Curso do rio Mississippi, de acordo com os relatos mais modernos

Le cours du fleuve Missisipi (Curso do rio Mississippi) mostra o extenso curso e a bacia hidrográfica do rio Mississippi, bem como partes do leste da América do Norte, com base nas informações geográficas mais recentes disponíveis em meados da década de 1730. O mapa destaca amplos trechos do leste da América do Norte que vão da Baía de Hudson ao Golfo do México, e da foz do rio São Lourenço até o delta do Mississipi. O mapa identifica Nova França, Nova Inglaterra e Nova Espanha. Ele apresenta nomes de lagos, rios e outros pontos de interesse, e denomina algumas das colônias nativas americanas, bem como fortes europeus, missões, minas e cidades americanas incipientes. A região que vai do leste do Canadá aos Grandes Lagos e até o sul de Nova Orleans havia sido explorada por voyageurs franceses, que haviam aproveitado o comércio e a captura de pessoas ao longo da crescente fronteira ocidental americana por mais de um século na época em que este mapa foi feito. O mapa destaca caminhos para o transporte de botes por terra entre os sistemas fluviais utilizados por esses desbravadores. Ele também mostra rotas mais longas de Quebec pelos Grandes Lagos e afluentes do rio Mississippi, e mais à frente para Nova Orleans. Observações ou “legendas” fornecem informações adicionais, como o fato de o rio Mississippi ser “cheio de pelicanos”. O mapa retrata os relevos de forma ilustrada. A escala é dada em três tipos diferentes de lieues (léguas), uma antiga medição francesa, variável de acordo os graus e a época em questão (muito aproximadamente, um lieu equivale a três quilômetros). O mapa foi publicado em Amsterdã em 1737 por Jean-Frederic Bernard (por volta de 1683 a 1744), um livreiro, impressor, escritor e tradutor francês. Bernard era de uma família francesa huguenote refugiada, e viveu e trabalhou a maior parte de sua vida nos Países Baixos, porém publicou e imprimiu suas obras em francês. O mapa faz parte da Coleção de Rochambeau na Biblioteca do Congresso, com 40 mapas manuscritos, 26 mapas impressos e um atlas manuscrito que pertenceram a Jean-Baptiste-Donatien de Vimeur, conde de Rochambeau (de 1725 a 1807), comandante-em-chefe do exército expedicionário francês (de 1780 a 1782) durante a Revolução Americana. Alguns mapas foram usados por Rochambeau durante a guerra. Datados de 1717 a 1795, eles abrangem grande parte do leste da América do Norte, indo de Nova Terra e Labrador, ao norte, até o Haiti, ao sul. A coleção inclui mapas de cidades, mapas de batalhas e campanhas militares da Guerra Revolucionária, e os primeiros mapas estaduais da década de 1790.

Vários acampamentos militares de Yorktown a Boston

Differents camps de l’armée de York-town à Boston (Vários acampamentos militares de Yorktown a Boston) é um mapa manuscrito feito com bico de pena e aquarela, criado em 1787 pelo cartógrafo francês François Soulès (de 1748 a 1809), com base numa versão anterior de 1782. O mapa está orientado com o norte em direção ao lado direito superior. Ele mostra a rota marchada durante a Guerra da Revolução Americana pelo exército do conde de Rochambeau de Providence, em Rhode Island, a Yorktown, na Virgínia, bem como a rota de retorno e os acampamentos das tropas. A marcha inicial para o sul, de 10 de junho a 30 de setembro de 1781, é retratada pela linha branca, com duas bordas pretas sólidas. A rota continua de Providence até Head of Elk e Annapolis, em Maryland, e depois ao longo da Baía de Chesapeake até Williamsburg e Yorktown (acampamentos de 1 a 40). A rota do trem de abastecimento é representada pela linha amarela, que vai de “Scott’s House” em direção ao sul até Williamsburg. A linha vermelha representa a marcha pelo flanco da Legião de Lauzun, que foi de Lebanon, em Connecticut, até Philipsburg, em Nova York. Os acampamentos da marcha de retorno seguem a linha amarela de Williamsburg até a “Spurrier’s Tavern”, e continuam ao longo da linha branca que vai para Boston. Acampamentos ao longo da linha tracejada (retângulos vermelhos) que vai de Princeton, em Nova Jersey, a King’s Ferry representam a marcha pelo flanco da Legião de Lauzun na marcha de retorno. O mapa é colorido à mão e o título é da etiqueta manuscrita que havia sido originalmente colocada no verso. O mapa faz parte da Coleção de Rochambeau na Biblioteca do Congresso, com 40 mapas manuscritos, 26 mapas impressos e um atlas manuscrito que pertenceram a Jean-Baptiste-Donatien de Vimeur, conde de Rochambeau (de 1725 a 1807), comandante-em-chefe do exército expedicionário francês (de 1780 a 1782) durante a Revolução Americana. Alguns mapas foram usados por Rochambeau durante a guerra. Datados de 1717 a 1795, eles abrangem grande parte do leste da América do Norte, indo de Nova Terra e Labrador, ao norte, até o Haiti, ao sul. A coleção inclui mapas de cidades, mapas de batalhas e campanhas militares da Guerra Revolucionária, e os primeiros mapas estaduais da década de 1790.

Parte oriental do Canadá, traduzido do inglês do mapa feito por Jefferys publicado em Londres em maio de 1755

Partie orientale du Canada (Parte oriental do Canadá) é um mapa manuscrito colorido à mão pelo cartógrafo, autor e ilustrador Georges-Louis Le Rouge (nascido em 1712), geógrafo real do rei Luís XV. A obra tomou como base um mapa inglês feito por Thomas Jefferys (por volta de 1719 a 1771), que trabalhou como geógrafo do rei George III e gravou e publicou muitos mapas e atlas em meados do século XVIII, especialmente da América do Norte. Seu desenho cobre a região nordeste de Montreal até a Île du Petit Mecatina e o sudoeste do Porte de Boston. O mapa exibe com destaque a parte oriental do Canadá, incluindo locais como Península de Gaspé, rio São Lourenço, Golfo de São Lourenço, Nova Escócia, Baía de Fundy e Golfo do Maine. Ele mostra cidades, fortes, estradas, portos, rios e lagos, território tribal indígena, ilhas costeiras, relevos e sondagens no Estreito de Northumberland. O mapa também descreve uma estrada planejada de Quebec até o forte Ocidental, em Maine. Várias linhas coloridas e incompletas destacam fronteiras estabelecidas por diversos tratados. O mapa inclui duas “Explicações” no topo das linhas coloridas e do sombreamento, e uma tabela no canto superior esquerdo que compara as latitudes e longitudes de vários mapas mais antigos. O relevo é ilustrado e a escala é dada em léguas marítimas e em milhas. Netuno aparece guiando sua carruagem no Golfo de São Lourenço. O mapa faz parte da Coleção de Rochambeau na Biblioteca do Congresso, com 40 mapas manuscritos, 26 mapas impressos e um atlas manuscrito que pertenceram a Jean-Baptiste-Donatien de Vimeur, conde de Rochambeau (de 1725 a 1807), comandante-em-chefe do exército expedicionário francês (de 1780 a 1782) durante a Revolução Americana. Alguns mapas foram usados por Rochambeau durante a guerra. Datados de 1717 a 1795, eles abrangem grande parte do leste da América do Norte, indo de Nova Terra e Labrador, ao norte, até o Haiti, ao sul. A coleção inclui mapas de cidades, mapas de batalhas e campanhas militares da Guerra Revolucionária, e os primeiros mapas estaduais da década de 1790.

Cidade, ancoradouro e porto de Baltimore, Maryland

Ville, port, et rade de Baltimore (Cidade, ancoradouro e porto de Baltimore) é um mapa manuscrito produzido com bico de pena e aquarela que retrata o porto e os arredores de Baltimore, em Maryland, pouco antes do fim da Guerra Revolucionária. O mapa foi criado por Louis-Alexandre Berthier (de 1753 a 1815), um jovem oficial francês que acompanhou o exército do conde de Rochambeau para a América do Norte em 1780 e serviu em seu estado-maior geral. Mais tarde, Berthier alcançou o posto de marechal do exército francês e chefe do estado-maior de Napoleão. O mapa mostra fortificações, acampamentos de tropas do exército de Rochambeau ao redor do porto de Baltimore, baterias na entrada do porto e uma balsa cruzando o rio Patapsco. Ele também mostra o desenho das ruas de Baltimore da época, bem como cais, casas e fazendas locais. O mapa destaca canais, sondagens e bancos de areia em águas circundantes, e mostra caminhos para “Frederick Town”, “White Marsh” e “Spurrier’s Tavern” (na interseção de rotas que ligam Baltimore, Washington e Annapolis). O relevo é representado por sombreado. O título é de uma etiqueta escrita à mão que havia sido originalmente colocada no verso. O mapa faz parte da Coleção de Rochambeau na Biblioteca do Congresso, com 40 mapas manuscritos, 26 mapas impressos e um atlas manuscrito que pertenceram a Jean-Baptiste-Donatien de Vimeur, conde de Rochambeau (de 1725 a 1807), comandante-em-chefe do exército expedicionário francês (de 1780 a 1782) durante a Revolução Americana. Alguns mapas foram usados por Rochambeau durante a guerra. Datados de 1717 a 1795, eles abrangem grande parte do leste da América do Norte, indo de Nova Terra e Labrador, ao norte, até o Haiti, ao sul. A coleção inclui mapas de cidades, mapas de batalhas e campanhas militares da Guerra Revolucionária, e os primeiros mapas estaduais da década de 1790.

Mapa parcial de Porto de Boston mostrando suas defesas

Plan d’une partie de la rade de Boston (Mapa parcial de Porto de Boston) é um mapa manuscrito feito com bico de pena e aquarela que data de 1778, o terceiro ano da Revolução Americana. Ela retrata a área de Porto de Boston que vai de Castle William Island até Point Alderton. O mapa mostra a posição da frota francesa sob o comando do almirante conde d’Estaing, em Porto de Boston, onde os navios franceses haviam sido enviados para conserto depois de um confronto inconclusivo ao largo da costa de Rhode Island com a frota britânica comandada pelo almirante John Byron. Ele também destaca baterias francesas construídas em várias ilhas do porto mais afastadas para proteger a frota, bem como um hospital temporário. A legenda com letras identifica pontos geográficos de interesse e fortificações, bem como navios individuais e seus comandantes. O mapa era originalmente acompanhado por um extrato de um livro de memórias de um dos oficiais do almirante d’Estaing. O relevo é representado por hachuras, e o mapa apresenta uma marca d’água. A escala é dada em toises, uma antiga unidade francesa que media aproximadamente 1,95 metros. O mapa faz parte da Coleção de Rochambeau na Biblioteca do Congresso, com 40 mapas manuscritos, 26 mapas impressos e um atlas manuscrito que pertenceram a Jean-Baptiste-Donatien de Vimeur, conde de Rochambeau (de 1725 a 1807), comandante-em-chefe do exército expedicionário francês (de 1780 a 1782) durante a Revolução Americana. Alguns mapas foram usados por Rochambeau durante a guerra. Datados de 1717 a 1795, eles abrangem grande parte do leste da América do Norte, indo de Nova Terra e Labrador, ao norte, até o Haiti, ao sul. A coleção inclui mapas de cidades, mapas de batalhas e campanhas militares da Guerra Revolucionária, e os primeiros mapas estaduais da década de 1790.

Estados Unidos. Região Norte

Este mapa manuscrito feito com bico de pena e aquarela que data de 1708 mostra principalmente as colônias inglesas da Pensilvânia e de Nova York como era conhecida sua geografia na época. Ele engloba a região que se estende do Lago Michigan (Lago Illinois neste mapa) ao oeste, de Ontário e Quebec ao norte, do oeste da Nova Inglaterra ao leste, e da Virgínia e o sul das Montanhas Apalaches, ao sul. O mapa identifica os territórios habitados por diversas tribos indígenas e fornece informações históricas sobre conflitos tribais e transferências populacionais. Ele também mostra lagos e rios, alguns com o nome em inglês e francês, bem como morros, montanhas, cachoeiras, ilhas e outros pontos geográficos de interesse. Entre os importantes corpos d’água retratados estão a Baía de Chesapeake; rios Potomac, Susquehanna, Delaware, Hudson e São Lourenço; e Lagos Superior, Michigan (Illinois), Huron, Erie e Ontário (Frontenac). O mapa indica muitas vilas e cidades que mais tarde se tornaram o nordeste dos Estados Unidos, incluindo Filadélfia, Nova York, Albany e várias comunidades vizinhas menores. O relevo aparece de forma ilustrada e por hachuras. O mapa contém marcas d’água e vários buracos e rasgos, principalmente ao longo das dobras e dos vincos. O título anacrônico é de uma etiqueta escrita à mão que havia sido originalmente colocada no verso. O mapa faz parte da Coleção de Rochambeau na Biblioteca do Congresso, com 40 mapas manuscritos, 26 mapas impressos e um atlas manuscrito que pertenceram a Jean-Baptiste-Donatien de Vimeur, conde de Rochambeau (de 1725 a 1807), comandante-em-chefe do exército expedicionário francês (de 1780 a 1782) durante a Revolução Americana. Alguns mapas foram usados por Rochambeau durante a guerra. Datados de 1717 a 1795, eles abrangem grande parte do leste da América do Norte, indo de Nova Terra e Labrador, ao norte, até o Haiti, ao sul. A coleção inclui mapas de cidades, mapas de batalhas e campanhas militares da Guerra Revolucionária, e os primeiros mapas estaduais da década de 1790.

Litoral de Yorktown a Boston. Avanços do exército

Côte de York-town à Boston (Litoral de Yorktown a Boston) é um mapa manuscrito feito com bico de pena e aquarela, produzido em 1782 durante a Guerra Revolucionária Americana. O mapa está orientado com o norte em direção ao lado direito superior. Ele mostra a rota marchada pelo exército do conde de Rochambeau de Providence, em Rhode Island, a Yorktown, na Virgínia, bem como a rota de retorno e os acampamentos das tropas ao longo do caminho para Boston. A marcha inicial em direção ao sul, de 10 de junho a 30 de setembro de 1781, é representada pela linha amarela que vai de Providence a Head of Elk e Annapolis, em Maryland, e depois ao longo da Baía de Chesapeake a Williamsburg e Yorktown (campos de 1 a 40). A rota do trem de abastecimento é representada pela linha amarela, que vai de “Scott’s House” em direção ao sul até Williamsburg. A linha vermelha representa a marcha pelo flanco da Legião de Lauzun, que foi de Lebanon, em Connecticut, até Philipsburg, em Nova York. Os acampamentos da marcha de retorno seguem a linha verde de Williamsburg até a “Spurrier’s Tavern”, e continuam ao longo da linha amarela que vai para Providence e Boston. Acampamentos ao longo da linha vermelha que vai de Princeton, em Nova Jersey, a King’s Ferry, em Nova York, representam a marcha pelo flanco da Legião de Lauzun na marcha de retorno. O título é de uma etiqueta escrita à mão que havia sido originalmente colocada no verso. O mapa faz parte da Coleção de Rochambeau na Biblioteca do Congresso, com 40 mapas manuscritos, 26 mapas impressos e um atlas manuscrito que pertenceram a Jean-Baptiste-Donatien de Vimeur, conde de Rochambeau (de 1725 a 1807), comandante-em-chefe do exército expedicionário francês (de 1780 a 1782) durante a Revolução Americana. Alguns mapas foram usados por Rochambeau durante a guerra. Datados de 1717 a 1795, eles abrangem grande parte do leste da América do Norte, indo de Nova Terra e Labrador, ao norte, até o Haiti, ao sul. A coleção inclui mapas de cidades, mapas de batalhas e campanhas militares da Guerra Revolucionária, e os primeiros mapas estaduais da década de 1790.

Mapa geral do Oceano Atlântico ou Ocidental, desenhado no Escritório Geral de Mapas, Gráficos e Revistas Navais e publicado sob ordens do Ministro do Serviço Militar de Navios Franceses em 1786

Carte Générale de l’Océan Atlantique ou Occidental (Mapa geral do Oceano Atlântico ou Ocidental) é um mapa de Projeção de Mercator desenhado em 1792 pelo escritório cartográfico da marinha francesa sob ordens do governo, e foi desenhado para ajudar os navios franceses. O mapa é uma carta náutica que mostra a latitude e a longitude exatas no Oceano Ocidental (Atlântico Norte) até a linha do Equador, com o meridiano passado por Paris e todas as outras leituras longitudinais alinhadas em conformidade. A profundidade da água é apresentada por sondagens. O mapa pode ter sido usado por um navio específico numa viagem de cinco semanas da França ao Caribe, conforme a rota indicada por uma linha vermelha, que vai de Brest até Fort-Dauphin (atual Fort-Liberté, no Haiti). Várias cidades, vilas, ilhas e características geográficas são indicadas em ambos os lados do Atlântico, do leste da América do Norte ao Caribe e nordeste da América do Sul, e da Europa Ocidental até a África Ocidental. O mapa faz parte da Coleção de Rochambeau na Biblioteca do Congresso, com 40 mapas manuscritos, 26 mapas impressos e um atlas manuscrito que pertenceram a Jean-Baptiste-Donatien de Vimeur, conde de Rochambeau (de 1725 a 1807), comandante-em-chefe do exército expedicionário francês (de 1780 a 1782) durante a Revolução Americana. Alguns mapas foram usados por Rochambeau durante a guerra. Datados de 1717 a 1795, eles abrangem grande parte do leste da América do Norte, indo de Nova Terra e Labrador, ao norte, até o Haiti, ao sul. A coleção inclui mapas de cidades, mapas de batalhas e campanhas militares da Guerra Revolucionária, e os primeiros mapas estaduais da década de 1790.