15 de julho de 2011

Qurʼān (Alcorão)

Este manuscrito do Alcorão do século 19 está em caligrafia Nashki com sinal diacrítico em preto. Nashki foi o estilo caligráfico usado nos mais lindos Alcorões do período, por causa do seu tamanho pequeno e grande delicadeza. As primeiras duas páginas contêm elaboradas iluminuras em verde, azul, e vermelho e ouro no segundo plano. Os títulos dos suras (capítulos) estão em ouro. As bordas estão em ouro, azul e vermelho. O cólofon (nota final) é iluminada em ouro e cores. Provavelmente de origem Persa, este Alcorão foi copiado em Árabe por Kohazadeh Ahmad Rashid Safi e decorado por Adham Gharbaldeh al-Balawi.

A Nova Páscoa Haggadah

A Páscoa, ou Pesach, Haggadah é um dos mais importantes e adorados textos da tradição judaica. No começo da Páscoa, Judeus do mundo todo se reúnem ao redor da mesa para ler o Haggadah, um livro que contém a narrativa tradicional do Êxodo do Egito. "Haggadah" significa recitar ou recontar. Com suas músicas e contos e ênfase no ensinamento das crianças, a antiga estória da Páscoa é o livro de orações judeu mais comumente ilustrado. A Nova Páscoa Haggdah foi criada pelo artista Israelense Asher Kalderon, que na introdução de seu livro evidenciou que ele queria expressar a emoção da família e convidados reunidos para o Sêder. O Sêder é uma cerimônia e um jantar tradicionais que marca o início do festival da Páscoa de oito dias, e celebra a passagem dos Israelitas da escravidão para a liberdade. O Haggdah de Kalderon usa um novo tipo de hebraico e fontes de título especialmente criados para esta edição.

Moriah Haggadah

A Páscoa, ou Pesach, Haggadah é um dos mais importantes e adorados textos da tradição judaica. No começo da Páscoa, Judeus do mundo se reúnem ao redor da mesa para ler o Haggadah, um livro que contém a narrativa tradicional do Êxodo do Egito. "Haggadah" significa recitar ou recontar. Com suas músicas e contos e ênfase no ensinamento das crianças, a antiga estória da Páscoa é o livro de orações judaicas mais comumente ilustrado. O Moriah Haggadah foi criado pelo artista Israelense Avner Moriah, que desenhou seus modelos baseados em pinturas de paredes e figurinos egípcios e assírios do começo das Eras do Bronze e do Ferro, o período no qual a estória da Páscoa original desdobrou-se. Moriah usou uma paleta de azuis, laranjas, e dourados que lembram as paisagens do Oriente Médio. O texto está em hebraico, com caligrafia de Izzy Pludwinski. Um volume separado, em Inglês, contém uma introdução do artista, um comentário de Rabino Shlomo Fox e uma tradução e explicação das imagens.

A Canção de Salomão

Este trabalho é uma edição artística moderna da Canção das Canções bíblica, tradicionalmente atribuída ao Rei Salomão. A Canção das Canções tem sido interpretada de diferentes maneiras, variando de interpretações literais que focam o amor humano entre um homem e uma mulher àquelas que a vêem como uma alegoria divina do amor de Deus pelo povo judaico. Esta edição, do artista israelense Tamar Meser, enfatiza a conexão entre o povo judaico e a Terra de Israel. O texto está em hebraico e em inglês. As ilustrações originais em tela descrevem a flora, fauna e paisagens de Israel antigo. As cores brilhantes e imagens estilizadas são alusivas a vitrais e refletem o que o artista se refere como "a devoção exuberante" do texto. Cada uma das 20 ilustrações é impressa em papel Arches, usando entre 20 e 30 placas de cores por imagem.

O Haftorá de Jonas

Este trabalho é uma edição artística do Livro de João, um dos doze últimos ou menor dos profetas da Bíblia Hebraica. Na tradição Judáica, um haftorá é uma leitura dos profetas, que acontece durante o Sabá, datas festivas e dias santos. Com ênfase no tema arrependimento, o Livro de João se tornou uma parte tradicional das cerimônias na sinagóga no dia mais santificado do calendário Hebreu, Yom Kippur, O Dia da Expiação. Este hatorá foi criado com entalhos originais e um comentário de Mordechai Beck e caligrafia hebraica de David Moss. O livro é feito à mão em papel Abaca produzido para esta edição na Fábrica de Papel Tut-Neyar, Zichron Ya'akov, Israel. O texto foi impresso em uma prensa manual Albion datada de 1886 na Jerusalem Print Workshop.

Via Militar. Fortaleza na Ravina Dariel, Cáucaso, Rússia.

Esta impressão colorida da via militar e fortaleza na Ravina Dariel (ou Garganta) no Cáucaso é parte da "Vistas da Arquitetura e de Outros Locais, Principalmente na Polônia, Rússia e Ucrânia", do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). Em 1799-1863, as forças armadas russas construíram a Rodovia Militar Georgiana de 220 kilômetros através da Passagem Dariel nas acidentadas Montanhas Caucasianas. A estrada se estendia de Vladikavkaz na Rússia até Tbilisi na Georgia Oriental. A Fortaleza de Dariel (ou a Fortaleza de Vladikavkaz) no extremo norte da estrada militar, foi ocnstruída em 1784, logo após a conquista da região pela Rússia.