11 de agosto de 2011

Imagem do Próspero Estados Unidos

Depois de quase dois séculos de contato externo restrito, o Japão tornou-se cada vez mais exposto à cultura ocidental na década de 1850, conforme os novos acordos comerciais incitavam a interação inter-cultural. O influxo de tecnologia e costumes desconhecidos deu origem à ansiedade, assim como temor entre o povo japonês, cuja curiosidade sobre o mundo externo é evidente nas descrições detalhadas de assuntos estrangeiros por artistas de ukiyo-e (retratos do mundo flutuante). As fontes destas representações não eram apenas relatos de testemunhas oculares, mas também as imagens tomadas de fontes secundárias, tais como gravuras em revistas e jornais ocidentais. Mesmo que o título deste retrato tríptico feito por Utagawa Hiroshige II se refira a uma "América próspera", a arquitetura representada pode ser atribuída a uma ilustração do castelo Fredericksburg (perto de Copenhagen, Dinamarca), na edição de 7 de março de 1860 do Illustrated London News (Notícias ilustradas de Londres). Hiroshige II (por volta de 1842-1894) foi aluno e filho adotivo do grande mestre de paisagem, Utagawa Hiroshige (1797-1858).

O Ator Ichikawa Danzō

O termo ukiyo-e, literalmente "retratos do mundo flutuante" se refere a um gênero de obra de arte japonesa no período Edo (1600-1868). Como a frase "mundo flutuante" sugere, com suas raízes na visão efêmera do Budismo, ukiyo-e capturava a dinâmica fugaz da vida urbana contemporânea. Ao mesmo tempo que eram acessíveis e satisfaziam os gostos das "pessoas comuns", os detalhes artístico e técnico dessas pinturas mostram uma sofisticação notável. Seus temas vão de retratos de cortesãs e atores à literatura clássica. Shunshō (1726-1793) foi um importante artista da escola Katsukawa, que destacou o realismo em vez de representações idealistas ou sonhadoras dos temas tradicionais do ukiyo-e. Ele ajudou a desenvolver o nishiki-e (gravuras coloridas) em 1765, juntamente com o artista Suzuki Harunobu. Shunshō revolucionou particularmente as gravuras de atores em 1770, ao introduzir o nigao-e, retratos de meio-corpo com detalhadas feições faciais, em vez do retrato de corpo inteiro convencional. Esta gravura do ator Ichikawa Danzō é da série Ehon Butai Ōgi (Livro ilustrado de atores em molduras de leques), onde ele demonstrou pela primeira vez este estilo.

O Ator Nakajima Kanzaemon

O termo ukiyo-e, literalmente "retratos do mundo flutuante" se refere a um gênero de obra de arte japonesa no período Edo (1600-1868). Como a frase "mundo flutuante" sugere, com suas raízes na visão efêmera do Budismo, ukiyo-e capturava a dinâmica fugaz da vida urbana contemporânea. Ao mesmo tempo que eram acessíveis e satisfaziam os gostos das "pessoas comuns", os detalhes artístico e técnico dessas pinturas mostram uma sofisticação notável. Seus temas vão de retratos de cortesãs e atores à literatura clássica. Shunshō (1726-93) foi um importante artista da escola Katsukawa, que destacou o realismo em vez de representações idealistas ou sonhadoras dos temas tradicionais do ukiyo-e. Ele ajudou a desenvolver o nishiki-e (gravuras coloridas) em 1765, juntamente com o artista Suzuki Harunobu. Shunshō revolucionou particularmente as gravuras de atores em 1770, ao introduzir o nigao-e, retratos de meio-corpo com detalhadas feições faciais, em vez do retrato de corpo inteiro convencional. Esta gravura do ator Nakajima Kanzaemon é da série Ehon Butai Ōgi (livro ilustrado de atores em molduras de leques), onde ele demonstrou pela primeira vez este estilo.

Sunshū ejiri

O termo ukiyo-e, literalmente "retratos do mundo flutuante" se refere a um gênero de obra de arte japonesa no período Edo (1600-1868). Como a frase "mundo flutuante" sugere, com suas raízes na visão efêmera do Budismo, ukiyo-e capturava a dinâmica fugaz da vida urbana contemporânea. Ao mesmo tempo que eram acessíveis e satisfaziam os gostos das "pessoas comuns", os detalhes artístico e técnico dessas pinturas mostram uma sofisticação notável. Seus temas vão de retratos de cortesãs e atores à literatura clássica. Katsushika Hokusai foi um artista e xilogravurista que contribuiu muito para levar as imagens de paisagem de ukiyo-e ao auge, juntamente com o seu rival Utagawa Hiroshige. Suas paisagens eram mais imaginativas do que naturalistas, representadas com um estilo pessoal dinâmico e observação altamente qualificada da paisagem. Fazendo parte de sua série Fugaku Sanjūrokkei (36 vistas do Monte Fuji), esta imagem contrasta a montanha imponente com uma forte rajada de vento levando embora o Kaishi (papel usado como lenços ou para anotar poemas) e os chapéus dos transeuntes relutantes.

A Superfície da Água do Misaka em Koshu

O termo ukiyo-e, literalmente "retratos do mundo flutuante" se refere a um gênero de obra de arte japonesa no período Edo (1600-1868). Como a frase "mundo flutuante" sugere, com suas raízes na visão efêmera do Budismo, ukiyo-e capturava a dinâmica fugaz da vida urbana contemporânea. Ao mesmo tempo que eram acessíveis e satisfaziam os gostos das "pessoas comuns", os detalhes artístico e técnico dessas pinturas mostram uma sofisticação notável. Seus temas vão de retratos de cortesãs e atores à literatura clássica. Katsushika Hokusai foi um artista e xilogravurista que contribuiu muito para levar as imagens de paisagem de ukiyo-e ao auge, juntamente com o seu rival Utagawa Hiroshige Suas paisagens eram mais imaginativas do que naturalistas, representadas com um estilo pessoal dinâmico e observação altamente qualificada da paisagem. Esta imagem faz parte de sua série Fugaku Sanjurokkei (36 vistas do Monte Fuji), e é um retrato engenhoso de duas estações: enquanto que o cenário em si parece estar no verão, o Monte Fuji refletido em primeiro plano à esquerda do lago está coberto de neve. Além disso, a vista panorâmica da serra não é coerente com o reflexo do Monte Fuji, que só pode ser visto dessa forma, observando-se a partir da lateral do lago.

Sanogawa Ichimatsu III no Papel da Cortesã Onnayo de Gion e Ichikawa Tomieimon no Papel de Kanisaka Tōma

O termo ukiyo-e, literalmente "retratos do mundo flutuante" se refere a um gênero de obra de arte japonesa no período Edo (1600-1868). Como a frase "mundo flutuante" sugere, com suas raízes na visão efêmera do Budismo, ukiyo-e capturava a dinâmica fugaz da vida urbana contemporânea. Ao mesmo tempo que eram acessíveis e satisfaziam os gostos das "pessoas comuns", os detalhes artístico e técnico dessas pinturas mostram uma sofisticação notável. Seus temas vão de retratos de cortesãs e atores à literatura clássica. Esta gravura é uma reprodução moderna de um antigo trabalho de Toshusai Sharaku, um artista que produziu gravuras de atores com um design radical durante um curto período de dez meses em 1794 e 1795. A identidade e a existência de Sharaku permanecem um mistério, pois não há registros relacionados com o resto de sua vida. Ele era único na interpretação honesta de seus modelos, que revelava a interação entre o ator em seu papel como um personagem de ficção e como um indivíduo. A imagem é baseada em um kabuki-kyōgen (peça de comédia) popular. Os dois personagens aparentemente díspares são magistralmente conectados pela oposição, expressada em seus traços faciais, como a linha de rosto, olhos e sobrancelhas. A imagem resultante contrasta o comportamento orgulhoso e glamouroso da cortesã Onnayo com a aparência mesquinha de seu oponente, uma personagem secundária na peça.