14 de dezembro de 2012

Inundação na represa da Usina Hidrelétrica de Ķegums, 10 de fevereiro de 1939

Eduards Kraucs (1898–1977) foi um renomado fotógrafo e cineasta letão que, entre 1936 e 1940, documentou a construção da Usina Hidrelétrica de Ķegums sobre o rio Daugava no centro da Letônia. Esta fotografia, tirada em 10 de fevereiro de 1939, exibe a formação de gelo durante a inundação do rio no local de construção. A usina foi uma estrutura de engenharia única para países bálticos e o norte da Europa, que envolvia um esforço colaborativo de engenheiros letões e suecos. Soluções tecnológicas novas na Europa foram usadas nesta construção. A usina teve grande importância na Letônia como um símbolo do estado e da identidade nacional durante o primeiro período da história do Estado independente da Letônia (1918–1940). Sua conclusão marcou o início de um sistema de energia unificado em todo o estado e do grupo Latvenergo. A usina impulsionou um rápido crescimento econômico, que resultou na eletrificação das regiões da Letônia, e aprimorou o bem-estar da população do país. Kraucs tirou fotos do trabalho uma ou duas vezes por semana durante o período de construção. A coleção resultante de 1.736 negativos em placa de vidro é o único exemplo conhecido na Europa de um registro fotográfico tão abrangente de um projeto de construção de grande escala. A coleção foi inscrita na Memória Nacional da Letônia do Registro Mundial em 2009.

Construção da represa da Usina Hidrelétrica de Ķegums, 24 de fevereiro de 1939

Eduards Kraucs (1898–1977) foi um renomado fotógrafo e cineasta letão que, entre 1936 e 1940, documentou a construção da Usina Hidrelétrica de Ķegums sobre o rio Daugava no centro da Letônia. Esta fotografia, tirada em 24 de fevereiro de 1939, exibe a construção da represa da usina. A usina foi uma estrutura de engenharia única para países bálticos e o norte da Europa, que envolvia um esforço colaborativo de engenheiros letões e suecos. Soluções tecnológicas novas na Europa foram usadas nesta construção. A usina teve grande importância na Letônia como um símbolo do estado e da identidade nacional durante o primeiro período da história do Estado independente da Letônia (1918–1940). Sua conclusão marcou o início de um sistema de energia unificado em todo o estado e do grupo Latvenergo. A usina impulsionou um rápido crescimento econômico, que resultou na eletrificação das regiões da Letônia, e aprimorou o bem-estar da população do país. Kraucs tirou fotos do trabalho uma ou duas vezes por semana durante o período de construção. A coleção resultante de 1.736 negativos em placa de vidro é o único exemplo conhecido na Europa de um registro fotográfico tão abrangente de um projeto de construção de grande escala. A coleção foi inscrita na Memória Nacional da Letônia do Registro Mundial em 2009.

Construção da carcaça da turbina da Usina Hidrelétrica de Ķegums, 5 de abril de 1939

Eduards Kraucs (1898–1977) foi um renomado fotógrafo e cineasta letão que, entre 1936 e 1940, documentou a construção da Usina Hidrelétrica de Ķegums sobre o rio Daugava no centro da Letônia. Esta fotografia, tirada em 5 de abril de 1939, retrata a construção da carcaça da turbina na usina hidrelétrica. A usina foi uma estrutura de engenharia única para países bálticos e o norte da Europa, que envolvia um esforço colaborativo de engenheiros letões e suecos. Soluções tecnológicas novas na Europa foram usadas nesta construção. A usina teve grande importância na Letônia como um símbolo do estado e da identidade nacional durante o primeiro período da história do Estado independente da Letônia (1918–1940). Sua conclusão marcou o início de um sistema de energia unificado em todo o estado e do grupo Latvenergo. A usina impulsionou um rápido crescimento econômico, que resultou na eletrificação das regiões da Letônia, e aprimorou o bem-estar da população do país. Kraucs tirou fotos do trabalho uma ou duas vezes por semana durante o período de construção. A coleção resultante de 1.736 negativos em placa de vidro é o único exemplo conhecido na Europa de um registro fotográfico tão abrangente de um projeto de construção de grande escala. A coleção foi inscrita na Memória Nacional da Letônia do Registro Mundial em 2009.

Vista das comportas e da Usina Hidrelétrica de Ķegums, 20 de abril de 1939

Eduards Kraucs (1898–1977) foi um renomado fotógrafo e cineasta letão que, entre 1936 e 1940, documentou a construção da Usina Hidrelétrica de Ķegums sobre o rio Daugava no centro da Letônia. Esta fotografia, tirada em 20 de abril de 1939, exibe a represa e as comportas desde o reservatório da usina. A usina foi uma estrutura de engenharia única para países bálticos e o norte da Europa, que envolvia um esforço colaborativo de engenheiros letões e suecos. Soluções tecnológicas novas na Europa foram usadas nesta construção. A usina teve grande importância na Letônia como um símbolo do estado e da identidade nacional durante o primeiro período da história do Estado independente da Letônia (1918–1940). Sua conclusão marcou o início de um sistema de energia unificado em todo o estado e do grupo Latvenergo. A usina impulsionou um rápido crescimento econômico, que resultou na eletrificação das regiões da Letônia, e aprimorou o bem-estar da população do país. Kraucs tirou fotos do trabalho uma ou duas vezes por semana durante o período de construção. A coleção resultante de 1.736 negativos em placa de vidro é o único exemplo conhecido na Europa de um registro fotográfico tão abrangente de um projeto de construção de grande escala. A coleção foi inscrita na Memória Nacional da Letônia do Registro Mundial em 2009.

Reforço da represa do rio Daugava na Usina Hidrelétrica de Ķegums, 15 de junho de 1939

Eduards Kraucs (1898–1977) foi um renomado fotógrafo e cineasta letão que, entre 1936 e 1940, documentou a construção da Usina Hidrelétrica de Ķegums sobre o rio Daugava no centro da Letônia. Esta fotografia, tirada em 15 de junho de 1939, retrata o reforço das encostas de terra da represa na margem direita do rio. A construção do prédio da usina e da parede quebra-gelo pode ser vista em plano de fundo. A usina foi uma estrutura de engenharia única para países bálticos e o norte da Europa, que envolvia um esforço colaborativo de engenheiros letões e suecos. Soluções tecnológicas novas na Europa foram usadas nesta construção. A usina teve grande importância na Letônia como um símbolo do estado e da identidade nacional durante o primeiro período da história do Estado independente da Letônia (1918–1940). Sua conclusão marcou o início de um sistema de energia unificado em todo o estado e do grupo Latvenergo. A usina impulsionou um rápido crescimento econômico, que resultou na eletrificação das regiões da Letônia, e aprimorou o bem-estar da população do país. Kraucs tirou fotos do trabalho uma ou duas vezes por semana durante o período de construção. A coleção resultante de 1.736 negativos em placa de vidro é o único exemplo conhecido na Europa de um registro fotográfico tão abrangente de um projeto de construção de grande escala. A coleção foi inscrita na Memória Nacional da Letônia do Registro Mundial em 2009.

A sala de controle da Usina Hidrelétrica de Ķegums, 22 de fevereiro de 1939

Eduards Kraucs (1898–1977) foi um renomado fotógrafo e cineasta letão que, entre 1936 e 1940, documentou a construção da Usina Hidrelétrica de Ķegums sobre o rio Daugava no centro da Letônia. Esta fotografia, tirada em 22 de fevereiro de 1939, exibe a sala de controle da usina. A usina foi uma estrutura de engenharia única para países bálticos e o norte da Europa, que envolvia um esforço colaborativo de engenheiros letões e suecos. Soluções tecnológicas novas na Europa foram usadas nesta construção. A usina teve grande importância na Letônia como um símbolo do estado e da identidade nacional durante o primeiro período da história do Estado independente da Letônia (1918–1940). Sua conclusão marcou o início de um sistema de energia unificado em todo o estado e do grupo Latvenergo. A usina impulsionou um rápido crescimento econômico, que resultou na eletrificação das regiões da Letônia, e aprimorou o bem-estar da população do país. Kraucs tirou fotos do trabalho uma ou duas vezes por semana durante o período de construção. A coleção resultante de 1.736 negativos em placa de vidro é o único exemplo conhecido na Europa de um registro fotográfico tão abrangente de um projeto de construção de grande escala. A coleção foi inscrita na Memória Nacional da Letônia do Registro Mundial em 2009.