Suplemento do compêndio de matéria médica

Esta obra é um suplemento do Ben cao gang mu (Compêndio de matéria médica), do século XVI, em forma de manuscrito, de 11 juan, em 20 volumes, compilado por Zhao Xuemin (por volta de 1719-1805), um nativo de Qiantang (atual Hangzhou), província de Zhejiang. O livro é considerado a obra médica mais importante da dinastia Qing. Zhao Xuemin era filho de um médico de renome e tanto ele como seu irmão seguiram os passos de seu pai. Zhao era conhecido como um ávido colecionador de obras médicas, farmacológicas e astrológicas. Ele cultivava ervas, testava as propriedades de várias plantas e operava uma clínica. Esta obra originalmente fazia parte de uma série de 100 volumes, intitulada Liji shi er zhong (Doze séries de Liji), que Zhao completou ao longo de décadas de coleta e organização. A obra foi agrupada em 12 categorias, abrangendo vários temas médicos relacionados com doenças, curas e matéria médica, incluindo a medicina popular. Das 12 categorias, apenas duas ainda existem e estas foram revistas e impressas por Zhang Yingchang no décimo ano do reinado de Tongzhi (1871). O prefácio deste manuscrito indica que o autor levou 40 anos para completar a obra, entre 1765 e 1805, durante os reinados dos imperadores Jiaqing e Qianlong do período Qing. Apesar do lapso de mais de 200 anos desde a publicação de Ben cao gang mu, de Li Shizhen, Zhao tentou preencher algumas lacunas que havia encontrado no compêndio anterior. Ele corrigiu uma série de erros e adicionou mais de 700 medicamentos, sobretudo extraídos da tradição popular. O livro tem um prefácio escrito pelo autor.

Compêndio de matéria médica

Impresso durante o período Wanli, Ben cao gang mu (Compêndio de matéria médica) é uma obra em escala enciclopédica, com 52 juan de texto e dois juan de ilustrações, em 25 volumes. Foi compilada por Li Shizhen (por volta de 1518-1593), um nativo de Sichuan, que foi um dos maiores médicos, farmacologistas e naturalistas da história chinesa. Após servir por apenas um ano no prestigiado Instituto Médico Imperial, Li voltou para casa para trabalhar como médico e começar a escrever este livro. A obra e as suas três revisões levaram 27 anos para serem concluídas. A data exata da publicação é desconhecida. Li coletou o material mediante meticuloso levantamento de centenas de fontes nos anos de 1552-1578. Ele viajou por um longo período e adquiriu experiência em primeira mão com ervas e remédios locais em toda a China, bem como consultou todos os livros de medicina impressos na época. O resultado foi esta obra de grande importância científica, médica e histórica. O compêndio contém informações sobre cerca de 1.800 medicamentos, incluindo variedades desconhecidas, com ilustrações e aproximadamente 11.000 prescrições. Cada erva é descrita por seu tipo, forma, sabor, natureza e método de aplicação. A obra foi reeditada várias vezes durante a dinastia Qing (1644-1911) e desde então. Ela foi traduzida em muitos idiomas e continua sendo considerada a principal ferramenta de referência para a medicina tradicional chinesa. Também estão incluídas discussões sobre temas relacionados como botânica, zoologia, mineralogia e metalurgia. O autor agrupou seu material nas categorias animal, mineral e vegetal. Além disso, possui uma bibliografia de cerca de 900 títulos de livros. A etiqueta indica que este exemplar foi originalmente de propriedade de Fujiyama de Izumo. As correções, escritas em tinta vermelha nas margens superiores, foram feitas pelo estudioso médico japonês, Mori Tatsuyuki. O prefácio, datado de 1590, é de Wang Shizhen (1526-1590), um proeminente intelectual e historiador da dinastia Ming.

Biografia do soberano dragão celestial e imperador de grande virtude

A edição original desta obra foi descrita no catálogo anotado Dao zang mu lu xiang zhu (Catálogo do cânone taoísta com anotações detalhadas) como sendo composta de seis juan. A obra é uma biografia de Lao Zi, tradicionalmente considerado o autor de Dao de jing e fundador do taoísmo. A primeira referência a Lao Zi pode ser encontrada em Shi ji (Os registros do ilustre historiador), pelo historiador chinês Sima Qian (por volta de 145-186 a.C.). Lao Zi era frequentemente considerado um contemporâneo de Confúcio (551-479 a.C.). A longa frase, Tai shang hun yuan shang de huang di (O soberano dragão celestial) foi um título honorífico concedido a Lao Zi pelo imperador Zhenzong (reinou em 998-1022), da dinastia Song. Esta cópia do manuscrito fragmentado Ming consta de dois juan em dois volumes e, provavelmente, é uma cópia originária da biblioteca do príncipe Gaotang da dinastia Ming, já que cada volume tem uma impressão de selo em forma de quadrado da ex libris do príncipe: Gaotang Wang fu tu shu (Biblioteca do palácio do príncipe Gaotang). Neto do Imperador Xianzong (reinou em 1465-1487), o príncipe Gaotang (1514-1583), cujo verdadeiro nome era Zhu Houying, era conhecido como um estudioso do conhecimento enciclopédico, um calígrafo e um colecionador de livros que muitas vezes tinha cópias de livros raros. Esta edição Ming foi copiada de um texto Song. O autor foi Jia Shanxiang, um famoso taoísta, conversador e tocador de cítara da dinastia Song do Norte (960-1127). Algumas de suas obras, entre elas You long zhuan (Biografia de um mestre dragão), podem ser encontradas no Zheng zong dao zang (Cânone taoísta ortodoxo).

O dicionário geográfico de Wanli da prefeitura de Yanping

Durante a dinastia Ming havia três prefeituras ao norte da província de Fujian: Yanping, Jianning e Shaowu. A prefeitura de Yanping (atual Shi Nanping) foi criada em 1369. O funcionário mais graduado era o prefeito, que administrava os municípios, retransmitia as portarias do governo do estado, controlava os tribunais criminais e cobrava os impostos. Durante a dinastia Ming um prefeito tinha um posto de quarto grau na hierarquia oficial. Os prefeitos, muitas vezes, estavam envolvidos na publicação de dicionários geográficos locais. Essas obras continham descrições detalhadas da situação de uma localidade em um determinado período. As informações aprofundadas que elas contêm as tornam importantes fontes para o estudo da história, da geografia, da economia local, da cultura, da língua e dos dialetos, das biografias de pessoas notáveis, bem como da administração do governo local. O compilador principal desta obra foi Yi Kejiu, o prefeito de Yanping, que obteve seu jin shi (doutorado) em 1565 e tornou-se prefeito no início do reinado de Wanli (1573-1620). Os outros quatro compiladores, todos funcionários de sua administração, foram Yang Shujing, Li Jiazhi, Lu Yang e Yao Yinglong. Um título adicionado refere-se à Chong xiu Min zhi cai fang shu (Nova edição dos dicionários geográficos coletados de Fujian). O catálogo de Tian yi ge (A biblioteca do primeiro salão sob o céu) lista esta obra como uma nova edição de 34 juan, reeditada por esta biblioteca.

Genealogia da família Wang

Esta genealogia chinesa impressa consiste em quatro volumes. As obras genealógicas chinesas são registros históricos que documentam a linhagem, os títulos e os eventos relacionados a um clã patriarcal. Uma obra genealógica geralmente era composta por: prefácio, índice, regras de compilação, regras e instruções que deviam ser observadas pelos membros do clã, imagens do templo ancestral, túmulos e retratos, árvores genealógicas e biografias dos membros ilustres do clã. Também eram incluídos os nomes da pessoa ou pessoas responsáveis pela publicação da obra, bem como um posfácio. A inscrição do título indica que o compilador foi Wang Huo, um descendente da 78ª geração de Shaxi, Shexian, província de Anhui. A obra traça a linha de descendência de Wang Han, um descendente do príncipe Yue da dinastia Tang, que era considerado o membro fundador da família Wang e cujos descendentes mais tarde desenvolveram-se e expandiram-se em oito clãs. A obra foi publicada durante o reinado de Wanli, por volta de 1550 e tem um prefácio do autor datado de 1550 e um posfácio de Wang Daokun, um poeta e dramaturgo da época, datado de 1551.

Genealogia da família Liu de Xiuyi Mining

As obras genealógicas chinesas são registros históricos que documentam a linhagem, os títulos e os eventos relacionados a um clã patriarcal. Uma obra genealógica geralmente era composta por: prefácio, índice, regras de compilação, regras e instruções que deviam ser observadas pelos membros do clã, imagens do templo ancestral, túmulos e retratos, árvores genealógicas e biografias dos membros ilustres do clã. Também eram incluídos os nomes da pessoa ou pessoas responsáveis pela publicação da obra, bem como um posfácio. Essas obras complementam a disposição geral de registros históricos e são uma fonte importante para estudos da história e da cultura chinesas. Existem muitas genealogias das famílias Liu no início da história da China e a quantidade publicada teve uma nova alta durante as dinastias Ming e Qing. As primeiras edições existentes são da era Ming, incluindo esta obra, publicada em 1557. A inscrição original indica que a obra foi compilada por Liu Hao, um descendente da 19ª geração e por outros autores. A obra traça uma linha de descendência da família Liu Yu de Mining, que, após obter seu jin shi (doutorado) durante o reinado de Xiantong (860-874) da dinastia Tang, conseguiu uma colocação em Jiangnan, onde se envolveu em assuntos militares. As gerações subsequentes de Liu, durante as dinastias Song, Yuan e Ming, tiveram, em sua maioria, carreiras literárias e políticas. A obra contém diversos escritos feitos por personalidades de renome. Os quatro prefácios foram escritos por Yu Ji (1272-1348), um estudioso e poeta; por Zhu Sheng (1299-1370), um membro da Academia Hanlin e por dois membros da família Liu, Liu Ran e Liu Tang. O posfácio foi escrito pelo próprio autor. Algumas partes desta obra são os únicos escritos existentes desses intelectuais.

Álbum da cidade antiga

Al’bom starogo L’vova (Álbum da cidade antiga), publicado em 1917, é uma coleção de imagens dos principais monumentos históricos de Lviv (na atual Ucrânia Ocidental). O álbum contém imagens dos locais dominantes de cultos, como a Catedral Católica, a Catedral Armênia, a Igreja Dominicana e a Igreja Beneditina. As ilustrações mostram detalhes e cenas das ruas de Lviv, construída nos séculos XVI-XIX. Os detalhes arquitetônicos incluem baixos-relevos, portas entalhadas, encantadoras e curiosas esculturas em pedra e molduras. As pessoas são vistas passeando pelas fontes do mercado com suas lojas e casas atraentes. As ruas mostradas incluem a rue des Arméniens, rue du Tribunal e rue Czacki, com detalhes do interior da maison Sobiéski e a maison Noire. As fotografias tiradas no Museu da Cidade mostram os seus quartos requintados, com um retrato de Estanislau Augusto (rei da Polônia em 1764-1795), outras artes, móveis e porcelanas, fogões de cerâmica para aquecer os quartos e esculturas. O álbum transmite algo do espírito da cidade antiga. O texto introdutório está em russo, com as legendas das fotografias em russo e em francês.

Treze ensaios de Guan Gongming

Esta obra consiste em ensaios e um resumo da  adivinhação Yi supostamente escrita por Lu Guan (208-255), também conhecido como Guan Gongming. Guan Lu foi um famoso praticante de adivinhação durante a era dos Três Reinos (220-265). Ele ficou conhecido por ter sido capaz de diagnosticar as causas de doenças e prever o destino de uma pessoa por meio de leitura da sorte. Uma série de obras creditadas a ele foi listada nas histórias das dinastias Sui e Tang. Esta edição do manuscrito foi publicada durante o período Qianlong (1736-1795) da dinastia Qing. Um posfácio no final do segundo volume indica que a obra foi escrita no quarto ano do reinado de Qianlong (1739). O nome de Guan Lu presumivelmente foi usado para adicionar autenticidade à obra. A inscrição no primeiro volume indica que o texto foi copiado por Chen Dajing, sobre quem não existe qualquer informação. O volume dois, intitulado Bu yi zhai yao (Princípios básicos da adivinhação), possui quatro impressões de selos de Chen Dajing. No texto de congratulações do início da obra, entre os nomes mencionados aparece o de Liu Bowen (1311-1375), um estrategista militar, político e intelectual ativo sob o primeiro imperador Ming, Hongwu (reinou em 1368-1398). Isto sugere que o texto original poderia ter sido escrito durante ou após a metade do período Ming.

Escritos da escola ortodoxa

Wen zhang zheng zong (Escritos da escola ortodoxa) é uma obra incompleta da dinastia Song, consistindo nos juan 4, 10, 13 e 15, as partes sobreviventes de uma compilação originalmente em 24 juan. Trata-se de uma antologia de escritos práticos e registros oficiais. Os artigos foram selecionados com base em padrões políticos, filosóficos e literários do autor, como a ênfase no racionalismo, o uso de anotações corretas, a busca da elegância e o respeito aos antepassados, a ética moral e assim por diante. O autor, Zhen Dexiu (1178-1235), natural de Pucheng, província de Fujian, mudou seu nome de família de Shen para Zhen para evitar usar o mesmo nome do Imperador Xiaozong (reinou em 1163-1189). Zhen Dexiu foi um famoso político e renomado escritor que, juntamente com Wei Liaoweng, foi um dos dois promotores do neoconfucionismo da dinastia Song do Sul (1127-1279). Descendente de Zhu Xi, o fundador do neoconfucionismo, Zhen promoveu o desenvolvimento do neoconfucionismo e expandiu sua influência. Ao combinar as doutrinas do budismo e do taoísmo com o neoconfucionismo e expressar seus pensamentos sobre a melhoria da personalidade e da administração do país, ele adaptou o neoconfucionismo à época e conseguiu transformá-la na filosofia tradicional da dinastia Song. Este livro incorporou a concepção literária do neoconfucionismo e refletiu o principal pensamento literário de sua época, além de influenciar profundamente a literatura chinesa das gerações posteriores. Para esta obra, Zhen selecionou um grande número de documentos oficiais que datam do período das Primaveras e Outonos (770-476 a.C.), que ele anotava como guias para a posteridade. Esses documentos oficiais foram ferramentas importantes na política, que evoluíram ao longo do tempo, com cada vez mais variados tipos e formatos. Zhen considerava os documentos do período das Primaveras e Outonos como simples, diretos e ricos em conteúdo e considerava os éditos imperiais da dinastia Han (206 a.C.-220 d.C.) como breves, simples e impregnados de solidariedade para com as pessoas comuns.

Tratado sobre diagnósticos e tratamentos de órgãos Zang e Fu com ilustrações do corpo humano

Esta edição impressa, em oito juan, com oito juan de suplementos, em seis volumes, foi publicada no ano 34 do reinado de Wanli (1608). A obra possui algumas características da impressão Ming, suas xilogravuras eram cortadas com extremo cuidado e precisão, o tipo de letra em sua maioria era cortado em formato quadrado e a encadernação possuía lombada costurada. O autor da obra original é desconhecido. O prefácio, datado de 1606, escrito por Qian Lei, um médico de Siming (atual Shi Ningbo, província de Zhejiang), da dinastia Ming, indica que ele havia adquirido um livro intitulado Zang fu zheng zhi tu shuo ren jing jing (Tratado sobre diagnósticos e tratamentos de órgãos Zang e Fu com ilustrações do corpo humano) do espólio do médico da corte Wang Zongquan, com quem ele havia praticado medicina. Qian publicou esta edição sob o mesmo título, baseado no livro que ele adquiriu e acrescentou os dois juan de suplementos. A obra trata principalmente dos chamados 12 meridianos regulares e divergentes e dos oito canais extras, da medicina tradicional chinesa, cuja principal função era a de fortalecer a relação exterior-interior dos 12 canais regulares e assim criar laços mais estreitos entre todas as partes do corpo. As entradas no livro, com ilustrações, fornecem explicações sobre os órgãos internos zang (como o coração, os pulmões e o fígado) e fu (como a vesícula biliar e o estômago), as suas funções, os sintomas das doenças e os tratamentos. O prefácio observa que Qian já era idoso na época da impressão do livro, assim, seu filho Qian Xuan e seu neto Qian Shizhong se juntaram a ele na compilação da obra.