29 de novembro de 2012

Livro dos reis ou uma História Búlgara, que ensina de onde vieram os búlgaros, como eles se tornaram governantes, como eles reinaram e como seu reino pereceu e caiu sob o jugo

Este livro é a primeira edição publicada de História Eslavo-Búlgara de Paisii Khilendarski em 1762, que é considerado o documento de fundação do Despertar Nacional da Bulgária.  A história de Paisii encoragou os búlgaros, que estavam sob o governo otomano por séculos, a descobrir sua consciência nacional e a abraçar a língua búlgara. O trabalho foi tão influente que foi copiado à mão e extraído várias vezes, sem que Paisii fosse identificado como o autor ou tivesse seu nome associado com o trabalho. Esta edição de 1844, compilada e revisada por Khristaki Pavlovich, também falhou em identificar Paisii como autor, e ela omite umas das mais importantes seções do trabalho escrito originalmente, notavelmente o prefácio de Paisii e seu apelo ao povo búlgaro. Esta, não obstante, foi uma das primeiras e mais populares histórias da Bulgária. Paisii foi definitivamente identificado como o autor da História Eslavo-Búlgara em 1871 pelo eminente estudioso Marin Drinov.

Breve Interpretação da Santa Igreja, quantos cálices sagrados e vestimentas são mantidos lá, das missas diárias, da liturgia divina, e dos mistérios da Santa Igreja

Breve Interpretação da Santa Igreja, quantos cálices sagrados e vestimentas são mantidos lá, das missas diárias, da liturgia divina, e dos mistérios da Santa Igreja é uma tradução búlgara de um trabalho litúrgico originalmente escrito em grego. É mostrada aqui a segunda edição. Em 1837, quando a primeira edição deste trabalho foi publicada, poucos livros búlgaros existiam para o propósito educacional ou mesmo religioso. O original em grego é do educador helenístico, Demetrios Nikolaos Darvares (1757–1853); a tradução é de Raino Popovich, um professor búlgaro e fundador de uma escola heleno-búlgara, e que teve um importante papel no Despertar Nacional da Búlgaria. A capa anuncia que a segunda edição de 1846 foi "publicada para o esclarecimento dos Cristãos Ortodoxos e seus filhos, com o apoio do professor G. hadji Naĭden Ioannovich, residente da Tatar-Pazardzhik, apoiador do iluminismo búlgaro e vendedor de livros por toda Eslavo-Bulgária.

Novo Testamento de Nosso Senhor Jesus Cristo

O notável reformador educacional, gramático e padre Neofit Rilski (1793–1881) foi o primeiro a traduzir o Novo Testamento para o Búlgaro moderno. A tradução de Rilski foi decisiva para a educação religiosa, pois a maioria dos búlgaros não entendiam a tradução da Bíblia existente em eslavo eclesiástico. Financiada pela Sociedade Bíblica Protestante Britânica e Estrangeira e sancionada pelo líder da Igreja Ortodoxa Búlgara, Ilarion, metropolitano de Tŭrnovo, a tradução foi um marco no Despertar Nacional da Búlgaria e nos esforços dos búlgaros em alcançar a autonomia religiosa em relação aos gregos. Aqui é mostrada a segunda edição de 1850, que foi reimpressa da primeira edição de 1840.

Manual de Redação

Sava Dobroplodni (1820–1894) foi um notável educador, dramaturgo e figura literária durante a era do Despertar Nacional da Bulgária.Em seu papel como educador, ele escreveu muitos livros didáticos, incluíndo este pismennik (manual de redação). Publicado em 1853, o manual de Dobroplodni foi um dos primeiros manuais de redação ou ortografia búlgaro, assim como o primeiro a proporcionar definições de termos literários como metáforas, sinônimos e alegoria. O livro mostra os alfabetos eslavo, grego, alemão e francês, regras para escrever, exemplos de boa escrita e amostras para correspondência adequada. Dobroplodni trabalhou como professor em escola secundária em várias vilas e cidades na Bulgária e foi membro honorário da Sociedade Literária Búlgara. Ele fundou e reformou escolas e bibliotecas, escreveu e traduziu peças, organizou apresentações teatrais e publicou seu último livro, Uma Pequena Autobiografia, em 1893.

Músicas Folclóricas Búlgaras

Naiden Gerov (1823–1900) foi uma renomada figura literária búlgara, cujas realizações incluiam a composição do primeiro poema em búlgaro moderno. Seu trabalho mais importante foi o Dicionário do Idioma Búlgaro, em que trabalhou por muitas décadas e foi publicado em cinco volumes entre 1895 e 1904. Seu interesse de toda a vida no folclore búlgaro está refletido em seu monumental dicionário, no qual ele incluiu muitas palavras de materiais folclóricos. Embora ele tenha recolhido muito material, a maioria deles não foi publicada durante sua vida. Esta pequena antologia, Músicas Folclóricas Búlgaras, que apareceu na Rússia em 1856, foi uma resposta ao livro do folclorista russo, Petr Bezsonov. A compilação de Bezsonov de canções folclóricas búlgaras saiu em 1855, mas ela continha erros em relação à estrutura rítmica das canções folclóricas búlgaras o que impulsionou Gerov a publicar este trabalho, que incluía apenas cinco músicas mas com muitas notas e correções da obra de Bezsonov.

O Viajante da Floresta

Georgi Rakovski (1821–1867) foi um importante revolucionário búlgaro e escritor que foi um dos líderes da luta contra o Governo Otomano. Ele viveu uma vida de constante intriga contra os otomanos, que naquele tempo incluiu, espionagem, aprisionamento, fuga de cativeiro, rebeliões organizadas e sobrevivência de uma sentença de morte que não se realizou. Rakovski publicou muitos jornais e escreveu muitos artigos com intenção de inspirar o povo búlgaro, incluindo O Viajante da Floresta, um dos mais famosos trabalhos ideológicos da literatuaa búlgara.  Escrito enquanto Rakoviski estava escondido para evitar ser preso pelos turcos, O Viajante da Floresta é um poema épico sobre os haiduques, os homens das montanhas balcãs que eram engajados tanto no banditismo quanto na luta pela liberdade. Ao mesmo tempo em que descreve a situação de um grupo de haiduques, Rakoviski também descreve a posição de opressão do povo búlgaro. Seu trabalho teve enorme importância para os búlgaros durante o século XIX, era do Despertar Nacional, e até hoje faz parte da identidade nacional da Bulgária.