A Coletânea de Ayrshire: Contendo Algumas Canções Famosas

Robert Burns (1759-1796) é mais conhecido por seus poemas e canções que refletem a herança cultural da Escócia. Ele nasceu em Alloway, Ayrshire, na Escócia, o primogênito dos sete filhos de um fazendeiro arrendatário, William Burnes, e sua esposa, Agnes Broun. Burns tinha pouca educação formal, mas lia literatura inglesa e absorvia as tradicionais canções folclóricas e contos do seu ambiente rural, em sua maioria no dialeto escocês. Ele começou a compor canções em 1774 e publicou seu primeiro livro, Poemas, Principalmente no Dialeto Escocês, em 1786. O trabalho foi um sucesso de crítica, e seus poemas tanto em escocês como em inglês, sobre vários temas, sedimentaram o enorme encanto de Burns. Ao mesmo tempo em que construía sua reputação literária, Burns trabalhava como fazendeiro e, em 1788, ele foi nomeado fiscal de imposto de consumo, em Ellisland. Ele passou os últimos 12 anos de sua vida coletando e editando canções folclóricas escocesas, que incluíam, entre outras, O Museu Musical Escocês e Uma Coleção Selecionada de Canções para Voz em Escocês de Airs Original. Burns contribuiu com centenas de canções escocesas para estas antologias, muitas vezes reescrevendo as letras tradicionais e adaptando-as em músicas novas ou revistas. Os trabalhos de Burns foram amplamente distribuídos em folhetos por toda a Escócia e muito além. Estes folhetos de oito páginas, pequenos e baratos, eram, muitas vezes, ilustrados com xilogravuras e impressos em papel grosseiro. Os folhetos (Chapbooks) (chamados de antologias [garlands], se incluíssem canções), eram uma forma popular de diversão no século XVIII e início do século XIX, e o modo principal pelo qual as pessoas comuns travavam conhecimento com canções e poesias. Esses eram distribuídos por "chapmen", vendedores ambulantes que vendiam os livros nos mercados e de porta em porta nas zonas rurais. Muitas vezes os folhetos incluíam poemas de vários autores, e esses não eram identificados. Este livro, da Coleção G. Ross Roy, da Universidade da Carolina do Sul, inclui "As Margens do Devon", de Burns.

Sete Canções Selecionadas: Willie Fez Nove Litros de Cerveja; Esta Não é a Minha Garota; Willie Wastle; O Dia Renasce; Um Viva Para a Moça que Tem um Dote; Ontem Fui por um Caminho Horrível; Eu Tinha Uma Esposa Só Minha

Robert Burns (1759-1796) é mais conhecido por seus poemas e canções que refletem a herança cultural da Escócia. Ele nasceu em Alloway, Ayrshire, na Escócia, o primogênito dos sete filhos de um fazendeiro arrendatário, William Burnes, e sua esposa, Agnes Broun. Burns tinha pouca educação formal, mas lia literatura inglesa e absorvia as tradicionais canções folclóricas e contos do seu ambiente rural, em sua maioria no dialeto escocês. Ele começou a compor canções em 1774 e publicou seu primeiro livro, Poemas, Principalmente no Dialeto Escocês , em 1786. O trabalho foi um sucesso de crítica, e seus poemas tanto em escocês como em inglês, sobre vários temas, sedimentaram o enorme encanto de Burns. Ao mesmo tempo em que construía sua reputação literária, Burns trabalhava como fazendeiro e, em 1788, ele foi nomeado fiscal de imposto de consumo, em Ellisland. Ele passou os últimos 12 anos de sua vida coletando e editando canções folclóricas escocesas, que incluíam, entre outras, O Museu Musical Escocês e Uma Coleção Selecionada de Canções para Voz em Escocês de Airs Original. Burns contribuiu com centenas de canções escocesas para estas antologias, muitas vezes reescrevendo as letras tradicionais e adaptando-as em músicas novas ou revistas. As obras de Burn foram amplamente distribuídas em folhetos por toda a Escócia e muito além. Estes folhetos de oito páginas, pequenos e baratos, eram, muitas vezes, ilustrados com xilogravuras e impressos em papel grosseiro. Os folhetos (Chapbooks) (chamados de antologias [garlands], se incluíssem canções), eram uma forma popular de diversão no século XVIII e início do século XIX, e o modo principal pelo qual as pessoas comuns travavam conhecimento com canções e poesias. Esses eram distribuídos por "chapmen", vendedores ambulantes que vendiam os livros nos mercados e de porta em porta nas zonas rurais. Muitas vezes os livretos incluíam poemas de vários autores, e esses não eram identificados. Todas as músicas neste livro, da Coleção G. Ross Roy, na Universidade da Carolina do Sul, foram compostas por Burns.

Canções Selecionadas: O Castelo de Roslin, & A Resposta; Inverno Sombrio; As Colinas de Gleniffer; Cortejar é a última coisa que Um Bravo Faz; Minha Nannie está Viajando; A Donzela de Arranteenie

Robert Burns (1759-1796) é mais conhecido por seus poemas e canções que refletem a herança cultural da Escócia. Ele nasceu em Alloway, Ayrshire, na Escócia, o primogênito dos sete filhos de um fazendeiro arrendatário, William Burnes, e sua esposa, Agnes Broun. Burns tinha pouca educação formal, mas lia literatura inglesa e absorvia as tradicionais canções folclóricas e contos do seu ambiente rural, em sua maioria no dialeto escocês. Ele começou a compor canções em 1774 e publicou seu primeiro livro, Poemas, Principalmente no Dialeto Escocês , em 1786. O trabalho foi um sucesso de crítica, e seus poemas tanto em escocês como em inglês, sobre vários temas, sedimentaram o enorme encanto de Burns. Ao mesmo tempo em que construía sua reputação literária, Burns trabalhava como fazendeiro e, em 1788, ele foi nomeado fiscal de imposto de consumo em Ellisland. Ele passou os últimos 12 anos de sua vida coletando e editando canções folclóricas escocesas, que incluíam, entre outras, O Museu Musical Escocês e Uma Coleção Selecionada de Canções para Voz em Escocês de Airs Original. Burns contribuiu com centenas de canções escocesas para estas antologias, muitas vezes reescrevendo as letras tradicionais e adaptando-as em músicas novas ou revistas. As obras de Burn foram amplamente distribuídas em folhetos por toda a Escócia e muito além. Estes folhetos de oito páginas, pequenos e baratos, eram, muitas vezes, ilustrados com xilogravuras e impressos em papel grosseiro. Os folhetos (Chapbooks) (chamados de antologias [garlands], se incluíssem canções), eram uma forma popular de diversão no século XVIII e início do século XIX, e o modo principal pelo qual as pessoas comuns travavam conhecimento com canções e poesias. Esses eram distribuídos por "chapmen", vendedores ambulantes que vendiam os livros nos mercados e de porta em porta nas zonas rurais. Muitas vezes os folhetos incluíam poemas de vários autores, e esses não eram identificados. Este livro, da Coleção G. Ross Roy, na Universidade da Carolina do Sul, inclui "Cortejar é a última coisa que Um Bravo Faz" e "Minha Nannie está Viajando", de Burns.

Seis excelentes canções: Farewell; Drucken Jenny Din; The Gallant Weaver; John Anderson My Jo; The Nightingale; Scotland's Hills For Me

Robert Burns (1759-1796) é mais conhecido por seus poemas e canções que refletem a herança cultural da Escócia. Ele nasceu em Alloway, Ayrshire, na Escócia, o primogênito dos sete filhos de um fazendeiro arrendatário, William Burnes, e sua esposa, Agnes Broun. Burns teve pouca educação formal, mas lia a literatura inglesa e absorvia as tradicionais canções folclóricas e contos do seu ambiente rural, em sua maioria no dialeto escocês. Ele começou a compor canções em 1774 e publicou seu primeiro livro, Poemas, Principalmente no Dialeto Escocês, em 1786. O trabalho foi um sucesso de crítica, e seus poemas tanto em escocês como em inglês, sobre vários temas, sedimentaram o enorme encanto de Burns. Ao mesmo tempo em que construía sua reputação literária, Burns trabalhava como fazendeiro e, em 1788, ele foi nomeado fiscal de imposto de consumo, em Ellisland Ele passou os últimos 12 anos de sua vida coletando e editando canções folclóricas escocesas, que incluíam O Museu Musical Escocês e Uma Coleção Selecionada de Canções para Voz Originais Escocesas. Burns contribuiu com centenas de canções escocesas para estas antologias, muitas vezes reescrevendo as letras tradicionais e adaptando-as em músicas novas ou revistas. Os trabalhos de Burns foram amplamente distribuídos em folhetos por toda a Escócia e muito além. Estes folhetos de oito páginas, pequenos e baratos, eram, muitas vezes, ilustrados com xilogravuras e impressos em papel grosseiro Os folhetos (Chapbooks) (chamados de antologias [garlands], se incluíssem canções), eram uma forma popular de diversão no século XVIII e início do século XIX, e o modo principal pelo qual as pessoas comuns travavam conhecimento com canções e poesias. Esses eram distribuídos por "chapmen", vendedores ambulantes que vendiam os livros nos mercados e de porta em porta nas zonas rurais. Muitas vezes os folhetos incluíam poemas de vários autores, e esses não eram identificados. Este livro, da Coleção G. Ross Roy na Universidade da Carolina do Sul, inclui "The Gallant Weaver" e "John Anderson My Jo" de Burns.

- Sondando as Águas; Molhado até o Capacete; A Donzela de Arranteenie; Frio Sopra o Vento; Queridíssima Ellen; Do Abrunheiro de Flores Brancas

Robert Burns (1759-1796) é mais conhecido por seus poemas e canções que refletem a herança cultural da Escócia. Ele nasceu em Alloway, Ayrshire, na Escócia, o primogênito dos sete filhos de um fazendeiro arrendatário, William Burnes, e sua esposa, Agnes Broun. Burns tinha pouca educação formal, mas lia literatura inglesa e absorvia as tradicionais canções folclóricas e contos do seu ambiente rural, em sua maioria no dialeto escocês. Ele começou a compor canções em 1774 e publicou seu primeiro livro, Poemas, Principalmente no Dialeto Escocês , em 1786. O trabalho foi um sucesso de crítica, e seus poemas tanto em escocês como em inglês, sobre vários temas, sedimentaram o enorme encanto de Burns. Ao mesmo tempo em que construía sua reputação literária, Burns trabalhava como fazendeiro e, em 1788, ele foi nomeado fiscal de imposto de consumo, em Ellisland. Ele passou os últimos 12 anos de sua vida coletando e editando canções folclóricas escocesas, que incluíam, entre outras, O Museu Musical Escocês e Uma Coleção Selecionada de Canções para Voz em Escocês de Airs Original Burns contribuiu com centenas de canções escocesas para estas antologias, muitas vezes reescrevendo as letras tradicionais e adaptando-as em músicas novas ou revistas. As obras de Burn foram amplamente distribuídas em folhetos por toda a Escócia e muito além. Estes folhetos de oito páginas, pequenos e baratos, eram, muitas vezes, ilustrados com xilogravuras e impressos em papel grosseiro. Os folhetos (Chapbooks) (chamados de antologias [garlands], se incluíssem canções), eram uma forma popular de diversão no século XVIII e início do século XIX, e o modo principal pelo qual as pessoas comuns travavam conhecimento com canções e poesias. Esses eram distribuídos por "chapmen", vendedores ambulantes que vendiam os livros nos mercados e de porta em porta nas zonas rurais. Muitas vezes os folhetos incluíam poemas de vários autores, e esses não eram identificados. Este livro, da Coleção G. Ross Roy, na Universidade da Carolina do Sul, inclui "Do Abrunheiro de Flores Brancas", de Burns.

Seis Canções Populares: Caminhando Pelo Campo de Centeio; Diga-me, Coração, Porque Bates Tão Loucamente; Quando Eu Era um Bebê; Jackie Vai ao Mercado; Katty de Lynch; Havia um Moleiro Feliz

Robert Burns (1759-1796) é mais conhecido por seus poemas e canções que refletem a herança cultural da Escócia. Ele nasceu em Alloway, Ayrshire, na Escócia, o primogênito dos sete filhos de um fazendeiro arrendatário, William Burnes, e sua esposa, Agnes Broun. Burns tinha pouca educação formal, mas lia literatura inglesa e absorvia as tradicionais canções folclóricas e contos do seu ambiente rural, em sua maioria no dialeto escocês. Ele começou a compor canções em 1774 e publicou seu primeiro livro, Poemas, Principalmente no Dialeto Escocês , em 1786. O trabalho foi um sucesso de crítica, e seus poemas tanto em escocês como em inglês, sobre vários temas, sedimentaram o enorme encanto de Burns. Ao mesmo tempo em que construía sua reputação literária, Burns trabalhava como fazendeiro e, em 1788, ele foi nomeado fiscal de imposto de consumo, em Ellisland. Ele passou os últimos 12 anos de sua vida coletando e editando canções folclóricas escocesas, que incluíam, entre outras, O Museu Musical Escocês e Uma Coleção Selecionada de Canções para Voz em Escocês de Airs Original Burns contribuiu com centenas de canções escocesas para estas antologias, muitas vezes reescrevendo as letras tradicionais e adaptando-as em músicas novas ou revistas. As obras de Burn foram amplamente distribuídas em folhetos por toda a Escócia e muito além. Estes folhetos de oito páginas, pequenos e baratos, eram, muitas vezes, ilustrados com xilogravuras e impressos em papel grosseiro. Os folhetos (Chapbooks) (chamados de antologias [garlands], se incluíssem canções), eram uma forma popular de diversão no século XVIII e início do século XIX, e o modo principal pelo qual as pessoas comuns travavam conhecimento com canções e poesias. Esses eram distribuídos por "chapmen", vendedores ambulantes que vendiam os livros nos mercados e de porta em porta nas zonas rurais. Muitas vezes os folhetos incluíam poemas de vários autores, e esses não eram identificados. Este livro, da Coleção G. Ross Roy, da Universidade da Carolina do Sul, inclui "Caminhando Pelo Campo de Centeio", de Burns.

O Castelo de Roslin; Jackie vai ao Mercado; À Mary no Paraíso; Sorte; Duncan Gray

Robert Burns (1759-1796) é mais conhecido por seus poemas e canções que refletem a herança cultural da Escócia. Ele nasceu em Alloway, Ayrshire, na Escócia, o primogênito dos sete filhos de um fazendeiro arrendatário, William Burnes, e sua esposa, Agnes Broun. Burns tinha pouca educação formal, mas lia literatura inglesa e absorvia as tradicionais canções folclóricas e contos do seu ambiente rural, em sua maioria no dialeto escocês. Ele começou a compor canções em 1774 e publicou seu primeiro livro, Poemas, Principalmente no Dialeto Escocês , em 1786. O trabalho foi um sucesso de crítica, e seus poemas tanto em escocês como em inglês, sobre vários temas, sedimentaram o enorme encanto de Burns. Ao mesmo tempo em que construía sua reputação literária, Burns trabalhava como fazendeiro e, em 1788, ele foi nomeado fiscal de imposto de consumo, em Ellisland. Ele passou os últimos 12 anos de sua vida coletando e editando canções folclóricas escocesas, que incluíam, entre outras, O Museu Musical Escocês e Uma Coleção Selecionada de Canções para Voz em Escocês de Airs Original Burns contribuiu com centenas de canções escocesas para estas antologias, muitas vezes reescrevendo as letras tradicionais e adaptando-as em músicas novas ou revistas. As obras de Burn foram amplamente distribuídas em folhetos por toda a Escócia e muito além. Estes folhetos de oito páginas, pequenos e baratos, eram, muitas vezes, ilustrados com xilogravuras e impressos em papel grosseiro. Os folhetos (Chapbooks) (chamados de antologias [garlands], se incluíssem canções), eram uma forma popular de diversão no século XVIII e início do século XIX, e o modo principal pelo qual as pessoas comuns travavam conhecimento com canções e poesias. Esses eram distribuídos por "chapmen", vendedores ambulantes que vendiam os livros nos mercados e de porta em porta nas zonas rurais. Muitas vezes os folhetos incluíam poemas de vários autores, e esses não eram identificados. Este livro, da Coleção G. Ross Roy, da Universidade da Carolina do Sul, inclui "À Mary, no Paraíso" e "Duncan Gray", de Burns.

Minha Linda Mary; Aconteceu na Primeira Noite de Agosto; A Mente das Mulheres; Ontem à Noite Bebi Meio Litro de Vinho; Nada Mais que Cuidado em Cada Mão; As Margens e as Colinas

Robert Burns (1759-1796) é mais conhecido por seus poemas e canções que refletem a herança cultural da Escócia. Ele nasceu em Alloway, Ayrshire, na Escócia, o primogênito dos sete filhos de um fazendeiro arrendatário, William Burnes, e sua esposa, Agnes Broun. Burns tinha pouca educação formal, mas lia literatura inglesa e absorvia as tradicionais canções folclóricas e contos do seu ambiente rural, em sua maioria no dialeto escocês. Ele começou a compor canções em 1774 e publicou seu primeiro livro, Poemas, Principalmente no Dialeto Escocês , em 1786. O trabalho foi um sucesso de crítica, e seus poemas tanto em escocês como em inglês, sobre vários temas, sedimentaram o enorme encanto de Burns. Ao mesmo tempo em que construía sua reputação literária, Burns trabalhava como fazendeiro e, em 1788, ele foi nomeado fiscal de imposto de consumo, em Ellisland. Ele passou os últimos 12 anos de sua vida coletando e editando canções folclóricas escocesas, que incluíam, entre outras, O Museu Musical Escocês e Uma Coleção Selecionada de Canções para Voz em Escocês de Airs Original Burns contribuiu com centenas de canções escocesas para estas antologias, muitas vezes reescrevendo as letras tradicionais e adaptando-as em músicas novas ou revistas. As obras de Burn foram amplamente distribuídas em folhetos por toda a Escócia e muito além. Estes folhetos de oito páginas, pequenos e baratos, eram, muitas vezes, ilustrados com xilogravuras e impressos em papel grosseiro. Os folhetos (Chapbooks) (chamados de antologias [garlands], se incluíssem canções), eram uma forma popular de diversão no século XVIII e início do século XIX, e o modo principal pelo qual as pessoas comuns travavam conhecimento com canções e poesias. Esses eram distribuídos por "chapmen", vendedores ambulantes que vendiam os livros nos mercados e de porta em porta nas zonas rurais. Muitas vezes os folhetos incluíam poemas de vários autores, e esses não eram identificados. Este livro, da Coleção G. Ross Roy, na Universidade da Carolina do Sul, inclui "Minha Linda Mary", "A Mente das Mulheres" e "As Margens e as Colinas", de Burns.

O Irlandês Maníaco: E Mais, Bem-vindo, Real Charley; Mary Morrison; e Que o Diabo Carregue o Coletor de Impostos

Robert Burns (1759-1796) é mais conhecido por seus poemas e canções que refletem a herança cultural da Escócia. Ele nasceu em Alloway, Ayrshire, na Escócia, o primogênito dos sete filhos de um fazendeiro arrendatário, William Burnes, e sua esposa, Agnes Broun. Burns tinha pouca educação formal, mas lia literatura inglesa e absorvia as tradicionais canções folclóricas e contos do seu ambiente rural, em sua maioria no dialeto escocês. Ele começou a compor canções em 1774 e publicou seu primeiro livro, Poemas, Principalmente no Dialeto Escocês , em 1786. O trabalho foi um sucesso de crítica e seus poemas, tanto em escocês como em inglês, sobre vários temas, sedimentaram o enorme encanto de Burns. Ao mesmo tempo em que construía sua reputação literária, Burns trabalhava como fazendeiro e, em 1788, ele foi nomeado fiscal de imposto de consumo, em Ellisland. Ele passou os últimos 12 anos de sua vida coletando e editando canções folclóricas escocesas, que incluíam, entre outras, O Museu Musical Escocês e Uma Coleção Selecionada de Canções para Voz em Escocês de Airs Original Burns contribuiu com centenas de canções escocesas para estas antologias, muitas vezes reescrevendo as letras tradicionais e adaptando-as em músicas novas ou revistas. As obras de Burn foram amplamente distribuídas em folhetos por toda a Escócia e muito além. Estes folhetos de oito páginas, pequenos e baratos, eram, muitas vezes, ilustrados com xilogravuras e impressos em papel grosseiro. Os folhetos (Chapbooks) (chamados de antologias [garlands], se incluíssem canções), eram uma forma popular de diversão no século XVIII e início do século XIX, e o modo principal pelo qual as pessoas comuns travavam conhecimento com canções e poesias. Esses eram distribuídos por "chapmen", vendedores ambulantes que vendiam os livros nos mercados e de porta em porta nas zonas rurais. Muitas vezes os folhetos incluíam poemas de vários autores, e esses não eram identificados. Este llivro, da Coleção G. Ross Roy, na Universidade da Carolina do Sul, inclui "Mary Morrison", de Burns.

Quatro Contos Engraçados: A Igreja de Alloway ou Tam de Shanter; Watty and Meg ou A Esposa Reformada; O Pacote Perdido; e O Monge e a Mulher do Moleiro

Robert Burns (1759-1796) é mais conhecido por seus poemas e canções que refletem a herança cultural da Escócia. Ele nasceu em Alloway, Ayrshire, na Escócia, o primogênito dos sete filhos de um fazendeiro arrendatário, William Burnes, e sua esposa, Agnes Broun. Burns tinha pouca educação formal, mas lia literatura inglesa e absorvia as tradicionais canções folclóricas e contos do seu ambiente rural, em sua maioria no dialeto escocês. Ele começou a compor canções em 1774 e publicou seu primeiro livro, Poemas, Principalmente no Dialeto Escocês , em 1786. O trabalho foi um sucesso de crítica e seus poemas, tanto em escocês como em inglês, sobre vários temas, sedimentaram o enorme encanto de Burns. Ao mesmo tempo em que construía sua reputação literária, Burns trabalhava como fazendeiro e, em 1788, ele foi nomeado fiscal de imposto de consumo, em Ellisland. Ele passou os últimos 12 anos de sua vida coletando e editando canções folclóricas escocesas, que incluíam, entre outras, O Museu Musical Escocês e Uma Coleção Selecionada de Canções para Voz em Escocês de Airs Original Burns contribuiu com centenas de canções escocesas para estas antologias, muitas vezes reescrevendo as letras tradicionais e adaptando-as em músicas novas ou revistas. As obras de Burn foram amplamente distribuídas em folhetos por toda a Escócia e muito além. Estes folhetos de oito páginas, pequenos e baratos, eram, muitas vezes, ilustrados com xilogravuras e impressos em papel grosseiro. Os folhetos (Chapbooks) (chamados de antologias [garlands], se incluíssem canções), eram uma forma popular de diversão no século XVIII e início do século XIX, e o modo principal pelo qual as pessoas comuns travavam conhecimento com canções e poesias. Esses eram distribuídos por "chapmen", vendedores ambulantes que vendiam os livros nos mercados e de porta em porta nas zonas rurais. Muitas vezes os folhetos incluíam poemas de vários autores, e esses não eram identificados. Este livro, da Coleção G. Ross Roy, na Universidade da Carolina do Sul, inclui "A Igreja de Alloway ou Tam de Shanter", de Burns. Os outros poetas representados são Allan Ramsay e Alexander Wilson.