Kinko e Echizen

O termo ukiyo-e, literalmente "retratos do mundo flutuante" se refere a um gênero de obra de arte japonesa no período Edo (1600-1868). Como a frase "mundo flutuante" sugere, com suas raízes na visão efêmera do Budismo, ukiyo-e capturava a dinâmica fugaz da vida urbana contemporânea. Ao mesmo tempo que eram acessíveis e satisfaziam os gostos das "pessoas comuns", os detalhes artístico e técnico dessas pinturas mostram uma sofisticação notável. Seus temas vão de retratos de cortesãs e atores à literatura clássica. Composições em preto-e-branco como essa são conhecidas como sumizuri-e, porque foram estampadas ou impressas apenas em tinta. Esta gravura, criada por volta de 1700 por Ōmori Yoshikiyo, é parte de uma edição alterada de um ehon (livro ilustrado) e retrata uma cena em Shimabara, um distrito de prazer de Kyoto. Uma cortesã, identificada como Echizen, é vista escrevendo poesia enquanto a segunda, chamada Kinko, arruma o cabelo de um patrono enquanto ele olha no espelho. Estas figuras estão em poses idênticas às de figuras de um trabalho anterior, Cortesãs em Espelhos Opostos assinado por Okumura Masanobu (cerca de 1686-1764). O trabalho de Masanobu foi baseado em uma imagem criada por Torii Kiyonobu I (cerca de 1664-1729), datada de 1700.

Oito paisagens dos arredores de Edo

Este trabalho é uma série de nishiki-e (xilogravuras japonesas multicoloridas) que retratam oito paisagens pitorescas dos arredores de Edo (atual Tóquio). A série, que data por volta de 1838, é uma das maiores obras de arte entre as muitas xilogravuras de Utawaga Hiroshige I (1797-1858). O trabalho consiste em: Azuma no mori yau (Chuva noturna em Azuma no mori); Haneda rakugan (Gansos selvagens pousando em Haneda); Gyōtoku kihan (O retorno dos veleiros perto de Gyotoku); Sibaura seiran (Névoa da montanha em Shibaura); Ikegami banshō (Sino ao anoitecer em Ikegami); Koganei-bashi sekisho (Brilho do anoitecer na ponte Koganei-bashi); Tamagawa shūgetsu (Lua de outuno sobre o rio Tamagawa) e Asukayama bosetsu (Neve noturna em Asukayama). Filho de um jōbikeshi dōshin (oficial bombeiro sob as ordens do xogunato), Hiroshige nasceu em Edo, e seu nome original era Ando Jūemon. Ele se tornou um artista no estilo ukiyo-e, treinando com Utagawa Toyohiro (1773–1828). As paisagens cênicas de Hiroshige estão entre as mais apreciadas de seus inúmeros trabalhos.

Ishinpō

Ishinpō, a enciclopédia japonesa de medicina chinesa, foi compilada pelo autor japonês Tanba Yasunori (912-995), no período Heian. É um trabalho coletado de citações de mais de 200 trabalhos sobre a medicina tradicional chinesa que datam das dinastias Sui e Tang (581-907), compreendendo cerca de 10.000 itens. Ele preserva uma grande quantidade de conhecimento médico de livros que havim sido perdidos. É também a primeira obra médica existente no Japão. Originalmente em 30 juan, foi emitido em 982 e apresentado ao imperador japonês em 984. Tanba reuniu material de obras médicas chinesas, que incluiam clássicos médicos; fontes de drogas e fórmulas de medicamentos, acupuntura, regimes, sexo e terapia dietética, sutras budistas, desenhos de talismãs e escritos. A ordem e a disposição dos materiais coletados diferem daquelas das obras chinesas, refletindo as diferenças entre as duas comunidades médicas. Após completar sua obra, Tanba apresentou uma cópia manuscrita à corte imperial e outra cópia para o mais alto oficial, Fujiwara Michimichi. A segunda cópia foi chamada de a edição de Uji. Em 1154 um estudioso japonês acrescentou pontuação à cópia imperial através da consulta da edição de Uji. Posteriormente o livro foi retirado da coleção imperial e teve a circulação bem limitada. A maioria das outras cópias fora da corte imperial foi usada pelas gerações posteriores da família Tanba, repetidamente copiada através de gerações, ou publicada com outros títulos. Outra cópia manuscrita com volumes incompletos encontra-se no Templo Nannaji em Kioto. Em 1573, Tokugawa Shogun Iemitsu deu a cópia imperial de 30 juan para Nakarai Zuisaku, que tornou público 22 juan. Em 1854, primeiro ano da era Ansei, o xogum Tokugawa ordenou à família Nakarai que entregasse este tesouro para a Academia Médica de Edo para revisão e reprodução, para que a obra finalmente fosse compartilhada com o mundo. Esta é uma cópia rascunho do manuscrito da coleção particular da família Tanba, datada do terceiro ano da era Bunsei (1856). Possui 20 juan em nove álbuns. O prefácio foi escrito por Izawa Nobusada de Fukui-han (também datado de 1856). Um posfácio de Tanba Motozane, datado do terceiro ano da era Kansei (1791), dá uma breve descrição da publicação e da sua transmissão no país e caracteriza o Ishinpō como “o primeiro clássico do nosso país”.

A Courtesã Shigeoka de Okamoto-ya; A Courtesã Sugatano de Sugataebi-ya; A Courtesã Hanamurasaki de Tama-ya

O termo ukiyo-e, literalmente "retratos do mundo flutuante" se refere a um gênero de obra de arte japonesa no período Edo (1600-1868). Como a frase "mundo flutuante" sugere, com suas raízes na visão efêmera do Budismo, ukiyo-e capturava a dinâmica fugaz da vida urbana contemporânea. Ao mesmo tempo que eram acessíveis e satisfaziam os gostos das "pessoas comuns", os detalhes artístico e técnico dessas pinturas mostram uma sofisticação notável. Seus temas vão de retratos de cortesãs e atores à literatura clássica. Bijin-ga (retratos de mulheres bonitas) capta as tendências da beleza feminina com imagens tanto reais quanto idealizadas de cortesãs do alto escalão, figuras históricas, gueixas (artistas da música e da dança), cortesãs do baixo escalão, personagens fictícios, meretrizes ilustres e mulheres comuns. Essas cortesãs de alto escalão do famoso distrito de prazer de Edo, Yoshiwara, são identificadas em cada gravura por seus nomes, as casas em que trabalhavam, e os locais das casas. Deslumbrantemente vestida desde seu elaborado penteado de cabelo aos seus sapatos elevados de plataforma, estas mulheres criam uma impressão dramática. Havia diversos paralelos entre os atores Kabuki e as cortesãs de alto escalão durante o Período Edo, incluindo o uso de nomes hereditários que poderiam carregar o prestígio da celebridade através de gerações.

A Jovem Donzela Oshichi

O termo ukiyo-e, literalmente "retratos do mundo flutuante" se refere a um gênero de obra de arte japonesa no período Edo (1600-1868). Como a frase "mundo flutuante" sugere, com suas raízes na visão efêmera do Budismo, ukiyo-e capturava a dinâmica fugaz da vida urbana contemporânea. Ao mesmo tempo que eram acessíveis e satisfaziam os gostos das "pessoas comuns", os detalhes artístico e técnico dessas pinturas mostram uma sofisticação notável. Seus temas vão de retratos de cortesãs e atores à literatura clássica. Da série Edo Meisho (Lugares famosos de Edo), esta gravura de 1867 retrata Yaoya Oshichi (1666-1683), a jovem filha de um verdureiro. O koma-e (esboço) acima de sua cabeça mostra um lugar famoso em Edo, conhecido como Ai no Uchi. Quando a casa da família queimou no grande incêndio de 1682, Oshichi e seu pai se refugiaram em um templo, onde Oshichi se apaixonou por um jovem que estava estudando lá. Pai e filha voltaram para casa uma vez que sua casa foi reconstruída, mas, para voltar ao templo e ficar com seu amor, Oshichi incendiou a casa novamente. Sua punição foi arder na fogueira em 1683 quanto tinha 17 anos. A história Oshichi é contada no teatro Kabuki e de fantoches, onde sua personagem é retratada em um quimono com um característico desenho de cânhamo em forma de estrela associado a ela.

Gajō icchō

O termo ukiyo-e, literalmente "retratos do mundo flutuante" se refere a um gênero de obra de arte japonesa no período Edo (1600-1868). Como a frase "mundo flutuante" sugere, com suas raízes na visão efêmera do Budismo, ukiyo-e capturava a dinâmica fugaz da vida urbana contemporânea. Ao mesmo tempo que eram acessíveis e satisfaziam os gostos das "pessoas comuns", os detalhes artístico e técnico dessas pinturas mostram uma sofisticação notável. Seus temas vão de retratos de cortesãs e atores à literatura clássica. Estas xilogravuras ukiyo-e são seleções da série Meisho Edo Hyakkei (100 visões Famosas do Edo) por Utagawa Hiroshige, unidas como um gajō (álbum de gravuras dobradas em leque). Hiroshige (1795-1858) é conhecido como um dos principais artistas do ukiyo-e de imagens de paisagem, expressando a natureza e cenas do cotidiano com design inteligente e perspectiva surpreendente. Ele fez uso do desenvolvimento do nishiki-e (gravuras coloridas), empregando técnicas como a gradação, acrescentando profundidade visual ao cenário. Esta série em particular retrata locais de relevância histórica, sazonal, geográfica, bem como cultural do Edo, e foi a última obra-prima de sua vida.

Uma Vista do Santuário de Mimeguri do Rio Sumida

Esta obra de Shiba Kokan (1747-1818), um famoso pintor de estilo ocidental, do final do período Edo (1600-1867), é a primeira gravura em água-forte em placa de cobre feita por um artista japonês. Ela retrata a paisagem do Santuário de Mimeguri, em Mukōjima, Edo Oriental (atual Tóquio), como era vista da margem do rio Sumida. Como a gravação em água-forte foi feita para uma caixa de show de slides, os lados esquerdo e direito estão invertidos. Kokan estava interessava-se pela ciência ocidental e escreveu obras sobre astronomia e geografia. Nesta imagem, ele utiliza técnica ocidental de desenho em perspectiva.