Livro do Espírito Santo

Gregory Bar ‘Ebraya (também conhecido como Bar Hebraeus, 1226–1286) foi um bispo ortodoxo siríaco e um dos principais autores na tradição siríaca posterior. Ele escreveu de forma prolífica em siríaco, mas também em árabe, sobre filosofia, teologia, espiritualidade e história. Seu trabalho também incluía comentários sobre as escrituras, devoções, tratados morais, lógica, ciências, poesia e histórias de humor. Este manuscrito, datado em 1630, é um testemunho importante de seus escritos. Ele contém seu Ktābā d-yawnā (Livro do Espírito Santo), que representa as instruções de Bar Hebraeus sobre como começar e, depois, como continuar a vida monástica e é um trabalho importante da teologia mística. O trabalho também inclui vários de seus mushata (poemas).

Vida de Maria

Este manuscrito do século XVI contém uma cópia relativamente bem preservada de Ktāba d-taš’itāh d-qaddištā yāldat alāhā Maryam (Vida de Maria) em siríaco, um dialeto oriental do aramáico. O trabalho, em seis volumes, foi escrito por Teófilo, o patriarca grego de Alexandria em 385–412 e copiado em 1567–1568 por um escriba chamado Slibona. No final deste trabalho, há uma homilia métrica por Jacob de Serugh (falecido em 521) sobre a morte de Maria. Falta a última metade nesta cópia. Algumas correções e sinais vocálicos foram adicionados posteriormente. A obra começa com uma cruz decorativa e uma página de título.

Poemas (Carmina)

Este manuscrito, o qual provavelmente date do século XVI, contém Mušḥātā (Poemas) de Gregory Bar ‘Ebraya (também conhecido como Bar Hebraeus, 1226–1286), um bispo ortodoxo siríaco e um dos principais autores na tradição siríaca posterior. Ele escreveu de forma prolífica em siríaco, mas também em árabe, sobre filosofia, teologia, espiritualidade e história. Seu trabalho também incluía comentários sobre as escrituras, devoções, tratados morais, lógica, ciências e histórias de humor. Bar Hebraeus era conhecido por sua justiça, integridade, grande sabedoria e liderança baseada em princípios. Algumas poucas páginas recentes (a maior parte em branco) foram adicionadas ao início do manuscrito e há uma nota para efeito que o manuscrito foi trazido de Edessa (atual Sanliurfa no sudoeste da Turquia) para Aleppo em 1924. A comunidade ortodoxa siríaca em Aleppo é antiga. A comunidade ampliou-se muito, no entanto, por uma afluência de cristãos siríacos que fugiram durante o tumulto do colapso do Império Otomano, especialmente por toda a comunidade de Edessa.

O livro do intérprete

Este manuscrito do século XVI é uma cópia antiga do glossário classificado siríaco-garshuni de Elias de Nisibis (975–1046). Elias foi um acadêmico e monge siríaco oriental, que mais tarde tornou-se um bispo e, de 1008–1046, metropolitano de Nisibis ao norte de Mesopotânia (atual Nusaybin no sudeste da Turquia). Ele foi uma importante figura na literatura siríaca e árabe cristão e um dos primeiros gramáticos. Além deste glossário, seu material literário incluía uma crônica bilíngue (siríaco-árabe), poesia litúrgica e cartas. Esta obra possui um prefácio de Eliya para quem ele escreveu o livro. O texto é bastante importante para a lexicografia árabe, especialmente entre cristãos. Um grande número de assuntos é abordado, incluindo não apenas temas cristãos, mas também temas científicos, especialmente medicina. O siríaco é um dialeto oriental do aramáico, o qual era falado por cristãos nas terras entre o Império Romano e o Mar Árabe do século I até o XII. A escrita garshuni entrou em uso depois que o árabe tornou-se o idioma mais falado nas terras do Crescente Fértil antes que uma forma escrita do árabe fosse desenvolvida. Ela ainda está em uso em algumas congregações siríaco-cristãs.

Coleção conquiliológica

Georg Gottlieb Plato (1710–1777) era filho de Johann Christoph Wild de Regensburgo, Alemanha. Ele abandonou o nome da família Wild e adotou o nome Plato, em homenagem a seu benfeitor, Johann Heinrich Plato, um oficial com escalão de conselheiro em Regensburgo. Johann Heinrich educou ainda mais o jovem, que estudou farmácia e medicina antes de embarcar em uma carreira como advogado em Regensburgo, tornando-se mais tarde um membro da Academia Baviera de Ciências. O registro ilustrado de dois volumes de Georg Gottlieb Plato de sua coleção de conchas de moluscos declara seu interesse em história natural, o qual ele mantinha além de seus estudos em história e numismática. O primeiro volume desta obra inclui desenhos finos e elegantes da coleção conquiliológica, feitos em papel azul com grande preocupação pela representação exata. O segundo volume contém um registro e uma descrição dos objetos exibidos em latim e parcialmente em francês e holandês. Os manuscritos foram preservados na biblioteca da cidade de Ratisbona antes de ser fechada permanentemente em 1812. Eles então foram transferidos para a Biblioteca Estatal da Baviera em Munique.

Uma breve descrição de Kiev

Maksim Fedorovich Berlinskii foi um escritor, professor e historiador nascido em 1764 na vila de Nova Sloboda, próxima a Putyvl, na Oblast de Kursk, na Rússia (atual Oblast de Sumy, Ucrânia). Filho de um padre ortodoxo, Berlinskii estudou no Seminário Teológico de Kiev (ex Academia Kyiv-Mohyla) antes de seu treinamento no seminário de Professores de São Petersburgo. Em 1788, ele começou a lecionar no ginásio secular de Kiev, onde permaneceu por 46 anos. Durante este período, Berlinskii escreveu vários livros e artigos sobre a história, arqueologia e topografia russas e ucranianas. Em 1814, Berlinskii conheceu o Ministro de Assuntos Exteriores, o Conde Nikolai Petrovich Rumyantsev (1754–1826), um historiador muito interessado em Kiev e na Ucrânia. Com o suporte financeiro de Rumyantsev, Berlinskii produziu o Plan drevnego Kieva s obiasneniiami o ego drevnostiakh (Plano da Kiev antiga com explicações sobre suas antiguidades) em 1814 e a presente obra, Kratkoe opisanie Kieva (Uma breve descrição de Kiev). Publicado pelo Departamento de Educação em São Petersburgo em 1820, esta obra é considerada a primeira história acadêmica de Kiev, além da primeira descrição detalhada e extensa em forma de livro das igrejas antigas de Kiev. O texto começa com uma visão geral sobre a história da cidade, desde o seu início até 1800, seguida por descrições de várias igrejas, incluindo a Catedral de São Nicolas, Igreja de São Basílio, Igreja de São Elias, Catedral de Santa Sofia e Catedral de São Jorge. Um mapa detalhado mostra estas e outras igrejas, monastérios e conventos, como o Mosteiro de Kiev-Pechersk e o Convento de Santa Irene; o rio Dniepre; e pontos históricos como os Portões de Ouro de Kiev. A obra contém outras duas litografias.

Lecionário do evangelho

Este manuscrito em siríaco escrito de forma bastante clara é um Purāš qeryānē d-ṭeṭrā ewangelyon (Lecionário do evangelho, um livro que contém trechos da escritura, as lições, para serem lidos em cultos divinos em determinados dias) do século XVI. As páginas são divididas em duas colunas com 22 linhas de texto em cada. A tinta, preta para as letras e vermelha para os títulos e pontos diacríticos, está bem preservada de maneira que a escrita, na maioria dos casos, está bastante nítida. Como de costume em manuscritos siríacos ocidentais cuidadosamente escritos, o principal texto está na escrita Serto, que significa "linha", o qual foi desenvolvido no século VIII. Os títulos das seções estão em Estrangela, que significa "circular", a qual é a escrita siríaca mais antiga, às vezes em tinta azul em vez da vermelha mencionada acima. Tabelas coloridas com ornamentação circular para as leituras do livro são o prefácio do texto, seguido de vários outros designs e uma página de títulos muito ornamentada. O siríaco é um dialeto oriental do aramáico, o qual era falado por cristãos nas terras entre o Império Romano e o Mar Árabe do século I até o XII.

Synaxarium

Este manuscrito do século XVIII, datado em 1733 no colofão é chamado de um Al-Sinkisār (Synaxarium), indicando uma coleção de biografias curtas dos santos, usado em maior parte na Igreja Ortodoxa. O relato da vida de um santo é lido como uma lição quando o dia do santo é celebrado na igreja. Cada dia do ano é marcado neste synaxarium com tinta vermelha e seguido por uma rápida narrativa para o determinado santo ou santos celebrados neste dia. O texto está em Garshuni (escrita Árabe em siríaco). O Garshuni árabe ainda está em uso em algumas congregações siríaco-cristãs.

Comentário do Evangelho

Este manuscrito do século XX é uma das muitas cópias do Pušāqā d-ewangelyon qaddišā (Comentário do Evangelho) de Dionysius Bar Salibi (falecido em 1171). Nascido em Melitene, em uma área que por vezes ficou sob o controle turco, Bar Salibi tornou-se um bispo metropolitano assírio. O trabalho é notável por conter citações nomeadas de autores siríacos anteriores. Bar Salibi era muito estimado e sua escrita incluía poemas, orações, um tratado contra heresia e traduções siríacas das obras de Aristóteles. Muitos dos trabalhos de Bar Salibi, incluindo seus comentários biblícos, sobreviveram com uma testemunha manuscrita memorável. Este manuscrito, escrito por uma mão muito clara e consistente em serto, é um testemunho à prática contínua e à tradição de produção de manuscritos entre os escribas siríacos ocidentais. Serto, que significa "linha", foi desenvolvida durante e após o século VIII, tornou-se a escrita siríaca mais usada. O siríaco é um dialeto oriental do aramáico, o qual era falado por cristãos nas terras entre o Império Romano e o Mar Árabe do século I até o XII.

Vidas dos santos

Este manuscrito em garshuni (escrita Árabe em letras Siríacas) de Qisas al-qiddīsīn (Vidas dos santos) data de 1692–1693 e foi escrito por um escriba chamado Murad bin 'Abd Al-Masih. É uma coleção de relatos biográficos de vidas e homilias dos santos. Os autores destas várias biografias são, na maior parte, anônimos. O texto está, na maior parte, em duas colunas, mas algumas páginas possuem apenas uma. Várias notas marginais em escrita garshuni e árabe acompanham o texto. A escrita garshuni entrou em uso depois que o árabe tornou-se o idioma mais falado nas terras do Crescente Fértil antes que uma forma escrita do árabe fosse desenvolvida. Ela ainda está em uso em algumas congregações siríaco-cristãs.