2 de janeiro de 2013

Árabes Correndo à Cavalo Enquanto a Multidão Observa, Tendas ao Fundo

No final da Primeira Guerra Mundial, os aliados vitoriosos escolheram a Grã-Bretanha, como a potência mandatária da Palestina, Transjordânia e Iraque, todos antigos territórios do Império Otomano que, com a Alemanha, havia sido derrotado na guerra. Em abril de 1921, os britânicos convocaram reuniões de funcionários árabes e britânicos no acampamento do Amir Abdullah ibn Hussein em Aman, no decurso do qual o Alto Comissário Inglês Herbert Samuel proclamou o Amir Abdullah como o governante do novo Emirado da Transjordânia. Esta fotografia, tirada em uma dessas reuniões, mostra um grupo de homens árabes em uma corrida de cavalos sob o olhar de uma multidão. A fotografia é do setor de fotografia da colônia americana em Jerusalém, uma comunidade cristã utópica criada em 1881 e que nos anos subsequentes desenvolveu um importante arquivo sobre o Oriente Médio. Faz parte de um álbum nos documentos de John D. Whithing, um membro da colônia americana em Jerusalém, das coleções da Biblioteca do Congresso.

O Guarda-Costas de Amir Abdullah's Bodyguard em Camelos, de Uniforme Vermelho, Verde e Branco, Mais Longe, à Esquerda

No final da Primeira Guerra Mundial, os aliados vitoriosos escolheram a Grã-Bretanha, como a potência mandatária da Palestina, Transjordânia e Iraque, todos antigos territórios do Império Otomano que, com a Alemanha, havia sido derrotado na guerra. Em abril de 1921, os britânicos convocaram reuniões de funcionários árabes e britânicos no acampamento do Amir Abdullah ibn Hussein em Aman, no decurso do qual o Alto Comissário Inglês Herbert Samuel proclamou o Amir Abdullah como o governante do novo Emirado da Transjordânia. Esta fotografia, tirada nessas reuniões, mostra a guarda de segurança do Amir Abdullah, montada em camelos. A fotografia é do setor de fotografia da colônia americana em Jerusalém, uma comunidade cristã utópica criada em 1881 e que nos anos subsequentes desenvolveu um importante arquivo sobre o Oriente Médio. Faz parte de um álbum nos documentos de John D. Whithing, um membro da colônia americana em Jerusalém, e nas coleções da Biblioteca do Congresso.

Prédios com Telhados de Sapé no Edifício Palm Grove com Pessoas Reunidas a Cerca de Árvores e Edifício

O Bikini Atoll nas Ilhas Marshall foi cenário dos primeiros testes atômicos pós II Guerra Mundial, realizados pelos Estados Unidos para determinar os efeitos de armas nucleares sobre navios militares. Esta fotografia, parte do registro da operação feita pelos E.U. Forca Aérea, mostra pessoas observando do interior de uma típica construção com teto de palha em Bikini. Antes dos testes, todos os 167 moradores de Bikini foram evacuados de sua ilha natal. Por conta dos altos níveis de radiação causados pelas explosões em Bikini, nem eles nem seus descendentes jamais puderam retornar. Após a II Guerra Mundial, as Ilhas Marshall faziam parte do Território Custodiado das Ilhas do Pacífico, administrado pelos Estados Unidos sob um mandato das Nações Unidas. Em 1986, a República das Ilhas Marshall tornou-se um país independente sob um Pacto de Livre Associação com os Estados Unidos.

Por muito tempo um Mistério Pacífico, a Base Naval Secreta em Truk é Batido por Avengers, Fevereiro 1944

Esta ilustração mostra os aviões da Marinha dos E.U.A. sobrevoando a Ilha de Truk nos Estados Federados da Micronésia durante a Segunda Guerra Mundial. A destruição da base naval japonesa em Truk foi parte importante da estratégia americana na região do Pacífico. Causou também um profundo efeito nos habitantes indígenas, que envolveram-se em combates que duraram de fevereiro de 1944 até o final da guerra. Os aviões que aparecem são os bombardeiros torpedo Avenger que pela primeira vez entraram em ação na Batalha de Midway, em 1942. A ilustração é de Frank Lemon, um artista que produziu aquarelas e litografias da aviação para a empresa Wright Aeronautical Corporation de Paterson,em Nova Jersey, fabricante do motor Cyclone que impulsionava o  Avenger. Os mais de 50 navios naufragados na Lagoa de Truk constituem, agora, o primeiro site histórico submerso da Segunda Guerra Mundial no Pacífico.

Operações Contra os Japoneses nas Ilhas Arundel e Sagekarsa

Esta fotografia da Segunda Guerra Mundial mostra soldados americanos atravessando com dificuldade as águas de uma ilha do grupo Nova Georgia das Ilhas Salomão. Eles fazem parte da Operação Cartwheel, um esforço lideradopelos Estados Unidos, apoiados pelas forças da Austrália, Nova Zelândia e Holanda, para neturalizar a principal base japonesa em Rabaul, Papua Nova Guiné, através do avanço em duas direções: do oeste, ao longo da costa nordeste da Nova Guiné e do leste, através das Ilhas Salomão. A fotografia é do sargento John Bushemi (1917-44), um fotógrafo da revista do exercito americano Yank. Filho de imigrantes italianos de Gary, Indiana, Bushemi iniciou sua carreira como fotógrafo para o jornal Gary Post-Tribune. Em julho de 1941, alistou-se no exército e, em junho de 1942 foi designado para a Yank para cobrir a guerra no Pacífico. Ele foi morto em 19 de fevereiro de 1944, alguns meses após ter tirado esta foto, enquanto filmava o desembarque das forças dos Estados Unidos na Ilha de Eniwetok.

3 de janeiro de 2013

Uma Nova Canção Chamada A Velha Escócia Livre, e Mais, Oh, Helen, Tu És Minha Querida; A Adorável Donzela de Allan-down; Vais ao Curral das Ovelhas; e Um Lamento pela Morte do Bravo McKay

Robert Burns (1759-1796) é mais conhecido por seus poemas e canções que refletem a herança cultural da Escócia. Ele nasceu em Alloway, Ayrshire, na Escócia, o primogênito dos sete filhos de um fazendeiro arrendatário, William Burnes, e sua esposa, Agnes Broun. Burns tinha pouca educação formal, mas lia literatura inglesa e absorvia as tradicionais canções folclóricas e contos do seu ambiente rural, em sua maioria no dialeto escocês. Ele começou a compor canções em 1774 e publicou seu primeiro livro, Poemas, Principalmente no Dialeto Escocês , em 1786. O trabalho foi um sucesso de crítica, e seus poemas tanto em escocês como em inglês, sobre vários temas, sedimentaram o enorme encanto de Burns. Ao mesmo tempo em que construía sua reputação literária, Burns trabalhava como fazendeiro e, em 1788, ele foi nomeado fiscal de imposto de consumo, em Ellisland. Ele passou os últimos 12 anos de sua vida coletando e editando canções folclóricas escocesas, que incluíam, entre outras, O Museu Musical Escocês e Uma Coleção Selecionada de Canções para Voz em Escocês de Airs Original. Burns contribuiu com centenas de canções escocesas para estas antologias, muitas vezes reescrevendo as letras tradicionais e adaptando-as em músicas novas ou revistas. As obras de Burn foram amplamente distribuídas em folhetos por toda a Escócia e muito além. Estes folhetos de oito páginas, pequenos e baratos, eram, muitas vezes, ilustrados com xilogravuras e impressos em papel grosseiro. Os folhetos (Chapbooks) (chamados de antologias [garlands], se incluíssem canções), eram uma forma popular de diversão no século XVIII e início do século XIX, e o modo principal pelo qual as pessoas comuns travavam conhecimento com canções e poesias. Esses eram distribuídos por "chapmen", vendedores ambulantes que vendiam os livros nos mercados e de porta em porta nas zonas rurais. Muitas vezes os folhetos incluíam poemas de vários autores, e esses não eram identificados. Este livro, da Coleção G. Ross Roy, da Universidade da Carolina do Sul, inclui "A Adorável Donzela de Allan-down", de Burns.