8 de fevereiro de 2013

Ginásio Kekin. Vista da torre do campanário da Igreja de Todos os Santos. Rostov, a Grande

No começo do século XX, o fotógrafo russo Sergei Mikhailovich Prokudin-Gorskii (1863-1944), usou um processo especial de fotografia colorida para criar um registro visual do Império Russo. Algumas fotografias de Prokudin-Gorskii datam de 1905, mas a maior parte de seu trabalho é do período entre 1909 e 1915 quando, com o apoio do Czar Nicolau II e do Ministério dos Transportes, ele empreendeu extensas viagens por muitas partes diferentes do império.

Breve Antropologia, ou A Ciência do Homem

Naiden P. Stoianov (1830–1876) foi o autor de muitos livros didáticos búlgaros, mas é mais conhecido como um dos líderes da revolta do búlgaros contra o Governo Otomano em abril de 1876. Também conhecida como a revolta de Koprivshtitsa, uma das cidades na qual a insurreição se centralizou, a Revolta de Abril foi brutalmente esmagada pelos otomanos. Stoianov morreu na prisão depois de ser torturado. Ele foi aluno de Neofit Rilski e de Naiden Gerov, escritores líderes e luminares do Despertar Nacional da Bulgária no século XIX. Seu livro Breve Antropolgia, ou A Ciência do Homem, publicado em 1856, marcou o início do desenvolvimento da terminologia científica búlgara, e em particular de palavras descrevendo o corpo humano.

Retrato do Autor Ernest Hemingway Posando com um Peixe-vela

Ernest Hemingway (1899-1961) foi um escritor americano que ganhou o Prêmio Nobel de Literatura em 1954. Ele nasceu em Oak Park, Illinois, e começou sua carreira de escritor como jornalista, em Kansas City, aos 17 anos de idade. Suas experiências na Europa inspiraram os seus primeiros romances. Hemingway serviu com uma unidade ambulâncias voluntaria nos Alpes, na I Guerra Mundial durante a maior parta de décade de 1920, e foi repórter na Revolução Grega e na Guerra Civil na Espanha. Sua percepção adquirida através destes eventos resultou em O Sol Nasce Sempre (1926), O Adeus às Armas (1929) e, como pensam alguns, seu maior romance Por Quem os Sinos Dobram (1940). Durante grande parte dss décadas de 1930 e 1940, Hemingway dividiu seu tempo entre Key West, Flórida e Cuba. Ele era um ávido desportista, cujo interesse em esportes como caça, pesca e touradas refletiam-se em seus romances e contos. Em Key West e Cuba, Hemingway descobriu uma paixão pela pesca desportiva que o inspiraria para o resto da sua vida,e que produziu seu notável romance, O Velho e o Mar (1951). Esta fotografia, tirada em Key West na década de 1940, mostra Hemingway com um peixe-vela que tinha capturado. Muitos dos seus romances, contos e seus trabalhos de não-ficção são clássicos da literatura americana, caracterizadas pelo seu eufemismo, a prosa solta e autêntica caracterização.

Cadeia em Ouro Preto

A Coleção Thereza Christina Maria é composta por 21.742 fotografias, reunidas pelo Imperador Pedro II ao longo de sua vida e por ele doadas à Biblioteca Nacional do Brasil. A coleção abrange uma ampla variedade de temas. Documenta as conquistas do Brasil e do povo brasileiro no século XIX, e também inclui muitas fotografias da Europa, África e da América do Norte. A cadeia em Ouro Preto, cidade de mineração de ouro, foi construída entre 1784 e 1837. Serviu como prisão ao longo do século XIX. Em 1938, o prédio transformou-se no Museu da Inconfidência, um movimento de independência brasileiro liderado por mineiros. O prédio foi fotografado por Augusto Riedel durante uma expedição para o interior do Brasil com o genro do Imperador Pedro II, Luis Augusto, Duque de Saxe. Várias cidades do estado de Minas Gerais foram visitadas durante a expedição, sendo Ouro Preto a mais famosa delas. Conhecida por suas fachadas barrocas, a cidade recebeu o título de Patrimônio Histórico Mundial pela Unesco em 1980.

12 de fevereiro de 2013

Antiguidades de Samarcanda. Mausoléu de Guri Bibi Khanym. Plano, elevações e seções

Este plano, seção e elevação do mausoléu de Bibi Khanym, em Samarcanda (Uzbequistão), faz parte da seção arqueológica do Álbum do Turquestão. Este levantamento fotográfico em seis volumes foi produzido entre 1871-1872 sob o patrocínio do General Konstantin P. von Kaufman, primeiro governador-geral (1867-1882) do Turquestão, nome dado aos territórios da Ásia Central do Império Russo. O álbum dedica atenção especial à arquitetura islâmica de Samarcanda, como monumentos dos séculos XIV e XV do reinado de Timur (Tamerlão) e seus sucessores. O mausoléu foi construído simultaneamente com a mesquita principal (1399-1405) localizada nas proximidades e, como a mesquita, foi batizado em homenagem à esposa mais velha de Timur, Sarai Mulk Khanym (bibi que significa “senhora” ou “mãe”). De fato, a estrutura parece ter sido originalmente conectada à mesquita por uma grande passagem. Acredita-se que o mausoléu serviu não apenas como o santuário de sepultamento para Sarai Mulk Khanym, mas também para outras mulheres da família governante. A cúpula em ponta repousa sobre um plano cruciforme posicionado dentro de uma estrutura octogonal. As paredes de tijolos do mausoléu foram ricamente decoradas com padrões de azulejos de cerâmica. Assim como todos monumentos no conjunto de Bibi Khanym, o mausoléu sofreu vários danos nesta zona sísmica ativa. As paredes de alvenaria remanescentes são destacadas em vermelho, enquanto dois esboços mostram fragmentos da cúpula.

Antiguidades de Samarcanda. Madrassa de Ulugh Beg. Imagem de uma galeria térrea que cerca o interior do pátio

Esta fotografia de uma parte do pátio interno na madrassa de Ulugh Beg, em Samarcanda (Uzbequistão), faz parte da seção arqueológica do Álbum do Turquestão. Este levantamento fotográfico em seis volumes foi produzido entre 1871-1872 sob o patrocínio do General Konstantin P. von Kaufman, primeiro governador-geral (1867-1882) do Turquestão, nome dado aos territórios da Ásia Central do Império Russo. O álbum dedica atenção especial à arquitetura islâmica de Samarcanda, como monumentos dos séculos XIV e XV do reinado de Timur (Tamerlão) e seus sucessores. No centro de Samarcanda está o conjunto de Registan, composto por três grandes exemplos de madrassa (escola religiosa). A madrassa mais antiga da Praça Registan recebeu o nome do rei astrônomo e neto de Timur, Ulugh Beg (1393?-1449), que a construiu entre 1417 e 1420. Durante o reinado de Ulugh Beg, aproximadamente 100 alunos frequentavam o madraçal, que era considerado um importante centro educacional islâmico. Esta imagem mostra o piso térreo de uma arcada do pátio construída com salas para estudiosos. Essas celas (khujras) faziam parte originalmente de uma arcada de dois andares que delimitava o pátio da madrassa. Apesar dos amplos danos, a fachada da arcada ainda exibe fragmentos da decoração em faiança policlorada com padrões geométricos e florais complexos. À direita está o canto de um grande arco iwan (saguão abobadado, com paredes em três lados, e uma extremidade aberta).