15 de julho de 2011

Ponte da Estrada de Ferro, Riga, Rússia (i.e. Letônia)

Esta impressão colorida de uma ponte em Riga, Letônia (naquele tempo parte do Império Russo) é parte da "Vistas da Arquitetura e de Outros Locais, Principalmente na Polônia, Rússia e Ucrânia", do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). Construída em 1871-72, a ponte foi a primeira ponte ferroviária de ferro a cruzar o rio Daugava. O livro de Baedeker Rússia com Teerâ, Porto Artur e Pequim (1914) a descreveu como " uma Ponte em Viga de Ferro... com 800 metros de comprimento, sustentada por oito pilares de granito," que chegava ao subúrbio de Mitau em Riga. Com nove metros de largura, a ponte estava cercada por vigas entrelaçadas. Em ambos os lados havia uma passagem para pedestres e carroças.

Chalé Suíço em Bernese Oberland, Suíça

Esta impressão colorida de um chalé suíço no planalto de Berna é parte do catálogo "Visões da Suíça", da editora Detroit Publishing Company (1905). O estilo de moradia de chalé foi caracterizado por sua arquitetura rústica e de madeira sem pintura que normalmente inclui uma varanda do segundo andar, feitas de placas planas com desenhos recortados. O chalés eram, normalmente, de um andar e meio ou de dois andares e meio. Eles foram projetados para acomodar não somente a família dos agricultores, mas também seus animais de criação, onde eram mantidos no nível térreo do chalé. Estes chalés eram geralmente cercados de árvores para proteger contra avalanches e outras ameaças ambientais.

Lucerna, Hotel du Lac, Pilatus, Suíça

Esta impressão colorida do Hotel du Lac em Lucerna é parte do catálogo "Visões da Suíça", da Detroit Publishing Company (1905). O hotel era situado na margem esquerda do Lago Lucerna, como caracterizou Baedeker em Suíça e porções adjacentes da Itália, Savoy e Tyrol (1913) como "insuperável na Suíça, em grandiosidade e variedade de paisagens." O hotel possuia ao fundo uma cadeia de montanhas, em particular a imponente Pilatus, que Baedeker descreveu como "a majestosa montanha que se eleva a oeste do lago, com Lucena ao sul. . . entre os melhores e mais frequentados pontos de vista da Suíça Central. Suas encostas mais baixas são vestidas com belas pastagens e floresta, enquanto que a parte superior é constituída por despenhadeiros selvagens e serrilhados. "

A Câmara Municipal, Berna, Suíça

Esta impressão colorida da Câmara Municipal é parte de "Visões da Suíça" do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). Em Suíça e as partes adjacentes da Itália, Savoy e Tyrol (1913), Baedeker descreveu o edifício como o "Rathaus ou Salão Cantonal, erguido em 1406-16 no estilo gótico tardio da Borgonha, com uma moderna fachada abordada por degraus cobertos e adornada com as armas dos distritos de Berna." Esta estrutura serve ainda como sede do Grande Conselho cantonal de Berna.

São Galo, de Rosenberg, Suíça

Esta impressão colorida de São Galo (St Gallen) do distrito de Rosenberg é parte de "Visões da Suíça" do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). São Galo é uma cidade montanhosa e histórica, localizada no cantão de mesmo nome, no nordeste da Suíça. Em Suíça e as partes adjacentes da Itália, Savoy e Tyrol (1913), Baedeker informou aos leitores que São Galo era "uma das maiores cidades da Europa, capital do cantão e uma visão episcopal!", e também "uma das principais cidades industriais na Suíça". Foi nomeada em homenagem ao monge irlandês, St. Gallus, que fundou ali uma ermida, no século VII. Este local foi expandido em uma histórica abadia beneditina e biblioteca, que Baedeker descreveu como "um dos lugares mais famosos da aprendizagem na Europa do século 8 ao século 10."

Alpes Wengern, Fazenda de Queijos, Fazendeiro Ordenhando, Bernese Oberland, Suíça

Esta impressão colorida de um fazendeiro em uma fazenda de queijos nos Alpes de Wengen é parte de "Visões da Suíça", do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). Situado no planalto de Berna perto de Wengen na Suíça central, o Alpe Wengern é um prado elevado que no século 19 era uma atração popular, onde os turistas se maravilhavam com a vista. A Alpe Wengern era também um campo de verão para a criação de gado. Os agricultores levavam suas vacas para o pasto e lá as mantinham por cerca de cem dias. Os fazendeiros e seus ajudantes ordenhavam as vacas e faziam queijo.