11 de agosto de 2011

O Livro das Naturezas

Joseph Simon Assemani (1687–1768), conhecido por seus catálogos de manuscritos orientais do Vaticano e seu trabalho enciclopédico de literatura em siríaco (e árabe cristão), Bibliotheca Orientalis, é, nas palavras do grande orientalista alemão Georg Graf, "para sempre, o orgulho da nação maronita". Este volume contém, em garshuni (idoma árabe escrito em letras siríacas), um manuscrito do trabalho filosófico de Assemani entitilado O Livro das Naturezas (Kitāb al-Ṭabī‘īyāt), dividido em 30 seções (maqālāt). O trabalho é numerado em páginas (e não folhas), mas somente os números ímpares são escritos. Esta cópia do livro foi feita pelo monge Yuwāṣaf (Joasaph, 1690–1737) da vila de Baskinta no Líbano, ligada ao Monastério de São Pedro e Marcelino em Roma.

O Livro do Deleite da Discussão da Jornada Noturna e Ascensão do Profeta Maomé

Este manuscrito do século XVI contém uma das primeiras cópias do trabalho místico de Najm Al-Dīn Muhammad ibn Ahmad Al-Ghayṭī (died 1573) intitulado Kitāb al-ibtihāj bil-kalām ‘alà al-Isrā’ wal-Mi‘rāj (O livro do deleite da discussão sobre a jornada noturna e ascensão do Profeta Maomé). O Islã ensina que na Isrā’ (jornada noturna), Maomé viajou de Meca à Jerusalém em um animal mitológico Burāq e que, nessa mesma noite, ocorreu a Mi‘rāj, ascensão de Maomé aos céus. O autor do trabalho foi um estudioso religioso que viveu no Cairo. A cópia do manuscrito, feita antes da morte do autor original, é especialmente significativa para sua época, tendo sido criada em a.H. 979 (d.C. 1571).

Explicação da Carta de Ibn Zaydūn

Este códice é uma cópia de um comentário em uma carta de Abū al-Walīd Aḥmad Ibn Zaydūn al-Makhzūmī (1003—70), mais conhecido como Ibn Zaydūn, um nobre e poeta que foi ativo na Espanha no tempo da queda do Califado Umayyad em 1031. Ibn Zaydūn foi apanhado no tumulto político da época e enredado em muitos conflitos e rivalidades. O comentário trata de uma carta de Ibn Zaydūn sobre sua rixa com um ministro chamado Ibn ‘Abdūs, que decorria da rivalidade dos dois homens pela afeição de Wallada bint al-Mustakfī (994—1091), uma poetisa muito conhecida e filha do Califa Muḥammad III de Córdoba. O manuscrito é datado de 1250 a.H. (1834 d.C.).

A Explicação Única dos Segredos

O manuscrito contém um traballho em garshuni (língua árabe escrita em texto siríaco) sobre os sacramentos. No início do manuscrito, o trabalho é chamado A Explicação Única dos Segredos (i.e., os sacramentos), mas no colofão o livro é chamado A Casa dos Tesouros dos Segredos. O manuscrito foi copiado por Stephen (Isṭifānūs), um monge do Monastério de Santo Antônio. O colofão menciona a data da finalização do manuscrito como o dia 11 de Tammuz (Julho) de 1740. O trabalho tem inúmeras anotações nas margens, também em garshuni.

A Ciência da Teologia: Livro Três

O manuscrito contém uma tradução em árabe do trabalho teológico em Latim de Jean-Claude (de la Poype) de Vertrieu (1655-1732), Bispo de Poitiers, França. Muito do trabalho está em forma de pergunta e resposta, e a parte incluída aqui discute, entre muitos tópicos, questões de lei e costumes, amor, verdadeira adoração e dúvidas. O texto foi copiado no século XIX por um escriba chamado George, que vivia em Dayr al-Qamar (o Monastério da Lua) no centro-sul do Líbano.

Interpretador de Sonhos Búlgaros, Impresso para a Curiosidades dos Leitores

Publicado em 1844, Interpretador de Sonhos Búlgaros é uma das primeiras publicações astrológicas búlgaras, parte de uma tradição balcânica de trabalhos apócrifos e astrológicos. Tinha a intenção de auxiliar os leitores na interpretação de seus sonhos fornecendo uma lista alfabética dos sonhos e interpretações, O trabalho é anônimo, mas o editor foi Zaharia Carcalechi, um notável jornalista e editor de Bucareste que produziu trabalhos principalmente em romeno, mas que também publicou 12 livros em búlgaro no período entre 1840 e 1850.