Coletânea de poemas do estúdio Yizhizhai

O autor desta obra, Ding Yan (1794-1875), era um nativo de Shanyang (parte da atual Huai'an, província de Jiangsu), um estudioso de talento e um funcionário do governo. Depois de alcançar o posto de ju ren, como um candidato bem-sucedido no exame de nível provincial, o autor da obra não conseguiu obter seu jin shi (doutorado), e recusou compromissos oficiais de menor importância. Retornou em seguida para Shanyang, onde passou a participar ativamente dos problemas locais. Em 1842 ele conduziu o corpo local de civis na defesa de sua cidade, confrontou a frota britânica que avançava pelo rio Yangtzé e encarregou-se do reparo dos muros da cidade. Em 1843 ele foi agraciado com o título de secretário do Grande Secretariado. Dez anos depois ele voltou a defender sua cidade, desta vez contra os rebeldes Taiping. Em 1853 ele foi acusado de cometer erros na organização da milícia e foi condenado e banido, porém liberado mais tarde. Em 1861, Ding foi formalmente nomeado, por decreto imperial, pelos seus esforços na defesa de Shanyang, para servir na comissão de formação do corpo de civis no norte de Jiangsu e finalmente recebeu o título de oficial da segunda ordem. Ding era altruísta e contribuiu para o alívio da fome e para a dragagem de canais. Ele defendeu a emissão de papel-moeda e a proibição rigorosa do ópio. Ding dirigiu também várias academias locais e foi um dos principais compiladores das histórias locais de Shanyang. Ding era especialmente conhecido pela sua erudição e realizações literárias. Cerca de 50 obras atribuídas a ele são conhecidas, das quais 23 formaram uma coletânea em 1862, sob o título de Yi zhi zhai cong shu (Coletânea de obras do estúdio Yizhizhai). Seus poemas e ensaios curtos em 16 juan, intitulados Yi zhi zhai shi wen ji (Coletânea de poemas e ensaios do estúdio Yizhizhai), nunca foram impressos. Estudioso e arqueólogo, Luo Zhenyu (1866-1940) adquiriu uma cópia manuscrita da obra desse autor de descendentes de Ding, da qual em 1915 ele selecionou e imprimiu um juan de ensaios de Ding e um juan de seus poemas. A edição da Biblioteca do Congresso é um manuscrito Qing que manteve o título original. Possui diversos prefácios, poemas e inscrições feitos por vários estudiosos e intelectuais. Entre eles estão o próprio prefácio de Ding (datado de 1832) e os de Zhou Ji (datado de 1836) e Dashi Sheng (1824), poemas de Pan Deyu (1828) e Gui Wang (1831), bem como inscrições de Zhu Qi (1844) e Huang Juezi (1836). Marcas manuscritas indicam também que talvez tenham sido feitas pelo próprio Ding Yan.

Coleção manuscrita de ensaios do estúdio Sheiyu'an

Este manuscrito, um projeto de um livro publicado em 1889, é composto por três obras de Sun Shijun da dinastia Qing. Há dois juan de ensaios chamados Shei yu an wen chao (Coleção manuscrita de seus ensaios), um juan de poemas intitulado Shi ou cun (Poemas ocasionais) e um juan de uma obra genealógica intitulada Zu pu ni gao (Projeto de genealogia de família). Sun era um nativo de Gui'an (parte da atual Huzhou Shi, província de Zhejiang), sobre quem Feng Xu, um membro da Academia Hanlin, escreveu uma obra biográfica. Os ensaios incluem prefácios que o autor escreveu para outras obras contemporâneas de personalidades de renome, entre eles o pintor Wu Junqing (1844-1927) e ensaios biográficos, incluindo alguns sobre várias mulheres. A poesia manuscrita consiste em seis folhas com 15 poemas. Uma inscrição na capa do livro baseada no manuscrito indica que a impressão teve início no décimo ano do reinado de Guangxu (1884) e levou cinco anos para ser concluída. Nenhuma versão impressa do volume de poesia foi encontrada. Para a versão impressa da obra genealógica, que traça nove gerações da família Sun, foi dado um novo título, Sun shi xian de zhuan (Biografias dos ancestrais virtuosos da família Sun). Toda a obra foi editada pelos dois filhos e um sobrinho de Sun Shijun e possui uma série de correções manuscritas feitas por uma pessoa ou pessoas desconhecidas. Há um prefácio de Lu Yanwei (datado de 1886) e um posfácio de Cheng Wan (1883).

Zumbido de um inseto

Impressa durante o reinado de Tianqi (1621-1627) da dinastia Ming, esta obra literária lista os nomes do autor e dos editores. Foi escrita por Li Tingxun, um nativo de Sanyuan Xian, província de Shaanxi e editada por dois colegas, membros de uma sociedade científica, Xiong Jiarui e Shi Dingyu, por três dos seus discípulos, Shengzhen Kong, Yiyuan Ma e Jizheng Wei e pelo filho de Li Tingxun, Li Menghe. Li Tingxun obteve seu jin shi (doutorado) em 1595 e tornou-se prefeito de Ningling Xian, província de Henan A obra foi organizada em ordem cronológica, começando com o ano 36 do reinado de Wanli (1608) e terminando no terceiro ano do reinado de Tianqi (1623). Nenhuma informação biográfica sobre Li Tingxun foi encontrada no dicionário geográfico local (intitulado Sanyuan Xian zhi) de sua cidade natal, Sanyuan, nem essa obra foi listada. Os dois primeiros caracteres chineses, xi ji, no título literalmente, significam “pequeno animal” ou “inseto marinado em vinagre”, uma metáfora que descreve uma pessoa de parcos conhecimentos e que provavelmente foi usado aqui para enfatizar a modéstia do autor e de distingui-lo como um homem humilde apresentando sua obra literária. O prefácio do autor no início do primeiro volume é datado de 1623.

Escritos selecionados por Dong Zhongfeng

Esta obra é uma coleção de escritos de Dong Qi (1483-1546), selecionados pelo seguidor de Dong, Shunzhi Tang (1527-1560), que foi um erudito confucionista, membro da Academia Hanlin e um homem com conhecimento militar. Dong Qi, um nativo de Guiji, província de Zhejiang, obteve seu jin shi (doutorado) e um segundo grau no exame imperial superior e entrou para a Academia Hanlin. Como resultado de um conflito com o influente funcionário eunuco Li Jin, ele foi enviado da capital para ser um prefeito de um município. Após a morte de Li, Dong retornou à Academia Hanlin e assumiu diversos cargos elevados. Ele foi postumamente nomeado secretário do Ministério de Ritos e recebeu o título wenjian. Criança prodígio, Dong foi um orador e estudioso de grande reputação que escreveu inúmeras obras. Entre os seus seguidores estavam muitos autores famosos. Esta obra foi escrita à mão por seu neto, Dong Xiang. A mesma caligrafia pode ser vista no título final do sumário. O original foi impresso por Wang Guozhen em 11 juan e esta edição contém 12 juan, já que Dong Xiang acrescentou um juan ao copiar a obra. O restante da obra contém o texto exato da edição de Wang.

Edição ampliada da coletânea de obras do estúdio Lótus

Esta é uma edição impressa dos escritos de Yang Yikui (prosperou entre 1592 e 1607), possivelmente impressa na província de Zhejiang. Si ku cun mu (Catálogo de livros não incluídos no catálogo geral da coleção Si ku) lista o título original como uma obra em dois juan de uma coleção particular da província de Zhejiang, um composto de poesias e outro de ensaios. Como o título indica, esta é uma edição ampliada em nove juan e em quatro volumes, publicada durante o período Wanli, no qual escritos posteriores de Yang foram adicionados às seleções originais. Poeta e ensaísta, Yang Yikui obteve seu jin shi (doutorado) em 1592 e serviu com distinção em vários cargos, tornando-se um comissário da Comissão de Administração Provincial de Yunnan. O ano do prefácio de uma de suas outras obras, Yi cheng (Registros das regiões de fronteira), é 1615 e esse livro pode ter sido publicado no mesmo lugar e na mesma época. O prefácio foi escrito por Zhang Jiude, um ministro do Ministério de Obras, da dinastia Ming.

Interpretações de princípios astronômicos emitidas pela ordem imperial

Compilada por ordem do imperador Qing Qianlong (reinou entre 1736 e 1795), esta obra de 80 juan, em 32 volumes, nunca foi impressa. Ela possui um guia editorial no início, mas não prefácios ou posfácios. A primeira entrada no guia editorial declara que é necessário ter conhecimento sobre astronomia, alternação do sol e da lua e as cinco constelações, para não ser mal orientado pelos alquimistas e suas alegações sobre desastres e fortunas. Esta declaração sugere que a obra pode ter sido um produto de missionários católicos que desejavam usar a ciência para desafiar a superstição. A redação do texto também pode indicar a autoria de um missionário católico. A razão pela qual a obra nunca foi divulgada ou impressa pode estar relacionada à luta entre os missionários e os alquimistas. Na época do reinado de Kangxi e Yongzheng (1662-1735), os alquimistas chineses lutaram veementemente contra a publicação do Li xiang kao cheng (Compêndio de ciência calendárica e astronomia), um calendário impresso em 1723. O compêndio foi compilado pelos chineses, mas com base em teorias ocidentais e nos métodos e nas tabelas de cálculo dos missionários. Em contra-ataque, os alquimistas publicaram um livro em 1740 sobre ocultismo e geomancia, denominado Xie ji ban fang shu (Tratado sobre os tempos de harmonização e distinção das direções). Os missionários católicos podem ter iniciado esta obra como oposição à publicação anterior.

Levantamento das dinastias legítimas e ilegítimas na história

Esta obra, em quatro juan e quatro volumes, é uma edição manuscrita sem prefácios ou posfácios. O autor, Shen Defu (1578-1642), viveu durante a dinastia Ming. Nativo de Jiaxing, província de Zhejiang, Shen era conhecido principalmente por suas obras literárias. Ele recebeu o grau de ju ren em 1618. No ano seguinte, participou do exame realizado pelo Ministério de Ritos (para o grau de jin shi), mas ele falhou. Shen havia dedicado seu tempo à escrita e sua principal obra, Wanli ye huo bian (Notas diversas sobre as dinastias até o período Wanli), foi concluída durante os anos de 1606-1607. Após o fracasso no exame, ele voltou para casa e compilou este suplemento para sua obra anterior. O suplemento é uma história das dinastias começando com a Jin ocidental (265-316) e terminando com a dinastia Sui (581-618). A obra foi publicada postumamente. Algumas perseguições oficiais a autores na época estavam relacionadas ao tabu sobre os nomes, que proibia falar ou escrever os nomes de pessoas nobres na China, como os imperadores. Visto que esta obra inclui o nome, normalmente tabu, de Kangxi (reinou de 1662-1722), pode-se supor que foi publicado antes do período Kangxi. O título da obra refere-se à teoria historicamente predominante de legitimismo na China, a doutrina do regime da legitimidade com base no mandato do céu, que teve uma profunda influência sobre a historiografia na China antiga.

Resumos sobre a fisionomia de cavalos

Este é um manuscrito em dois volumes de autoria desconhecida. O material originário de uma grande variedade de obras sobre cavalos data de épocas remotas. Ele registra com grande detalhe as formas dos cavalos, que eram frequentemente usadas para julgar a qualidade desse animal. A obra também contém cerca de 100 versos sobre o tratamento de cavalos, escrito em um estilo de canção folclórica, listando as doenças dos equídeos que prevaleciam na época e os remédios. As ilustrações são incluídas no final do segundo volume. O manuscrito data da dinastia Ming e foi provavelmente escrito durante o reinado de Longqing (1567-1572).