária de Cabul), publicado pela primeira vez em 15 de dezembro de 1931. A revista apresentava obras originais e traduzidas, e com frequência publicava tanto ensaios breves como extensos sobre a história, a arqueologia, a literatura, a cultura, as línguas e a sociedade do Afeganistão. A revista também publicava reportagens de eventos nacionais e internacionais. Em seu primeiro ano, a revista possuía de 40 a 60 páginas por número. Mais tarde, passou a ser de 80 a 120 páginas por número. Entre seus colaboradores estavam escritores literário-nacionalistas afegãos como Qari ʻAbd Allah (de 1871 a 1944), Mir Ghulam Mohammad Ghubar (de 1895 a 1978), Ahmad ʻAli Kuhzad (nascido em 1907), ʻAbd al-Hayy Habibi (de 1910 a 1984), e outras personalidades que desempenharam importantes papéis na historicização e caracterização da identidade do Afeganistão no século XX. Entre 1931 e 1938 Kābul publicou apenas artigos em persa dentro do modelo de trabalho da Anjuman-i Adabi Kabul. Mais tarde a revista se ramificou em duas publicações separadas: uma revista em pachto, e a edição mais antiga em persa. Pushto Tolanah (Sociedade Pachto), fundada em 1939 para promover a história, a literatura e a língua pachto-afegã, assumiu o comando da edição pachto dentro da organização do recém-formado departamento de mídia do governo, Riyasat-i Mustaqil-i Matbu’at (Diretoria Autônoma de Mídia). A revista foi uma das publicações mais antigas e mais populares que apareceu durante o regime monárquico no Afeganistão. Com a chegada dos comunistas ao poder em 1979 e o país se afundando em conflitos e instabilidade política, a revista deixou de ser estável e contínua. Aqui apresentamos 375 edições da revista publicadas entre 1933 e 1964, parte das coleções da Biblioteca do Congresso.

Kābul, número 219, volume 18, edição 7, 22 de junho de 1948

Kābul foi um periódico mensal da Anjuman-i Adabi Kabul (Sociedade Literária de Cabul), publicado pela primeira vez em 15 de dezembro de 1931. A revista apresentava obras originais e traduzidas, e com frequência publicava tanto ensaios breves como extensos sobre a história, a arqueologia, a literatura, a cultura, as línguas e a sociedade do Afeganistão. A revista também publicava reportagens de eventos nacionais e internacionais. Em seu primeiro ano, a revista possuía de 40 a 60 páginas por número. Mais tarde, passou a ser de 80 a 120 páginas por número. Entre seus colaboradores estavam escritores literário-nacionalistas afegãos como Qari ʻAbd Allah (de 1871 a 1944), Mir Ghulam Mohammad Ghubar (de 1895 a 1978), Ahmad ʻAli Kuhzad (nascido em 1907), ʻAbd al-Hayy Habibi (de 1910 a 1984), e outras personalidades que desempenharam importantes papéis na historicização e caracterização da identidade do Afeganistão no século XX. Entre 1931 e 1938 Kābul publicou apenas artigos em persa dentro do modelo de trabalho da Anjuman-i Adabi Kabul. Mais tarde a revista se ramificou em duas publicações separadas: uma revista em pachto, e a edição mais antiga em persa. Pushto Tolanah (Sociedade Pachto), fundada em 1939 para promover a história, a literatura e a língua pachto-afegã, assumiu o comando da edição pachto dentro da organização do recém-formado departamento de mídia do governo, Riyasat-i Mustaqil-i Matbu’at (Diretoria Autônoma de Mídia). A revista foi uma das publicações mais antigas e mais populares que apareceu durante o regime monárquico no Afeganistão. Com a chegada dos comunistas ao poder em 1979 e o país se afundando em conflitos e instabilidade política, a revista deixou de ser estável e contínua. Aqui apresentamos 375 edições da revista publicadas entre 1933 e 1964, parte das coleções da Biblioteca do Congresso.

Kābul, número 220, volume 18, edição 8, 6 de julho de 1948

Kābul foi um periódico mensal da Anjuman-i Adabi Kabul (Sociedade Literária de Cabul), publicado pela primeira vez em 15 de dezembro de 1931. A revista apresentava obras originais e traduzidas, e com frequência publicava tanto ensaios breves como extensos sobre a história, a arqueologia, a literatura, a cultura, as línguas e a sociedade do Afeganistão. A revista também publicava reportagens de eventos nacionais e internacionais. Em seu primeiro ano, a revista possuía de 40 a 60 páginas por número. Mais tarde, passou a ser de 80 a 120 páginas por número. Entre seus colaboradores estavam escritores literário-nacionalistas afegãos como Qari ʻAbd Allah (de 1871 a 1944), Mir Ghulam Mohammad Ghubar (de 1895 a 1978), Ahmad ʻAli Kuhzad (nascido em 1907), ʻAbd al-Hayy Habibi (de 1910 a 1984), e outras personalidades que desempenharam importantes papéis na historicização e caracterização da identidade do Afeganistão no século XX. Entre 1931 e 1938 Kābul publicou apenas artigos em persa dentro do modelo de trabalho da Anjuman-i Adabi Kabul. Mais tarde a revista se ramificou em duas publicações separadas: uma revista em pachto, e a edição mais antiga em persa. Pushto Tolanah (Sociedade Pachto), fundada em 1939 para promover a história, a literatura e a língua pachto-afegã, assumiu o comando da edição pachto dentro da organização do recém-formado departamento de mídia do governo, Riyasat-i Mustaqil-i Matbu’at (Diretoria Autônoma de Mídia). A revista foi uma das publicações mais antigas e mais populares que apareceu durante o regime monárquico no Afeganistão. Com a chegada dos comunistas ao poder em 1979 e o país se afundando em conflitos e instabilidade política, a revista deixou de ser estável e contínua. Aqui apresentamos 375 edições da revista publicadas entre 1933 e 1964, parte das coleções da Biblioteca do Congresso.

Kābul, número 221, volume 18, edição 9, 23 de julho de 1948

Kābul foi um periódico mensal da Anjuman-i Adabi Kabul (Sociedade Literária de Cabul), publicado pela primeira vez em 15 de dezembro de 1931. A revista apresentava obras originais e traduzidas, e com frequência publicava tanto ensaios breves como extensos sobre a história, a arqueologia, a literatura, a cultura, as línguas e a sociedade do Afeganistão. A revista também publicava reportagens de eventos nacionais e internacionais. Em seu primeiro ano, a revista possuía de 40 a 60 páginas por número. Mais tarde, passou a ser de 80 a 120 páginas por número. Entre seus colaboradores estavam escritores literário-nacionalistas afegãos como Qari ʻAbd Allah (de 1871 a 1944), Mir Ghulam Mohammad Ghubar (de 1895 a 1978), Ahmad ʻAli Kuhzad (nascido em 1907), ʻAbd al-Hayy Habibi (de 1910 a 1984), e outras personalidades que desempenharam importantes papéis na historicização e caracterização da identidade do Afeganistão no século XX. Entre 1931 e 1938 Kābul publicou apenas artigos em persa dentro do modelo de trabalho da Anjuman-i Adabi Kabul. Mais tarde a revista se ramificou em duas publicações separadas: uma revista em pachto, e a edição mais antiga em persa. Pushto Tolanah (Sociedade Pachto), fundada em 1939 para promover a história, a literatura e a língua pachto-afegã, assumiu o comando da edição pachto dentro da organização do recém-formado departamento de mídia do governo, Riyasat-i Mustaqil-i Matbu’at (Diretoria Autônoma de Mídia). A revista foi uma das publicações mais antigas e mais populares que apareceu durante o regime monárquico no Afeganistão. Com a chegada dos comunistas ao poder em 1979 e o país se afundando em conflitos e instabilidade política, a revista deixou de ser estável e contínua. Aqui apresentamos 375 edições da revista publicadas entre 1933 e 1964, parte das coleções da Biblioteca do Congresso.