12 de fevereiro de 2013

Fábrica de louça Kiev-Mezhyhirya

Este livro é uma compilação de artigos sobre a famosa Fábrica de louça Kiev-Mezhyhirya, que fez parte do Monastério de Mezhyhirya no século X. A fábrica foi fundada no fim do século XVIII e produzia tanta quantidade de faiança que, em meados do século XIX, era a maior empresa industrial de Kiev. A primeira parte do livro é dedicada à história da fábrica e inclui detalhes e ilustrações da ampla linha de seus produtos, tanto de peças decorativas quanto de peças mais práticas. As marcas (selos) da fábrica são mostradas durante todo o período, desde sua criação até o encerramento de sua produção, em 1884. Existem desenhos arquitetônicos dos vários edifícios da fábrica. Este material é complementado com ensaios de uma natureza mais variada, na arte e do trabalhador (um estudo sociológico dos caminhos para instilar o amor à arte em trabalhadores e a função da arte aplicada na vida de um trabalhador), na iconografia da Virgem Maria e em uma crônica de arte com reflexões sobre o impacto da arquitetura no conhecimento das pessoas sobre a história de diferentes países.

O batistério da Catedral de Santa Sofia em Kiev

Este livro fala sobre o batistério da Catedral de Santa Sofia em Kiev. O nome da catedral não provém de um santo em particular, mas sim da Hagia Sofia do século VI em Constantinopla (atual Istambul) e significa “Sagrada sabedoria”. Concebida como “a nova Constantinopla” para representar o cristianismo oriental, a Santa Sofia de Kiev foi construída no século XI. O batistério foi construído no claustro alguns anos mais tarde e suas paredes ainda exibem os afrescos dos séculos XI a XII. No início do século XX, o batistério se encontrava em estado degradação e os trabalhos de restauração realizados em outras partes da catedral ainda não haviam começado. As ruínas das paredes e as superfícies expostas proporcionaram aos estudiosos uma oportunidade de estudar as técnicas de construção usadas na catedral. Este livro examina a estrutura do batistério e ilustra sua situação dilapidada na época. A catedral, juntamente com o Monastério de Kiev-Pechersk, está inscrita na Lista de Patrimônio Mundial da UNESCO.

O movimento cultural e nacional na Ucrânia nos séculos XVI e XVII

Mykhailo Hrushevs’kyi (1866–1934) foi professor de história e um líder político na Ucrânia, que serviu como presidente do Conselho Central Ucraniano na época da Revolução Russa de 1917. Esse trabalho, publicado em 1912, é dedicado ao movimento cultural e nacional da Ucrânia dos séculos XVI e XVII e à formação de uma consciência nacional ucraniana. Grande parte do livro lida com as relações entre a Ucrânia e a Polônia e seu efeito na formação de um estado ucraniano. O autor descreve um declínio da vida ortodoxa e secular ucraniana nos séculos XV e XVI, o avanço contemporâneo da cultura polonesa e a disseminação da cultura polonesa na Ucrânia. Os tópicos abordados incluem a influência da Reforma na Polônia e Ucrânia e o desenvolvimento das instituições educacionais e científicas na Ucrânia, como a Academia Ostrog.

Uma descrição do Monastério de Kiev-Pechersk

Este livro, publicado em 1826 na tipografia do Monastério de Kiev-Pechersk, é uma abrangente descrição do monastério e de seu estabelecimento. O Monastério de Kiev-Pechersk, também chamado de Monastério das Covas de Kiev (pechera significa cova e lavra indica um monastério de prestígio), um grande complexo fundado em 1051 por um monge chamado Antonio em covas escavadas na encosta. Mais tarde, o monastério se tornou o centro para o cristianismo na Rússia e para o desenvolvimento cultural local, que serve de apoio para escritores, médicos, cientistas e artistas. Após um incêndio em 1718, grande parte do conjunto do monastério foi reconstruída no estilo barroco. Este trabalho abrange a fundação e os primeiros anos do monastério, os santos que viviam em suas covas, as vicissitudes ao longo dos séculos, as igrejas de covas, outras igrejas e catedrais, edifícios monásticos e sua prensa, a primeira em Kiev. Outros capítulos fornecem os textos das escrituras e detalham os preciosos artefatos e decorações dos edifícios e os vários patronos e benfeitores. O livro também aborda o Patericon (Vidas dos santos) e os milagres de importância no monastério e narra os abades que o comandavam e os eventos que aconteciam sob suas regras. Juntamente com a Catedral de Santa Sofia de Kiev, o monastério está inscrito na lista de Patrimônio Mundial da UNESCO.

Monumentos da arte ucraniana do século XVIII

Este livreto é criação de Nikolai Makarenko, um especialista em arquitetura, história da arte e arqueologia, e mais tarde diretor do Museu de Artes de Kiev. Ele começa refletindo sobre os efeitos benéficos da cultura cossaca na Rússia sulista e seu impacto significativo na cultura ucraniana. Ele elogia o estilo dos séculos XVII e XVII e descreve a Igreja Pokrovskaia como um exemplo de arquitetura bela e pura. A igreja foi construída em 1764 por Pyotr Kalishevski, em Romny, Província de Poltavskaia, e mais tarde movida para a cidade de Poltava. Uma nova igreja foi construída em Romny, que o autor acha sem atrativo e repugnante. A igreja antiga tinha um design simples e puro e suas belas cúpulas podiam ser vistas à distância. São fornecidas uma planta e a descrição da igreja, e o livreto é ilustrado com desenhos de artefatos e fotografias da igreja. Makarenko descreve alguns detalhes do interior da igreja, incluindo esculturas em madeira de Zacarias e João Batista.

Evangelho de Peresopnytsia, um monumento da arte renascentista do século XVI do Sul da Rússia

Este trabalho é dedicado a um dos mais importantes e lindamente decorados manuscritos eslavos orientais, o Evangelho de Peresopnytsia, criado em meados do século XVI, parte no Mosteiro da Mãe de Deus em Peresopnytsia, Volyn, e parte no Mosteiro da Sagrada Trindade, próximo a Lviv, ambos atualmente na Ucrânia. O presente livro, de Alexander Gruzinskii, abrange a história do evangelho, sua ornamentação e imagens gráficas. A primeira parte se concentra na origem do manuscrito de Peresopnytsia, que foi redescoberto na década de 1830 pelo acadêmico esloveno Osip Bodjanskij. A segunda seção se concentra em seus elementos decorativos, nos quadros, monogramas e espirais, que mostram a influência renascentista e a tradição iconográfica ucraniana. A terceira parte é sobre o texto do livro do evangelho, que está inscrito no alfabeto glagólico, inventado no século IX pelos Santos Cirilo e Metódio, para traduzir a Bíblia e outros trabalhos religiosos no antigo eslavo eclesiástico. A forma utilizada no presente manuscristo é o eslavo eclesiástico mais atual usado a partir do século XIV. Este trabalho contém tabelas ilustradas, incluindo páginas do Evangelho de Peresopnytsia.