30 de janeiro de 2012

Soldados russos assustados com figuras de brinquedo de soldados japoneses pendurados por cordões

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). Nesta gravura aparecem os soldados russos sendo hostilizados por crianças, que mostram-lhes bonecos de soldados japoneses e se divertem quando os russos entram em pânico e pedem misericórdia.

Soldado russo mostra a bandeira branca claramente ao exército japonês: “Oh, diga, você consegue nos ver?”

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). Esta cena mostra um oficial russo e três soldados já rendidos ao ouvir a corneta do exército japonês. Depois de descobrir que a sua bandeira branca está desaparecida, o oficial pinta o seu rosto, a cara de seu cavalo e a bandeira russa de branco para deixar claro suas intenções.

Um marinheiro japonês, com as próprias mãos, está lutando com dois navios de guerra russo (com braços, pernas e rosto), um terceiro navio foge

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). Esta dupla com frequência personificava armas e navios para ridicularizar e desumanizar o exército russo, contrastando-o com os poderosos exército e marinha do Japão. Nesta gravura, os navios russos são danificados pela marinha japonesa e tentam fugir de volta ao porto de Vladivostok.

Um soldado russo protesta quando dois soldados japoneses interrompem os preparativos do jantar

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). Nesta gravura, a Rússia é personificada como um vendedor de tempura grosseiro que teve o seu óleo de fritura levado pelo exército japonês. O tempura representa um local de batalha. Esta cena mostra soldados japoneses perfurando o tempura com facilidade, simbolizando a Batalha de Mukden no centro de Manchúria. Esta batalha na verdade terminou com enormes perdas de ambos os lados.

A senhorita Jiuliancheng e o soldado russo (Kyûrenjô no heiki)

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). Esta gravura mostra o exército russo recuando e abandonando Kuren jyō (Senhorita Jiuliancheng), assim que os canhões do exército japonês bombardeiam durante a Batalha do Rio Yalu. Este confronto foi uma das primeiras indicações de que o Japão era capaz de lutar em pé de igualdade com a Rússia.

Raijin, o deus do trovão, assusta os russos e os expulsam de Tokuriji (perto de Nanshan)

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). Esta gravura mostra o exército japonês como Raijin, o deus do trovão, assim como a retirada de soldados russos para fora dos muros da cidade de Tokuriji durante a Batalha de Telissu, 14-15 de junho de 1904.