2 de julho de 2012

Estela do Exército da Estratégia Inspirada

Esta fração de uma pedra estela registra a inspeção do Exércido da Estratégia Inspirada pelo imperador Tang Wuzong (Li Yan). O texto foi composto por Cui Xuan e escrito por Liu Gongquan, ambos da dinastia Tang. A estela foi erguida no terceiro ano do período Hichang (843 D.C.), mas dentro de um século foi destruída por soldados e logo desapareceram. Porque a estela foi erguida dentro do Palácio Imperial, as frações não eram extraídas facilmente, mesmo quando ainda estava intacta. Estas frações da dinastia Song, também ligado a dinastia Song, são as únicas cópias existentes. Dos dois volumes originais, apenas o primeiro existe. A origem deste item é o seguinte: Jia Sidao (Canção do Sul); Instituto Nacional de História da Academia Hanlin (dinastia Yuan); a dinastia Ming Palácio doTesouro; Zhu Gang, Príncipe de Jin (a dinastia Ming); Sun Chengze, Liang Qingbiao, An Qi, e Zhang Rongfang (todos da dinastia Qing).

Edição Secreta do Wing Norte Ocidental Corrigido pelo Sr. Zhang Shenzhi

O drama da dinastia Yuan, A História de Wing Ocidental, por Wang Shifu, é o melhor trabalho dramático da China tradicional. Está classificado com o Pavilhão Kong de Tang Xianzu Peony Pavilion, Kong Shangren's Peach Blossom Fan, e Hong Sheng's Palácio da Vida foi um dos quatro grandes dramas clássicos da China pré-moderna, e teve uma influência de longo alcance na literatura e história teatral da China. O enredo do drma é um retrabalho do breve trabalho, A História do Yingying (também chamado de Encontro com um Imortal) por Yuan Zhen da dinastia Tang. A fala famosa da peça, "Espero que sob todo os céus quem souber amar será capaz de unir como marido e mulher, " subsequentemente se tornou no último desejo de puro amor. Houve muitas edições da obra A História de Wing Ocidental durante os séculos. A dinastia Ming Edição Secreta de Wing Norte Ocidental, Corrigido pelo Sr. Zhang Shenzhi, publicado no reinado de Chongzhen, é especialmente conhecido por suas ilustrações em xilogravura. O artista foi o famoso pintor Hong Shou do final da dinastia Ming. As composições são lindas e mostram quão extraordinária foi a criatividade, tornando-se única entre as várias ilustrações da lenda. A ilustração "Roubando um Ohar na Carta" é bem fiel ao enredo e reproduz o espírito da situação de modo perfeito; é uma obra de arte da antiga ilustração em xilogravura.

3 de julho de 2012

Aprendendo português (a bordo do Seattle-Maru, em junho de 1917)

Esta fotografia mostra japoneses que estavam emigrando para o Brasil aprendendo Português a bordo do navio Seattle-Maru em 1917. O navio levou cerca de 80 dias navegando a partir do porto de Kobe, no Japão, para o porto de Santos, no Brasil. A emigração japonesa para o Brasil começou em 1908 e alcançou seu pico em 1926-1935. Após a abolição da escravatura no Brasil, em 1888, o governo do Brasil voltou-se para os imigrantes para enfrentar uma escassez de trabalho na indústria do café que ganhava cada vez mais importância. Imigrantes europeus, principalmente italianos, preencheram a lacuna no início, posteriormente completada pela chegada dos imigrantes do Japão, onde a pobreza rural era generalizada e a economia estava lutando para se modernizar e para reabsorver os soldados que estavam retornando após a Guerra Russo-Japonesa (1904-1905).

5 de julho de 2012

Guia Ilustrado de Cultivo e Tecelagem: Vida Rural na China

Este livro é composto de 23 ilustrações de cultivo e 23 ilustrações de tecelagem, cada uma acompanhada por um poema. Segundo o "Prefácio às ilustrações imperialmente comissionadas de cultivo e tecelagem" e o memorando formal de apresentação por Yan Yudun, os poemas foram inscritos pelo Imperador Kangxi. O pintor, Jiao Bingzhen, baseia-se, em grande parte, nas "Ilustrações de Cultivo e Tecelagem" feitas pelo pintor Lou Shou no início da dinastia Song do Sul, fazendo alterações para produzir estas imagens, que são obras-primas de arte, notáveis por sua vivacidade e habilidosa execução.

6 de julho de 2012

Mulberry Street, cidade de Nova York

Esta fotolitografia da Detroit Publishing Company documenta a vida movimentada das ruas de Lower East Side de Nova York no início do século XX. Entre 1870 e 1915, a população de Nova York mais do que triplicou, passando de 1.5 a 5 milhões. Em 1900, quando a foto foi tirada, imigrantes nascidos no exterior e seus filhos representavam um incrível 76% da população da cidade. Muitas vezes descrita como a principal rua da Little Italy, Mulberry Street era controlada pelos imigrantes Italianos desde a década de 1890. Estes imigrantes disputavam espaço e oportunidade econômica com outros imigrantes recém-chegados à cidade, incluindo judeus, russos e austro-húngaros assim como com os nativos e grupos de imigrantes mais antigos, como os holandeses, ingleses, irlandeses e os alemães.

10 de julho de 2012

História da revolução na Nova Espanha

Fray Servando Teresa de Mier nasceu em Monterrey, Nuevo Leon, no México, em 1763. Ele entrou para ordem dominicana aos 16 anos, estudou filosofia e teologia e obteve um doutorado aos 27 anos. Exilado na Espanha depois de um sermão considerado provocante, Mier foi aprisionado e fugiu várias vezes. Ele trabalhou com Simón Rodríguez, um futuro mentor de Simón Bolívar, na França, onde mais tarde viu-se envolvido nas hostilidades contra Napoleão. Historia de la Revolución de Nueva España (História da revolução na Nova Espanha), publicado em Londres no ano de 1813, sob o pseudônimo de José Guerra, é seu trabalho mais representantivo e expressa os ideais liberais absorvidos na França e na Bretanha. Mier ganhou a reputação de um estudante excepcional, um pensador independente e progressista e excelente orador. O movimento revolucionário de 1810 para independência inspirou Mier a desenvolver sua abrangente defesa da independência mexicana. Ele argumentava que a base legal e jurídica da independência da Nova Espanha era o "pacto social" definido entre o rei da Espanha e seus sujeitos nas Américas logo depois da Espanha chegar ao continente. As terras espanholas no Novo Mundo tinham uma constituição e leis fundamentais baseadas neste pacto social, o que significava que estes territórios não eram colônias, mas reinos federalmente separados com a Espanha através da pessoa do rei. O fato que a coroa espanhola, em prática, não seguia estas leis fundamentais não negava sua validade ou importância histórica. A relação entre a Espanha e seus sujeitos nas Américas era baseada neste pacto social, o qual não poderia ser modificado sem o consentimento destes sujeitos. Mier argumentava ainda que Deus separou a América da Europa por um oceano e que os povos indígenas das Américas tinham diferentes interesses do povo da Espanha, que renegavam qualquer direito espanhol em governar as Américas.