29 de dezembro de 2015

General Leônidas Polk, Estados Confederados da América.

Leonidas Polk (1806 a 1864) foi um general da União na Guerra Civil Americana. Nasceu em Raleigh, Carolina do Norte, graduou-se na Academia Militar dos Estados Unidos de West Point em 1827. Mais tarde, trocou o exército pela igreja e se tornou o primeiro bispo episcopal de Louisiana em 1841. Com a eclosão da guerra, ele ofereceu seus serviços para o Exército Confederado e, em junho de 1861, tornou-se major-general. Comandou as tropas nas Batalhas de Belmont e Shiloh e no esforço sulista infrutífero de repelir o avanço do general William Tecumseh Sherman em Atlanta. Ele morreu na Batalha de Pine Mountain, nas proximidades de Kennesaw, Geórgia, em 14 de junho de 1864. A imagem é de um álbum fotográfico, em sua maioria do período da Guerra Civil, registrado pelo famoso fotógrafo americano Matthew Brady (por volta de 1823 a 1896), que pertenceu ao Imperador Pedro II do Brasil (1825 a 1891), um colecionador de fotografias e ele próprio um fotógrafo. O álbum foi um presente dado ao imperador por Edward Anthony (1818 a 1888), um dos primeiros fotógrafos americanos que, em parceria com seu irmão, tornou-se proprietário de uma empresa líder de vendas de materiais fotográficos nos Estados Unidos na década de 1850. Dom Pedro II pode ter adquirido o álbum durante uma viagem aos Estados Unidos em 1876, quando inaugurou a Exposição Centenária da Filadélfia ao lado do presidente americano Ulysses S. Grant. Brady nasceu no norte de Nova York e era filho de imigrantes vindos da Irlanda. Muito conhecido por fotografias que documentam as batalhas da Guerra Civil Americana, ele iniciou a carreira em 1844, quando abriu um estúdio de retratos de daguerreótipo na esquina da Broadway Street com a Fulton Street, na cidade de Nova York. No decurso das décadas seguintes, Brady produziu retratos das principais figuras públicas americanas, muitos dos quais foram publicados como gravuras em revistas e jornais. Em 1858, ele abriu uma filial em Washington, DC. O álbum, que também contém um pequeno número de impressões não fotográficas, faz parte da Coleção D. Thereza Christina Maria, da Biblioteca Nacional do Brasil. A coleção é composta por 21.742 fotografias reunidas pelo imperador Dom Pedro II ao longo de sua vida, e doadas por ele à Biblioteca Nacional. A coleção também abrange uma grande variedade de assuntos, documentando as conquistas do Brasil e dos brasileiros no século XIX e incluindo muitas fotografias da Europa, África e América do Norte.

General de Brigada Simon Bolivar Buckner, Estados Confederados da América

Simon Bolivar Buckner (1823 a 1914) foi um general confederado na Guerra Civil Americana. Nasceu na fronteira do Estado em Kentucky, graduou-se na Academia Militar dos Estados Unidos de West Point, onde também foi professor e serviu no Exército dos Estados Unidos na Guerra Mexicana (1846 a 1848). Ele deixou o exército em 1855 para exercer a profissão de advogado no Kentucky. Entrou a serviço da Confederação em setembro de 1861 e recebeu o comando de uma divisão do Exército Central de Kentucky. No dia 16 de fevereiro de 1862, ele entregou o forte e a guarnição do Fort Donelson para a União, concedendo ao então desconhecido general Ulysses S. Grant, sua primeira e importante vitória da guerra. Capturado como prisioneiro de guerra, Buckner foi libertado durante uma troca de prisioneiros em agosto daquele ano. Ele seguiu assumindo uma série de comandos durante o restante da guerra. Buckner exerceu um mandato como governador do Kentucky de 1887 a 1891. A imagem é de um álbum fotográfico, em sua maioria do período da Guerra Civil, registrado pelo famoso fotógrafo americano Matthew Brady (por volta de 1823 a 1896), que pertenceu ao Imperador Pedro II do Brasil (1825 a 1891), um colecionador de fotografias e ele próprio um fotógrafo. O álbum foi um presente dado ao imperador por Edward Anthony (1818 a 1888), um dos primeiros fotógrafos americanos que, em parceria com seu irmão, tornou-se proprietário de uma empresa líder de vendas de materiais fotográficos nos Estados Unidos na década de 1850. Dom Pedro II pode ter adquirido o álbum durante uma viagem aos Estados Unidos em 1876, quando inaugurou a Exposição Centenária da Filadélfia ao lado do presidente americano Ulysses S. Grant. Brady nasceu no norte de Nova York e era filho de imigrantes vindos da Irlanda. Muito conhecido por fotografias que documentam as batalhas da Guerra Civil Americana, ele iniciou a carreira em 1844, quando abriu um estúdio de retratos de daguerreótipo na esquina da Broadway Street com a Fulton Street, na cidade de Nova York. No decurso das décadas seguintes, Brady produziu retratos das principais figuras públicas americanas, muitos dos quais foram publicados como gravuras em revistas e jornais. Em 1858, ele abriu uma filial em Washington, DC. O álbum, que também contém um pequeno número de impressões não fotográficas, faz parte da Coleção D. Thereza Christina Maria, da Biblioteca Nacional do Brasil. A coleção é composta por 21.742 fotografias reunidas pelo imperador Dom Pedro II ao longo de sua vida, e doadas por ele à Biblioteca Nacional. A coleção também abrange uma grande variedade de assuntos, documentando as conquistas do Brasil e dos brasileiros no século XIX e incluindo muitas fotografias da Europa, África e América do Norte.

Vice-presidente Alexander H. Stephens, Estados Confederados da América

Alexander H. Stephens (1812 a 1883) foi vice-presidente dos Estados Confederados da América. Nasceu em uma pequena fazenda na região do Piedmont, na Geórgia, cursou direito, foi admitido na Ordem dos Advogados, e logo foi eleito para a Assembleia do Estado da Geórgia. Em 1843, foi eleito para o Congresso dos Estados Unidos como membro do Partido Whig. Embora fosse pouco comum para um político sulista, ele tinhas suas reservas quanto à anexação do Texas e se opôs à Guerra Mexicana e ao vasto programa de expansão territorial do presidente James K. Polk, uma vez que isso criaria um atrito desnecessário entre o Norte e o Sul e colocaria em risco a instituição da escravatura, que ele apoiava. Quando Abraham Lincoln foi eleito presidente, em 1860, Stephens pressionou seus compatriotas da Geórgia a rejeitarem a secessão. Quando o fato ocorreu, Stephens foi escolhido como vice-presidente, em parte por ser oportuno um grande estado, antes um contraponto antisecessionista, servir de contrapeso ao presidente mais radical, Jefferson Davis, do pequeno Estado do Mississippi. Stephens não era próximo de Davis e criticou sua conduta de guerra. Após a Guerra Civil, Stephens foi eleito para o Congresso em 1873 e como governador da Geórgia em 1882. Ele governou apenas quatro meses antes de morrer no exercício do cargo. A imagem é de um álbum fotográfico, em sua maioria do período da Guerra Civil, registrado pelo famoso fotógrafo americano Matthew Brady (por volta de 1823 a 1896), que pertenceu ao Imperador Pedro II do Brasil (1825 a 1891), um colecionador de fotografias e ele próprio um fotógrafo. O álbum foi um presente dado ao imperador por Edward Anthony (1818 a 1888), um dos primeiros fotógrafos americanos que, em parceria com seu irmão, tornou-se proprietário de uma empresa líder de vendas de materiais fotográficos nos Estados Unidos na década de 1850. Dom Pedro II pode ter adquirido o álbum durante uma viagem aos Estados Unidos em 1876, quando inaugurou a Exposição Centenária da Filadélfia ao lado do presidente americano Ulysses S. Grant. Brady nasceu no norte de Nova York e era filho de imigrantes vindos da Irlanda. Muito conhecido por fotografias que documentam as batalhas da Guerra Civil Americana, ele iniciou a carreira em 1844, quando abriu um estúdio de retratos de daguerreótipo na esquina da Broadway Street com a Fulton Street, na cidade de Nova York. No decurso das décadas seguintes, Brady produziu retratos das principais figuras públicas americanas, muitos dos quais foram publicados como gravuras em revistas e jornais. Em 1858, ele abriu uma filial em Washington, DC. O álbum, que também contém um pequeno número de impressões não fotográficas, faz parte da Coleção D. Thereza Christina Maria, da Biblioteca Nacional do Brasil. A coleção é composta por 21.742 fotografias reunidas pelo imperador Dom Pedro II ao longo de sua vida, e doadas por ele à Biblioteca Nacional. A coleção também abrange uma grande variedade de assuntos, documentando as conquistas do Brasil e dos brasileiros no século XIX e incluindo muitas fotografias da Europa, África e América do Norte.

Presidente George Washington

George Washington (1732 a 1799) foi o primeiro presidente dos Estados Unidos, fundador e herói nacional reverenciado tanto pelo Norte quanto pelo Sul durante a Guerra Civil Americana. Sua educação formal era limitada, porém aprendeu com pesquisas e serviu na guerra contra os franceses e os índios com a milícia da Virgínia, sob o comando do general Edward Braddock, do exército britânico. Alçou à patente de coronel e foi a escolha mais lógica para o comando do Exército Continental na Guerra da Independência Americana. Washington quis retornar à vida privada após a guerra, mas foi destacado para presidir a convenção que elaborou a Constituição dos Estados Unidos. Depois, exerceu dois mandatos como presidente e abriu um poderoso precedente ao se aposentar em 1787, quando então retornou para sua residência, na cidade de Mount Vernon. Washington morreu antes da invenção da fotografia, mas muitos retratos seus foram pintados ao longo de sua vida. A imagem é de um álbum fotográfico, em sua maioria do período da Guerra Civil, registrado pelo famoso fotógrafo americano Matthew Brady (por volta de 1823 a 1896), que pertenceu ao Imperador Pedro II do Brasil (1825 a 1891), um colecionador de fotografias e ele próprio um fotógrafo. O álbum foi um presente dado ao imperador por Edward Anthony (1818 a 1888), um dos primeiros fotógrafos americanos que, em parceria com seu irmão, tornou-se proprietário de uma empresa líder de vendas de materiais fotográficos nos Estados Unidos na década de 1850. Dom Pedro II pode ter adquirido o álbum durante uma viagem aos Estados Unidos em 1876, quando inaugurou a Exposição Centenária da Filadélfia ao lado do presidente americano Ulysses S. Grant. Brady nasceu no norte de Nova York e era filho de imigrantes vindos da Irlanda. Muito conhecido por fotografias que documentam as batalhas da Guerra Civil Americana, ele iniciou a carreira em 1844, quando abriu um estúdio de retratos de daguerreótipo na esquina da Broadway Street com a Fulton Street, na cidade de Nova York. No decurso das décadas seguintes, Brady produziu retratos das principais figuras públicas americanas, muitos dos quais foram publicados como gravuras em revistas e jornais. Em 1858, ele abriu uma filial em Washington, DC. O álbum, que também contém um pequeno número de impressões não fotográficas, faz parte da Coleção D. Thereza Christina Maria, da Biblioteca Nacional do Brasil. A coleção é composta por 21.742 fotografias reunidas pelo imperador Dom Pedro II ao longo de sua vida, e doadas por ele à Biblioteca Nacional. A coleção também abrange uma grande variedade de assuntos, documentando as conquistas do Brasil e dos brasileiros no século XIX e incluindo muitas fotografias da Europa, África e América do Norte.

Presidente Abraham Lincoln

Abraham Lincoln (1800 a 1865) foi o 16° presidente dos Estados Unidos. Nasceu em uma cabana de madeira nas proximidades de Hodgenville, Kentucky, e cresceu no sudoeste de Indiana. Teve pouca educação formal. Em grande parte autodidata, tornou-se advogado em Springfield, Illinois, e foi eleito para a Assembleia do Estado de Illinois em 1836 e, em 1846, para um único mandato no Congresso dos Estados Unidos. Nos anos de 1850, tornou-se líder no novo Partido Republicano e porta-voz nacional contra o Ato de Kansas-Nebraska de 1854, que abria todo o território da Compra da Louisiana para a escravatura. A eleição de Lincoln para presidência, em 1860, precipitou a secessão dos estados sulistas da União no início de 1861. Na Guerra Civil que se seguiu, Lincoln derrotou o Sul, salvou a União da dissolução e acabou com a escravidão nos Estados Unidos. As suas conquistas internas incluíram o Ato Morrill (1862), que criava concessões de terras para universidades e faculdades; a Lei de Propriedade Rural (1862), que permitia que colonos pudessem obter 160 acres (650 mil metros quadrados) de terra rural para morar e cultivar por cinco anos e o Ato Ferroviário do Pacífico (1862) que autorizava a construção da primeira ferrovia transcontinental. Lincoln foi assassinado por um simpatizante dos confederados em 14 de abril de 1865, cinco dias após o término efetivo da Guerra Civil. Esta fotografia, uma das muitas de Lincoln feita por Matthew Brady, foi tirada na cidade de Nova York na manhã de segunda-feira do dia 27 de fevereiro de 1860, horas antes de seu famoso discurso da Cooper Union. Em seu discurso, Lincoln apresentou sua própria análise minuciosa, examinou o ponto de vista dos 39 signatários da Constituição, e argumentou que no mínimo 21 deles, uma nítida maioria, acreditavam que o Congresso deveria controlar a expansão da escravidão para os territórios. Mais tarde, Lincoln supostamente teria dito que o discurso e seu retrato, a mais famosa apresentação de Lincoln sem barba, foram responsáveis por torná-lo presidente. A imagem é de um álbum fotográfico, em sua maioria do período da Guerra Civil, registrado pelo famoso fotógrafo americano Matthew Brady (por volta de 1823 a 1896), que pertenceu ao Imperador Pedro II do Brasil (1825 a 1891), um colecionador de fotografias e ele próprio um fotógrafo. O álbum foi um presente dado ao imperador por Edward Anthony (1818 a 1888), um dos primeiros fotógrafos americanos que, em parceria com seu irmão, tornou-se proprietário de uma empresa líder de vendas de materiais fotográficos nos Estados Unidos na década de 1850. Dom Pedro II pode ter adquirido o álbum durante uma viagem aos Estados Unidos em 1876, quando inaugurou a Exposição Centenária da Filadélfia ao lado do presidente americano Ulysses S. Grant. Brady nasceu no norte de Nova York e era filho de imigrantes vindos da Irlanda. Muito conhecido por fotografias que documentam as batalhas da Guerra Civil Americana, ele iniciou a carreira em 1844, quando abriu um estúdio de retratos de daguerreótipo na esquina da Broadway Street com a Fulton Street, na cidade de Nova York. No decurso das décadas seguintes, Brady produziu retratos das principais figuras públicas americanas, muitos dos quais foram publicados como gravuras em revistas e jornais. Em 1858, ele abriu uma filial em Washington, DC. O álbum, que também contém um pequeno número de impressões não fotográficas, faz parte da Coleção D. Thereza Christina Maria, da Biblioteca Nacional do Brasil. A coleção é composta por 21.742 fotografias reunidas pelo imperador Dom Pedro II ao longo de sua vida, e doadas por ele à Biblioteca Nacional. A coleção também abrange uma grande variedade de assuntos, documentando as conquistas do Brasil e dos brasileiros no século XIX e incluindo muitas fotografias da Europa, África e América do Norte.

Vice-presidente Hannibal Hamlin

Hannibal Hamlin (1809 a 1891), do Maine, ocupou o cargo de vice-presidente na Presidência de Abraham Lincoln, de 1861 a 1865, e foi o primeiro vice-presidente norte-americano do Partido Republicano. Exerceu mandato no Senado americano como democrata de 1848 a 1857, mas rompeu com o partido por divergências sobre a questão de escravatura. Foi sucedido por Andrew Johnson na chapa republicana para a eleição de 1864 e não se tornou presidente quando Lincoln foi assassinado em abril de 1865. Após a guerra, Hamlin retornou ao Senado (1869 a 1881) e foi Ministro dos Estados Unidos na Espanha. A imagem é de um álbum fotográfico, em sua maioria do período da Guerra Civil, registrado pelo famoso fotógrafo americano Matthew Brady (por volta de 1823 a 1896), que pertenceu ao Imperador Pedro II do Brasil (1825 a 1891), um colecionador de fotografias e ele próprio um fotógrafo. O álbum foi um presente dado ao imperador por Edward Anthony (1818 a 1888), um dos primeiros fotógrafos americanos que, em parceria com seu irmão, tornou-se proprietário de uma empresa líder de vendas de materiais fotográficos nos Estados Unidos na década de 1850. Dom Pedro II pode ter adquirido o álbum durante uma viagem aos Estados Unidos em 1876, quando inaugurou a Exposição Centenária da Filadélfia ao lado do presidente americano Ulysses S. Grant. Brady nasceu no norte de Nova York e era filho de imigrantes vindos da Irlanda. Muito conhecido por fotografias que documentam as batalhas da Guerra Civil Americana, ele iniciou a carreira em 1844, quando abriu um estúdio de retratos de daguerreótipo na esquina da Broadway Street com a Fulton Street, na cidade de Nova York. No decurso das décadas seguintes, Brady produziu retratos das principais figuras públicas americanas, muitos dos quais foram publicados como gravuras em revistas e jornais. Em 1858, ele abriu uma filial em Washington, DC. O álbum, que também contém um pequeno número de impressões não fotográficas, faz parte da Coleção D. Thereza Christina Maria, da Biblioteca Nacional do Brasil. A coleção é composta por 21.742 fotografias reunidas pelo imperador Dom Pedro II ao longo de sua vida, e doadas por ele à Biblioteca Nacional. A coleção também abrange uma grande variedade de assuntos, documentando as conquistas do Brasil e dos brasileiros no século XIX e incluindo muitas fotografias da Europa, África e América do Norte.