Empresário russo conversando com dois trabalhadores tentando consertar um navio de guerra russo

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Esta gravura faz parte da série, Rokoku seibatsu senshō shōwa (A guerra expedicionária contra a Rússia: contos do riso). O ilustrador é Utagawa Kokunimasa, também conhecido como Baidō Bōsai ou Utagawa Kunimasa V (1874-1944). O escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913) fornecia cada ilustração acompanhada de uma descrição bem-humorada. A série zombava dos russos por sua fraqueza militar, vaidade e covardia visíveis. O texto tem trocadilhos durante todo esse jogo de caracteres chineses que indicam significados negativos, tais como morte e sofrimento, ou os nomes dos locais de batalha. Nesta gravura, carpinteiros consertando um navio da marinha russa se ​​queixam que, apesar de seus esforços, os navios serão afundados pelos japoneses de qualquer maneira. Naquele exato momento, eles são surpreendidos pelo som de um tiro de canhão.

Caricatura do exército russo mostrando oficial russo com tropas em formação

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Esta gravura faz parte da série, Rokoku seibatsu senshō shōwa (A guerra expedicionária contra a Rússia: contos do riso). O ilustrador é Utagawa Kokunimasa, também conhecido como Baidō Bōsai ou Utagawa Kunimasa V (1874-1944). O escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913) fornecia cada ilustração acompanhada de uma descrição bem-humorada. A série zombava dos russos por sua fraqueza militar, vaidade e covardia visíveis. Aqui os soldados russos são retratados como famintos, com suas linhas de abastecimento cortadas pelos japoneses. Quando o comandante os repreende pela sua fraqueza, eles respondem que seriam muito gratos se os japoneses atacassem. Assim, poderiam “comer espuma” (tornar-se perturbado) e “comer balas” (ser alvejado), expressões que transmitem o pânico, a confusão e a fome desesperada dos russos.

Um médico e enfermeira russos atendem um homem acamado; um navio de guerra russo substitui sua cabeça

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Esta gravura faz parte da série, Rokoku seibatsu senshō shōwa (A guerra expedicionária contra a Rússia: contos do riso). O ilustrador é Utagawa Kokunimasa, também conhecido como Baidō Bōsai ou Utagawa Kunimasa V (1874-1944). O escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913) fornecia cada ilustração acompanhada de uma descrição bem-humorada. A série zombava dos russos por sua fraqueza militar, vaidade e covardia visíveis. O texto é cheio de trocadilhos que jogam com caracteres chineses que apresentam significado negativo, como a morte e o sofrimento, ou os nomes de locais de batalha. Nesta gravura publicada em 1904, um navio da marinha russa está acamado, sofrendo os efeitos de muitas batalhas com os japoneses, nas quais os russos não tinham nenhuma esperança de vitória.

General Kuropatkin e sua equipe com alegria deixando São Petersburgo para a frente de batalha

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). A série zombava dos russos por sua fraqueza militar, vaidade e covardia visíveis. Esta gravura mostra o general Aleksei Nikolaevich Kuropatkin, Ministro da Guerra Imperial Russa, despedindo-se de duas angustiadas mulheres, sua esposa e sua amante, enquanto sua equipe espera em segundo plano. A esposa e a amante se opõem à sua partida para a frente de batalha e sugerem que ele finja uma doença, já que engana a todos regularmente. O general pede-lhes para esperar por ele assim como ele irá lutar por sua vida. Seus soldados estão cansados ​​de esperar e bocejam.

O czar Nicolau II andando na corda bamba entre três rifles em terra e um navio afundando

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). A série zombava dos russos por sua fraqueza militar, vaidade e covardia visíveis. Esta gravura mostra o governante da Rússia, czar Nicolau II, dançando sobre uma corda bamba entre a terra e o mar. A guerra foi travada tanto em terra como no mar e as forças russas sofreram grandes perdas em ambos os lugares.

O almirante russo tem somente uma perna para se equilibrar

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). A série zombava dos russos por sua fraqueza militar, vaidade e covardia visíveis. Esta gravura mostra um oficial naval russo que fugiu da batalha de Port Arthur, para em seguida ser descoberto e queimado pelos japoneses. Restou apenas o seu pé, que ele admite fazer dele um makemono (fracassado) e não um bakemono (monstro), como os marinheiros japoneses, mostrados aqui rindo dele, já haviam presumido.

Soldado russo em sua montaria, carregando uma espada na mão direita, uma lança na mão esquerda e um rifle posicionado em seu peito com uma corda que se estende do gatilho à boca

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). A série zombava dos russos por sua fraqueza militar, vaidade e covardia visíveis. Esta gravura retrata um soldado cossaco ansioso usando várias armas para protegê-lo por todos os lados. Ele se preocupa em cair de seu cavalo se for atacado por trás.

Kuropatkin brinca de maneira agressiva com seus brinquedos

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). A série zombava dos russos por sua fraqueza militar, vaidade e covardia visíveis. Esta gravura mostra o general Aleksei Nikolaevich Kuropatkin, Ministro da Guerra Imperial Russa, brincando com soldadinhos de brinquedo, enquanto uma mulher sentada no chão assiste. Os militares russos são mostrados encenando uma dança frenética. Porém, com sua fraqueza, os soldados desabam assim que são enviados ao campo de batalha.

Um homem idoso carregando uma bandeira lidera um grupo de cidadãos do sexo masculino em uma procissão noturna

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). A série zombava dos russos por sua fraqueza militar, vaidade e covardia visíveis. Esta gravura mostra os cidadãos russos, depois de sucessivas perdas nas batalhas, realizando uma procissão com lanternas, evento reservado somente às vitórias no Japão. Bandeiras brancas de rendição são levantadas enquanto canções aceitando as próprias fraquezas dos russos são cantadas. Perguntado por que o governo russo está fechando os olhos para isso, um cidadão responde que eles perderam para a poderosa força do povo japonês.

O general Kuropatkin em um local seguro

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). A série zombava dos russos por sua fraqueza militar, vaidade e covardia visíveis. Esta gravura enfatiza o estereótipo de fraqueza e covardia, mostrando o general Aleksei Nikolaevich Kuropatkin, Ministro da Guerra Imperial Russa, preparando-se para os ataques inimigos, armando-se e prendendo a bandeira branca da rendição em suas costas simultaneamente. Quando um soldado japonês chega sorrateiramente por trás, Kuopatkin fica aliviado pelo soldado não detonar a mina que ele havia plantado em frente a si mesmo.