18 de outubro de 2012

Discursos

Sob a influência do humanismo italiano e de seu tutor e colecionador de livros János Vitez, Arcebispo de Esztergom, Matias Corvinus I da Hungria (1443-1490) desenvolveu uma paixão por livros e pela aprendizagem. Eleito rei da Hungria em 1458, aos 14 anos de idade, Mathias conquistou grande sucesso por suas batalhas contra os turcos otomanos e por seu patrocínio à aprendizagem e à ciência. Ele criou a Bibliotheca Corviniana, na época considerada como uma das melhores bibliotecas da Europa. Após sua morte, e especialmente após a conquista de Buda pelos turcos, em 1541, a biblioteca foi dispersa e grande parte da coleção foi destruída, com os volumes sobreviventes sendo espalhados por toda a Europa. Este códice, um dos oito manuscritos inicialmente na Biblioteca Corvinus e agora preservado na Biblioteca Estatal da Baviera, contém vários discursos e cartas de Ésquines e Demóstenes, entre os quais o mais brilhante discurso de Demóstenes, "A Oração da Coroa" ("On the Crown"), na tradução do humanista Leonardo Bruni de Arezzo (1370? -1444), que também contribuiu com um prefácio dirigido a Niccolò Medici. O livro, que traz o brasão de armas de Corvinus, pode ter sido propriedade, inicialmente, de Vitéz. Após a morte de Corvinus, foi adquirido por Johann Jacob Fugger e veio, juntamente com a biblioteca deste, para a biblioteca da corte de Munique, dos duques da Baviera, em 1571. A Coleção Bibliotheca Corviniana foi inscrita no programa Memória do Mundo, da UNESCO, em 2005.

A História de Bolonha em Quatro Livros. Poemas para Galeatius Marescottus

Sob a influência do humanismo italiano e de seu tutor e colecionador de livros János Vitez, o Arcebispo de Esztergon, Matias Corvinus da Hungria (1443-1490) desenvolveu uma paixão por livros e pela aprendizagem. Eleito rei da Hungria em 1458, aos 14 anos de idade, Mathias conquistou grande sucesso por suas batalhas contra os turcos otomanos e por seu patrocínio à aprendizagem e à ciência. Ele criou a Bibliotheca Corviniana, na época considerada como uma das melhores bibliotecas da Europa. Após sua morte, e especialmente após a conquista de Buda pelos turcos, em 1541, a biblioteca foi dispersa e grande parte da coleção foi destruída, com os volumes sobreviventes sendo espalhados por toda a Europa. Este códice, um dos oito manuscritos inicialmente na Biblioteca Corvinus e agora preservado na Biblioteca Estatal da Baviera, contém um texto produzido em Ferrara, Itália, em 1460. Sua encadernação, feita em Buda, onde o rei tinha instituído sua própria oficina, é decorada com as armas reais. A encadernação reflete uma mistura de estilo gótico local e elementos de inspiração orientais do renascimento italiano, baseada em modelos orientais que presume-se terem-se originado no norte da África, particularmente no Egito. O volume, acredita-se, era para ter sido apresentado por Georg Hörmann, que estava a serviço da família Fugger, para Johann Jacob Fugger, com cuja biblioteca veio à biblioteca da corte de Munique dos duques da Baviera em 1571. A Coleção Bibliotheca Corviniana foi inscrita no programa Memória do Mundo, da UNESCO, em 2005.

Um Livro Sobre a Natureza das Coisas. Questões Naturais em Sete Livros

Sob a influência do humanismo italiano e de seu tutor e colecionador de livros, János Vitez, o Arcebispo de Esztergon, Matias Corvinus da Hungria (1443-1490) desenvolveu uma paixão por livros e pela aprendizagem. Eleito rei da Hungria em 1458, aos 14 anos de idade, Mathias conquistou grande sucesso por suas batalhas contra os turcos otomanos e por seu patrocínio à aprendizagem e à ciência. Ele criou a Bibliotheca Corviniana, na época considerada como uma das melhores bibliotecas da Europa. Após sua morte, e especialmente após a conquista de Buda pelos turcos, em 1541, a biblioteca foi dispersa e grande parte da coleção foi destruída, com os volumes sobreviventes sendo espalhados por toda a Europa. Este códice, um dos oito manuscritos inicialmente na Biblioteca Corvinus e agora preservado na Biblioteca Estatal da Baviera, contém o pequeno tratado De natura rerum , composto pelo Venerável Bede, o famoso acadêmico e monge anglo-saxão, no início do século VIII. O texto, copiado na última década do século XV, está encadernado junto a outro tratado sobre assunto semelhante, as Naturales quaestiones, do estadista e filósofo romano L. Annaeus Seneca (falecido em 65 DC). O texto aparece em escrita de livro humanista e é ricamente iluminado, trazendo tanto a coroa de Corvinus quanto a do seu sucessor, Wladislav II. A Coleção Bibliotheca Corviniana foi inscrita no programa Mémoria do Mundo, da UNESCO, em 2005.

Livros 1–5 das Histórias

Sob a influência do humanismo italiano e de seu tutor e colecionador de livros, János Vitez, o Arcebispo de Esztergon, Matias Corvinus da Hungria (1443-1490) desenvolveu uma paixão por livros e pela aprendizagem. Eleito rei da Hungria em 1458, aos 14 anos de idade, Mathias conquistou grande sucesso por suas batalhas contra os turcos otomanos e por seu patrocínio à aprendizagem e à ciência. Ele criou a Bibliotheca Corviniana, uma das melhores bibliotecas da Europa na época. Após sua morte, e especialmente após a conquista de Buda pelos turcos, em 1541, a biblioteca foi dispersa e grande parte da coleção foi destruída, com os volumes sobreviventes sendo espalhados por toda a Europa. Este códice, um dos oito manuscritos inicialmente na Biblioteca Corvinus e agora preservado na Biblioteca Estatal da Baviera, contém uma tradução em latim do De bello Gothicorum (Sobre a Guerra Gótica). O texto é um relato dos anos de 552 a 559, pelo autor grego Agathias (século VI DC); a tradução é de Cristoforo Persona (1416-1485), o prefeito da Biblioteca do Vaticano, de 1484 em diante. O texto em latim aparece em escrita de livro humanista, ricamente iluminado por Joachinus de Gigantibus, e é dedicado, por Persona, a Corvinus. A Coleção da Bibliotheca Corviniana foi inscrita no programa Memória do Mundo, da UNESCO, em 2005.

Oito Livros Sobre Medicina

Sob a influência do humanismo italiano e de seu tutor e colecionador de livros János Vitez, o Arcebispo de Esztergon, Matias Corvinus da Hungria (1443-1490) desenvolveu uma paixão por livros e pela aprendizagem. Eleito rei da Hungria em 1458, aos 14 anos de idade, Mathias conquistou grande sucesso por suas batalhas contra os turcos otomanos e por seu patrocínio à aprendizagem e à ciência. Ele criou a Bibliotheca Corviniana, na época considerada como uma das melhores bibliotecas da Europa. Após sua morte, e especialmente após a conquista de Buda pelos turcos, em 1541, a biblioteca foi dispersa e grande parte da coleção foi destruída, com os volumes sobreviventes sendo espalhados por toda a Europa. Este códice, um dos oito manuscritos inicialmente na Biblioteca Corvinus e agora preservado na Biblioteca Estatal da Baviera, contém o texto De medicina, do autor romano A. Cornelius Celsus. O texto original, composto durante o reinado do Imperador Tibério (14-37 DC), como parte de uma enciclopédia(Artes), foi frequentemente copiado na Idade Média. Após a morte de Corvinus, foi adquirido por Johann Jacob Fugger e veio, juntamente com a biblioteca deste, para a biblioteca da corte de Munique, dos duques da Baviera, em 1571. A Coleção Bibliotheca Corviniana foi inscrita no programa Memória do Mundo, da UNESCO, em 2005.

A Canção dos Nibelungos (Codex A)

O Nibelungenlied (A Canção dos Nibelungos) é o mais famoso poema heróico em médio-alto alemão. Conta a história de Siegfried, o matador de dragões, desde sua infância e seu casamento com Kriemhild, até seu assassinato pelo terrível Hagen e a vingança subsequente de Kriemhild, culminando na aniquilação dos burgúndios ou nibelungos, na corte dos hunos. Originalmente baseado em uma antiga tradição oral, o poema foi passado para escrita por volta do ano de 1200,ou logo após, provavelmente na corte de Wolfger von Erla, Bispo de Passau, de 1191 a 1204. Atualmente, é conhecido apenas nas versões que chegaram até a época atual, através de 37 manuscritos e fragmentos que datam dos séculos XIII ao XVI. No século XIX, o Nibelungenlied teve uma enorme influência como poema épico nacional alemão, como está refletida em numerosos trabalhos de arte visual e nos dramas musicais de Richard Wagner. O Codex A, que é preservado na Biblioteca Estatal da Baviera, foi listado, junto com dois outros importantes manuscritos utilizados para estabelecer o texto (Códices B e C), no programa Memória do Mundo, da UNESCO, em 2009.