Um soldado russo protesta quando dois soldados japoneses interrompem os preparativos do jantar

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). Nesta gravura, a Rússia é personificada como um vendedor de tempura grosseiro que teve o seu óleo de fritura levado pelo exército japonês. O tempura representa um local de batalha. Esta cena mostra soldados japoneses perfurando o tempura com facilidade, simbolizando a Batalha de Mukden no centro de Manchúria. Esta batalha na verdade terminou com enormes perdas de ambos os lados.

A senhorita Jiuliancheng e o soldado russo (Kyûrenjô no heiki)

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). Esta gravura mostra o exército russo recuando e abandonando Kuren jyō (Senhorita Jiuliancheng), assim que os canhões do exército japonês bombardeiam durante a Batalha do Rio Yalu. Este confronto foi uma das primeiras indicações de que o Japão era capaz de lutar em pé de igualdade com a Rússia.

Raijin, o deus do trovão, assusta os russos e os expulsam de Tokuriji (perto de Nanshan)

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). Esta gravura mostra o exército japonês como Raijin, o deus do trovão, assim como a retirada de soldados russos para fora dos muros da cidade de Tokuriji durante a Batalha de Telissu, 14-15 de junho de 1904.

Kuropatkin é surpreendido no seu jantar por feridos da frente de batalha

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). Esta gravura mostra o general Aleksei Nikolaevich Kuropatkin, Ministro da Guerra Imperial Russa, derrubando a mesa do jantar assim que ele toma conhecimento da derrota da Rússia na Batalha de Tokuriji. Soldados russos feridos com armas de batalha, rifles e postes telegráficos em substituição às suas cabeças e uma locomotiva com os braços agitando uma bandeira branca com uma cruz vermelha aproximam-se pela esquerda. Kuropatkin está consternado com as perdas e pergunta como suas forças podem ser tão fracas. A conversa entre Kuropatkin e os soldados contém um trocadilho com a palavra tokuri (garrafa de saquê).

Um marinheiro japonês, com as próprias mãos, está lutando com dois navios de guerra russo (com braços, pernas e rosto), um terceiro navio foge

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). Esta dupla com frequência personificava armas e navios para ridicularizar e desumanizar o exército russo, contrastando-o com os poderosos exército e marinha do Japão. Nesta gravura, os navios russos são danificados pela marinha japonesa e tentam fugir de volta ao porto de Vladivostok.

Pressão de uma mão pesada

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). A série zombava dos russos por sua fraqueza militar, vaidade e covardia visíveis. Esta gravura retrata a grande mão do exército japonês esmagando Port Arthur, um porto de águas quentes estratégico em Liaodong, península da Manchúria (atual China), em 25 de julho de 1904.

Os sons do choro de um telegrama

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura de folha única burlesca para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). A série zombava dos russos por sua fraqueza militar, vaidade e covardia visíveis. Nesta gravura, um casal russo, provavelmente o czar e a czarina, recebe um telegrama e espera que ele esteja cheio de notícias vitoriosas. Eles vertem lágrimas de desgosto após descobrirem sobre as vitórias sucessivas do exército japonês.

Soldados russos assustados com figuras de brinquedo de soldados japoneses pendurados por cordões

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). Nesta gravura aparecem os soldados russos sendo hostilizados por crianças, que mostram-lhes bonecos de soldados japoneses e se divertem quando os russos entram em pânico e pedem misericórdia.

Soldado russo mostra a bandeira branca claramente ao exército japonês: “Oh, diga, você consegue nos ver?”

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Kobayashi Kiyochika (1847-1915) contribuiu com esta gravura burlesca de uma só folha para a série, Nihon banzai hyakusen hyakushō (Vida longa ao Japão: 100 vitórias, 100 risos). Kiyochika, conhecido por produzir xilogravuras usando métodos de pintura ocidental, estudou por um breve período com Charles Wirgman (1832-1891), um cartunista inglês do Illustrated London News. Kiyochika foi também um cartunista político em tempo integral para uma revista japonesa entre 1882 e 1893. Cada ilustração era acompanhada de uma descrição humorística do escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913). Esta cena mostra um oficial russo e três soldados já rendidos ao ouvir a corneta do exército japonês. Depois de descobrir que a sua bandeira branca está desaparecida, o oficial pinta o seu rosto, a cara de seu cavalo e a bandeira russa de branco para deixar claro suas intenções.

O transporte de tropas pela ferrovia russa e os soldados afundando no gelo partido

A guerra Russo-Japonesa (1904-1905) foi documentada em várias formas de mídia, como xilogravuras, fotografias e ilustrações. As vitórias dos militares japoneses nos primeiros estágios da guerra inspiraram gravuras de propaganda de artistas japoneses. Esta gravura faz parte da série, Rokoku seibatsu senshō shōwa (A guerra expedicionária contra a Rússia: contos do riso). O ilustrador é Utagawa Kokunimasa, também conhecido como Baidō Bōsai ou Utagawa Kunimasa V (1874-1944). O escritor satírico Honekawa Dojin (pseudônimo de Nishimori Takeki, 1862-1913) fornecia cada ilustração acompanhada de uma descrição bem-humorada. A série zombava dos russos por sua fraqueza militar, vaidade e covardia visíveis. O texto tem trocadilhos durante todo esse jogo de caracteres chineses que indicam significados negativos, tais como morte e sofrimento, ou os nomes dos locais de batalha. Aqui dois japoneses refletem que não foi somente a força do exército japonês que venceu as batalhas, mas também a imprudência dos russos ao construir uma estrada de ferro no lago Baikal. Depois de verem um trem afundar, eles consideram resgatar os soldados que estão se afogando, mas os russos estão “com muito medo do Japão para erguerem suas cabeças e também impotentes para alcançar seus braços”.