2 de abril de 2012

Retratos de estrangeiros: ingleses e franceses

Após quase dois séculos de contato restrito com o exterior, o Japão passou a se expor cada vez mais à cultura ocidental na década de 1850, à medida que novos acordos comerciais passaram a demandar maior interação multicultural. A importação de tecnologia e costumes desconhecidos passou a criar ansiedade e medo entre a classe popular japonesa, e sua grande curiosidade fica evidente nas descrições detalhadas de temas estrangeiros feitas por artistas ukiyo-e (retratos do mundo flutuante). Esta gravura da série Gaikokujin no zu (Retratos de estrangeiros), é de Utagawa Yoshitomi (prosperou entre 1850 e 1870), um aluno do popular artista ukiyo-e Utagawa Kuniyoshi (1798–1861). Aqui, ele apresenta a sua ideia do “típico” povo francês e inglês: o homem a cavalo é francês e sua companheira, montada em uma sela amazona, é inglesa.

A igreja em Uganda: um encargo dos missionários da missão de Uganda de 1913

A igreja em Uganda: um encargo dos missionários da missão de Uganda de 1913 contém o texto de um documento de J.J. Willis, bispo de Uganda, dirigido aos missionários anglicanos em Uganda, na véspera da reunião do sínodo de Uganda de 1913. O documento possui duas partes: a primeira é uma visão geral da situação da igreja em Uganda e do trabalho realizado no ano anterior; a segunda parte trata dos problemas encontrados pela missão de Uganda em campo. O relatório sobre o trabalho da igreja abrange não só as atividades missionárias e pastorais, mas também temas como formação industrial, educação e missões médicas. Ao discutir os desafios enfrentados pela igreja, Willis observou o consumo crescente de álcool e um ressurgimento da poligamia em uma parte da população. O texto faz parte de uma compilação encadernada de dez documentos relacionados ao início da história da Igreja Anglicana em Uganda, que se encontra na biblioteca da Universidade Cristã de Uganda em Mukono, perto de Kampala. A universidade foi fundada em 1997 pela Igreja Anglicana de Uganda e incorpora a Escola Superior de Teologia Bispo Tucker, fundada em 1913.

Dicionário árabe-italiano

Este volume de meados do século XVIII, intitulado Repertorio Arabo–Italiano, em italiano, forma uma espécie de léxico vade mecum (um livro de rápida referência) do árabe e do italiano. Seus componentes principais são um dicionário árabe-italiano (árabe, à direita e italiano, à esquerda) e uma lista de palavras classificadas. O dicionário forma a maior parte do livro, organizado de acordo com o alfabeto árabe. A lista de palavras na segunda parte consiste em 55 seções classificadas sobre vários tópicos, incluindo animais, roupas, pedras preciosas, meses e dias, termos lógicos e temas cristãos, como por exemplo, os paramentos sacerdotais e os sacramentos. Os substantivos árabes são fornecidos no singular e no plural, e os verbos são dados nos modos perfeito, imperfeito e no infinitivo (masdar), o que sugere que a obra foi claramente concebida como uma ajuda aos alunos e não apenas como uma obra de referência ocasional. No início encontram-se algumas páginas de notas em italiano sobre a gramática árabe.

Eucológio

Este volume em árabe do final do século XVII é um Eucológio, o livro de orações e de rituais do rito bizantino. O texto inclui orações árabes e gregas lado a lado, juntamente com notas extras e instruções em árabe. Naturalmente, existe uma série de empréstimos linguísticos gregos no texto, como por exemplo: qundāq, do grego kontakion, referindo-se ao próprio livro litúrgico; aghrubnīya, do grego agrupnia, que significa “vigília”; e afšīn, do grego euchēn, que significa “oração”. O rito bizantino é o rito litúrgico usado pelas igrejas ortodoxas orientais, incluindo várias igrejas cristãs da Síria.

Atos do Sínodo de Qarqafe

Este manuscrito contém os cânones do Sínodo Melquita de Qarqafe no Líbano, que ocorreu em 1806 com a direção do Patriarca Agápio II Matar (também conhecido como Agápio III). Considera-se que o sínodo tendo sido particularmente influenciado pelo bispo melquita de Alepo, Germanos Adam (falecido em 1809). O texto contém diversas correções e notas marginais, feitas por outra mão. Ele é prefaciado por uma tabela de cânones e uma lista de signatários é fornecida no final da obra. O Sínodo Melquita de Qarqafe foi condenado mais tarde por suas ideias jansenistas alegadas pelo Papa Gregório XVI (1765-1846) em seu Melchitarum Catholicarum Synodus. O Jansenismo foi um movimento dentro da Igreja Católica Romana, que surgiu na França no século XVII e que tinha semelhanças com o Protestantismo e o Calvinismo, em especial.

Uma mulher, largando a xícara de chá, horrorificada ao descobrir o conteúdo monstruoso de uma gota amplificada de água do Tâmisa, revelando a impureza da água potável em Londres.

Esta caricatura, de 1828, mostra uma mulher olhando em um microscópio a fim de observar os monstros que nadam em uma gota da água de Londres. Na década de 1820, grande parte da água potável de Londres era proveniente do Rio Tâmisa, que era estremamente poluído pelos esgotos da cidade, os quais se esvaziavam nele. A Comissão nomeada para investigar a situação do Abastecimento de Água de Londres expediu um relatório em 1828, que resultou emvárias melhorias. As cinco companhias de água que serviam a margem norte do rio, melhoraram a qualidade de sua água construindo reservatórios e tomando outras providências. Porém, os residentes de Southwark (na margem sul do rio), continuaram a receber água contaminada. Os problemas só foram resolvidos na década de 1860, ocasião em que o atual sistema de esgoto de Londres foi instalado pelo Conselho Metropolitano de Obras (MBW) e seu engenheiro, Joseph Bazalgette. Entre o surgimento desta caricatura e da conclusão dos esgotos pelo MBW, Londres foi atacada por duas epidemias de cólera: em 1832 (parte da pandemia mundial da cólera) e em 1854. Ver uma gota de água através de um microscópio era uma diversão popular oferecida pelos artistas ambulantes, que costumavam levar microscópios em caixas, que carregagavam nas costas. Nesta caricatura, a figura do artista ambulante, no canto inferior extremo à esquerda, tira seu chapéu diante de uma bomba de água e diz: "Prazer em vê-la, espero lhe encontrar em todas as paróquias de Londres". No título, lê-se: "Microcosmo. Dedicado às Companhias de Água de Londres 1 - Produziu todas as coisas prodigiosas e monstruosas, 2 - Hidras e górgones, quimeras apavorantes. Vide Milton." O último é uma referência à Paraíso Perdido, de Milton.