Mapa da Península da Flórida

Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa de cerca de 1639 da península da Flórida, chamada de "Cabo De La Florida", mostra o Atlântico e o Golfo do México, características costeiras, perigos para a navegação, linhas de rumo e uma representação pictórica de palmeiras ao longo da costa do Atlântico, perto de Santo Agostinho. São mostrados no mapa as Ilhas adjacentes e as profundidades de água através de sondagens. Quase todos os nomes geográficos estão em espanhol. Três escalas mostram as distâncias em léguas holandesas, espanholas e inglesas. O mapa já fez parte de um atlas manuscrito que pertencia à empresa holandesa de Gerard van Keulen Hulst, que publicou atlas marítimos e manuais de navegação por mais de dois séculos. Com o fim da empresa, o atlas foi adquirido e fragmentado pelo revendedor de livros de Amsterdã Frederik Muller, que em 1887 vendeu 13 mapas do atlas atribuídos a Vinckeboons ao colecionador e bibliógrafo Henry Harrisse. Este mapa é parte da Coleção Henry Harrisse da Biblioteca do Congresso.

Mapa do Rio Sul, em Novos Países Baixos

Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e aquarela de cerca de 1639 mostra o Rio Sul (Delaware), baía de Delaware e as costas adjacentes. Esta região fazia parte da colônia da Novos Países Baixos, que foi criada pelos holandeses em 1621 e governada por eles, até que foi tomada pelos britânicos em 1664. O mapa mostra assentamentos e características geográficas, com as profundidades de água mostradas por sondagens. O texto do lado esquerdo do mapa contém uma descrição das tribos nativas americanas que viviam na região. O mapa já fez parte de um atlas manuscrito que pertencia à empresa holandesa de Gerard van Keulen Hulst, que publicou atlas marítimos e manuais de navegação por mais de dois séculos. Com o fim da empresa, o atlas foi adquirido e fragmentado pelo revendedor de livros de Amsterdã Frederik Muller, que em 1887 vendeu 13 mapas do atlas atribuídos a Vinckeboons ao colecionador e bibliógrafo Henry Harrisse. Este mapa é parte da Coleção Henry Harrisse da Biblioteca do Congresso.

O Rio Norte na região dos Novos Países Baixos

Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e aquarela de cerca de 1639 mostra o Rio Hudson, ou Norte, como era chamado pelos holandeses, desde Manhattan até a atual Albany, Nova York. A região fazia parte da colônia dos Novos Países Baixos que foi criada pelos holandeses em 1621 e governada por eles, até que foi tomada pelos britânicos em 1664. em 1664. Os nomes de lugares e nomes das tribos nativas americanas, como a dos Moicanos, estão presentes no mapa. O relevo é mostrado pictoricamente e as profundidades são mostradas por sondas. O mapa já fez parte de um atlas manuscrito que pertencia à empresa holandesa de Gerard van Keulen Hulst, que publicou atlas marítimos e manuais de navegação por mais de dois séculos. Com o fim da empresa, o atlas foi adquirido e fragmentado pelo revendedor de livros de Amsterdã Frederik Muller, que em 1887 vendeu 13 mapas do atlas atribuídos a Vinckeboons ao colecionador e bibliógrafo Henry Harrisse. Este mapa é parte da Coleção Henry Harrisse da Biblioteca do Congresso.

Mapa de Novos Países Baixos, Virgínia e Nova Inglaterra

Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e aquarela de cerca de 1639 mostra a costa nordeste dos Estados Unidos desde a Nova Inglaterra até Virginia, incluindo as características costeiras e outras entidades geográficas. A colônia dos Novos Países Baixos foi estabelecida pelos holandeses em 1621, e ao longo do tempo foi cada vez mais ameaçada por grandes colônias britânicas ao norte e ao sul. Os britânicos tomaram a região dos Novos Países Baixos em 1664, terminando a presença colonial holandesa na América do Norte. Os assentamentos e fortes britânicos e holandeses estão mostrados no mapa, juntamente com os nomes de tribos indígenas. O mapa já fez parte de um atlas manuscrito que pertencia à empresa holandesa de Gerard van Keulen Hulst, que publicou atlas marítimos e manuais de navegação por mais de dois séculos. Com o fim da empresa, o atlas foi adquirido e fragmentado pelo revendedor de livros de Amsterdã Frederik Muller, que em 1887 vendeu 13 mapas do atlas atribuídos a Vinckeboons ao colecionador e bibliógrafo Henry Harrisse. Este mapa é parte da Coleção Henry Harrisse da Biblioteca do Congresso.

Mapa da Costa do Golfo da Flórida até o México

Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e aquarela de cerca de 1639 mostra a Costa do Golfo do México do oeste da Flórida até a área em torno da atual Tampico, México. Estão incluídos no mapa o litoral, características costeiras, rios, riachos, outros corpos de água e várias linhas de rumo. Um corpo de água, "Mar Pequeno", estaria possivelmente designado à Baía de Mobile ou ao Lago Pontchartrain. Os nomes geográficos aparecem em espanhol. O mapa já fez parte de um atlas manuscrito que pertencia à empresa holandesa de Gerard van Keulen Hulst, que publicou atlas marítimos e manuais de navegação por mais de dois séculos. Com o fim da empresa, o atlas foi adquirido e fragmentado pelo revendedor de livros de Amsterdã Frederik Muller, que em 1887 vendeu 13 mapas do atlas atribuídos a Vinckeboons ao colecionador e bibliógrafo Henry Harrisse. Este mapa é parte da Coleção Henry Harrisse da Biblioteca do Congresso.

Mapa da costa atlântica da América do Norte desde a Baía de Chesapeake até a Flórida

Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e aquarela de cerca de 1639 mostra a costa atlântica dos atuais Estados Unidos desde a Baía de Chesapeake até a Flórida. Estão incluídos no mapa o litoral, características costeiras, perigos para a navegação, linhas de rumo, povos nativos e assentamentos, riachos e uma rosa dos ventos decorativa. Baseando-se em uma mistura de fontes contemporâneas e históricas, o mapa concentra-se nos assentamentos ingleses no sul da Virgínia e da área de Outer Banks da atual Carolina do Norte. O mapa já fez parte de um atlas manuscrito que pertencia à empresa holandesa de Gerard van Keulen Hulst, que publicou atlas marítimos e manuais de navegação por mais de dois séculos. Com o fim da empresa, o atlas foi adquirido e fragmentado pelo revendedor de livros de Amsterdã Frederik Muller, que em 1887 vendeu 13 mapas do atlas atribuídos a Vinckeboons ao colecionador e bibliógrafo Henry Harrisse. Este mapa é parte da Coleção Henry Harrisse da Biblioteca do Congresso.

Havana na ilha de Cuba

Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e aquarela de cerca de 1639 mostra uma vista panorâmica do porto de Havana e arredores. O mapa destaca as sólidas fortalezas que protegem a cidade e mostra os edifícios da cidade, navios, o porto e a zona rural nas proximidades, com picos geograficamente imprecisos cercando o porto. O relevo é mostrado pictoricamente através de matizes gradientes. O mapa já fez parte de um atlas manuscrito que pertencia à empresa holandesa de Gerard van Keulen Hulst, que publicou atlas marítimos e manuais de navegação por mais de dois séculos. Com o fim da empresa, o atlas foi adquirido e fragmentado pelo revendedor de livros de Amsterdã Frederik Muller, que em 1887 vendeu 13 mapas do atlas atribuídos a Vinckeboons ao colecionador e bibliógrafo Henry Harrisse. Este mapa é parte da Coleção Henry Harrisse da Biblioteca do Congresso.

Mapa da baía de Santiago

Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e aquarela de cerca de 1639 mostra a baía de Santiago e arredores na ilha de Cuba. Estão incluídos no mapa as representações pictóricas da cidade de Santiago (atual Santiago de Cuba), fortificações, engenhos de açúcar, navios no porto e uma rosa dos ventos decorativa. O relevo é mostrado pictoricamente através de matizes gradientes. O mapa já fez parte de um atlas manuscrito que pertencia à empresa holandesa de Gerard van Keulen Hulst, que publicou atlas marítimos e manuais de navegação por mais de dois séculos. Com o fim da empresa, o atlas foi adquirido e fragmentado pelo revendedor de livros de Amsterdã Frederik Muller, que em 1887 vendeu 13 mapas do atlas atribuídos a Vinckeboons ao colecionador e bibliógrafo Henry Harrisse. Este mapa é parte da Coleção Henry Harrisse da Biblioteca do Congresso..

As ilhas e o continente das Índias Ocidentais

Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e aquarela de cerca de 1639 mostra as regiões costeiras da América do Norte e da América do Sul estendendo-se de Virginia pela Península de Yucatán até a Guiana na América do Sul. Estão incluídos no mapa as linhas costeiras, recursos costeiros, perigos para a navegação, ilhas, povoados, várias linhas de rumo e uma rosa dos ventos ornamental. O mapa indica locais espanhóis antigos ao longo da costa do Atlântico Norte, incluindo Santo Agostinho, Santa Elena, e Barra de Madre de Dios (Baía de Chesapeake). O mapa também mostra a localização da ilha de Guanahani, nas Bahamas. O relevo é mostrado pictoricamente. O mapa já fez parte de um atlas manuscrito que pertencia à empresa holandesa de Gerard van Keulen Hulst, que publicou atlas marítimos e manuais de navegação por mais de dois séculos. Com o fim da empresa, o atlas foi adquirido e fragmentado pelo revendedor de livros de Amsterdã Frederik Muller, que em 1887 vendeu 13 mapas do atlas atribuídos a Vinckeboons ao colecionador e bibliógrafo Henry Harrisse. Este mapa é parte da Coleção Henry Harrisse da Biblioteca do Congresso.

Mapa das Pequenas Antilhas

Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e aquarela de cerca de 1650 mostra as Pequenas Antilhas, o arco de ilhas no Mar do Caribe estendendo-se ao norte partindo da costa da América do Sul. O mapa está orientado com o norte para a direita. As ilhas nomeadas incluem Trinidad, Granada (atual Grenada), Santa Lúcia, Dominica, Martinica, Guadalupe, Antígua e Barbuda. A parte de terra firme sulamericana é chamada de Nueva Andalusia (Nova Andaluzia), a província do Império Espanhol, que incluia as atuais Colômbia e Venezuela. O mapa já fez parte de um atlas manuscrito que pertencia à empresa holandesa de Gerard van Keulen Hulst, que publicou atlas marítimos e manuais de navegação por mais de dois séculos. Com o fim da empresa, o atlas foi adquirido e fragmentado pelo revendedor de livros de Amsterdã Frederik Muller, que em 1887 vendeu 13 mapas do atlas atribuídos a Vinckeboons ao colecionador e bibliógrafo Henry Harrisse. Este mapa é parte da Coleção Henry Harrisse da Biblioteca do Congresso.