5 de setembro de 2012

Manual de Imigração para Colonos Escandinavos no Canadá, com Descrições Completas de Manitoba, os Territórios do Noroeste e a Columbia Britânica

Este manual de imigração foi publicado pelo Ministério do Interior canadense em 1889 com o objetivo expresso de recrutar colonos da Suécia. Inclui uma introdução ao Canadá e à sociedade canadense, um manual de procedimentos de imigração e uma descrição topográfica de Manitoba, dos Territórios do Noroeste e da Columbia Britânica. Especial atenção é dedicada aos assentamentos escandinavos já existentes.

Em Louvor ao Mais Sereno Ferdinand, Rei de Espanha, "Baetic" e Governante de Granada, Besieger, Victor, Triunfante: E Sobre as Recém Descobertas Ilhas do Mar Indiano

Este livro é uma compilação de dois textos, ambos relacionados a acontecimentos do importantíssimo ano de 1492. O primeiro é um drama em latim, de um autor italiano, Carlo Verardi (Carolus Verardus), escrito em uma combinação de verso e prosa, que relata a campanha militar, durante o reinado do Rei Fernando e da Rainha Isabel, para capturar Granada, o último território mouro na Península Ibérica. A anexação de Granada marcou o fim de oito séculos de domínio muçulmano na Espanha e em Portugal, e pôs fim ao longo combate conhecido na Espanha como a Reconquista. O segundo texto é tradução do latim de uma carta de Cristóvão Colombo para Raphel Sánchez, feita por Leandro di Cosco, na qual Colombo relata sua viagem à América, no período 1492-93. Impresso em Basiléia, em 1494, é uma das seis versões da carta de Colombo que foram publicadas no período de 1493-94, e a única a incluir ilustrações em xilogravura.

10 de setembro de 2012

Um guia para geometria, pesquisas, o lançamento de mísseis e a colocação de minas

Esta obra, originalmente destinada ao treinamento de militares, é uma tradução de diversas fontes, originalmente escrita em alemão e francês. Foi apresentada ao Bureau de Guerra e da Jihad (Dār al-naṣr wa al-jihād) no Muharram de 1193 AH (início do inverno de 1779), ou quase duas décadas antes da invasão de Napoleão ao Egito em 1798. O compilador da obra, ʻUthman ibn ʻAbd al-Mannān, um tradutor cristão da corte otomana em Belgrado, tinha se convertido ao islamismo. O título sugere o seu esforço sincero para tornar-se útil a seus patronos como um muçulmano, comprometido com a promoção da ascendência muçulmana. Antes, ele havia preparado traduções de outros livros, um sobre ervas medicinais e outro sobre geografia e mapas. O trabalho abrange cinco tópicos: aritmética, geometria, topografia, projéteis de tiro e colocação de minas explosivas. Aritmética elementar, geometria plana e seções cônicas estão incluídas. Após uma discussão sobre a mecânica do movimento e o magnetismo, o livro apresenta, em detalhes precisos, os princípios da fabricação e do disparo de balas de canhão. Este é um trabalho importante que desperta o interesse sobre documentos muçulmanos e sobre o conhecimento da mecânica newtoniana no século XVIII. A obra contém desenhos esquemáticos. As quantidades de explosivos necessárias para derrubar paredes e as devidas precauções a serem observadas no armazenamento da pólvora são discutidas. O presente manuscrito foi finalizado em 1791 (1206 AH).

Império Britânico em todo o mundo, exibido em uma única imagem

John Bartholomew e Cia. era uma empresa cartográfica estabelecida em Edimburgo, na Escócia, por John Bartholomew pai (1805-61). Seu filho, John Bartholomew filho (1831-1893), deu continuidade às atividades. Na década de 1830, a empresa assegurou a licença para elaborar os mapas da Enciclopédia Britânica, que realizou durante os próximos 90 anos. O negócio cresceu no final do século XIX à medida que o Império Britânico se expandia no exterior e as oportunidades educacionais aumentavam no país, elevando a demanda de mapas. Dentre as inovações cartográficas atribuídas à empresa, estavam a utilização da cor vermelha para indicar as possessões britânicas pelo mundo e a técnica de colorir o contorno por camadas para representar características topográficas através de gradações nos tons das cores. Neste mapa, que provavelmente remonta à década de 1850, antes da utilização da coloração de contorno, uma nota na parte superior afirma: “As Terras Britânicas estão gravadas em um negrito mais forte e na cor Vermelha.” O uso da cor vermelha ou rosa para este efeito tornou-se prática comum na era Vitoriana. O mapa também é emoldurado por imagens idealizadas de encontros amigáveis entre colonos britânicos e habitantes indígenas em quatro diferentes partes do mundo: Austrália, América do Norte, Ásia Britânica e Ilhas das Índias Orientais, além da Colônia do Cabo e África Meridional.

Flores de Abu Ma'shar

Ja ibn Muḥammad al-Balkhī (787–886), conhecido como Abu Ma'shar, viveu em Bagdá, no século IX. Originalmente um acadêmico islâmico da Hadith (as tradições proféticas de Maomé) e contemporâneo do famoso filósofo al-Kindī, Abu Ma’shar desenvolveu um interesse pela astrologia aos 47 anos, uma idade relativamente avançada. Tornou-se o mais importante e prolífico escritor sobre astrologia na Idade Média. Seus discursos incorporaram e expandiram os estudos de acadêmicos anteriores de origem islâmica, persa, grega e mesopotâmica. Seus trabalhos foram traduzidas para o latim no século XII e, através de sua ampla circulação em forma de manuscrito, tiveram uma grande influência sobre os acadêmicos ocidentais. Este livro é a primeira edição de Abū Ma‘shar’s Kitāb taḥāwīl sinī al-‘ālam (também conhecido como o Kitāb al-nukat), tal como traduzido em latim pelo tradutor do século XII Johannes Hispalensis (João de Sevilha). O texto refere-se à natureza de um ano (ou mês ou dia), conforme determinado pelo horóscopo, e foi concebido como um manual prático para a instrução e formação de astrólogos. Incluídas no livro, estão inúmeras ilustraçõe dos planetas e constelações. A impressão é de Erhard Ratdolt, um gráfico famoso de Augsburg, Alemanha, que estabeleceu uma gráfica em Veneza, em sociedade com dois compatriotas, em 1475.

11 de setembro de 2012

O livro completo sobre o julgamento das estrelas

Abu al-Hassan Ali Ibn Ali Ibn Abi al-Rijal (também conhecido como Haly ou Hali e pelas versões latinizadas do seu nome, Haly Albohazen e Haly Abenragel) foi um astrólogo e astrônomo árabe do final do século X e início do século XI que serviu como astrólogo da corte no palácio do príncipe da Tunísia, Ibn al-Muizz Badis. Seu tratado mais conhecido, Kitāb al-bāri' fi ahkām an-nujūm (O livro completo sobre o julgamento das estrelas), foi uma das obras traduzidas pela equipe de estudiosos cristãos, judeus e muçulmanos que o rei Afonso X de Castela (reinou em 1252-1284) reuniu em Toledo para traduzir obras de ciência árabe para o latim e o castelhano. Uma cópia do manuscrito que contém cinco dos oito livros de uma tradução em castelhano antigo por Yehuda ben Moshe Cohen sobreviveu e encontra-se na Biblioteca Nacional da Espanha. De Judiciis Astrorum (O livro completo sobre o julgamento das estrelas), uma tradução latina do manuscrito em castelhano antigo, foi publicada em Veneza, em 1485, e tornou-se uma fonte importante para a compreensão da astrologia medieval na Europa renascentista. Aqui é apresentada uma edição bastante rara de 1523 do mesmo trabalho, também impressa em Veneza.