O Largo Iljinka, (i.e., Il'inka), Moscou, Rússia

Esta impressão fotocrômica do Largo Ilinka, em Moscou, é parte de "Vistas da Arquitetura e de Outros Locais, Principalmente na Polônia, Rússia e Ucrânia", do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). O Largo Ilinka está localizado no Kitai-Gorod, uma área perto da Praça Vermelha. Conforme descrito em Rússia com Teerã, Port Arthur e Pequim (1914), de Baedeker, "[a] rua central e principal de Kitai-Gorod, quase exclusivamente ocupada por lojas atacadistas e bancos, é chamada de Ilyinka." Kitai-Gorod foi um dos centros comerciais de Moscou, como evidenciado pela construção de muitos bancos e lojas durante o século XIX. O monumento no centro do Largo Ilinka é um monumento aos soldados russos mortos em combate na Batalha de Plevna (1877), que ocorreu durante a Guerra Russo-Otomana de 1877-78. Projetado pelo arquiteto russo Vladimir Osipovich Shervud (1833-1897), o monumento foi erguido em 1887.

Monumento de Catarina II, São Petersburgo, Rússia

Esta impressão fotocrômica do monumento de Catarina II, em São Petersburgo, é parte de "Vistas da Arquitetura e de Outros Locais, Principalmente na Polônia, Rússia e Ucrânia", do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). A Imperatriz Catarina II, também conhecida como Catarina, a Grande, governou a Rússia de 1762 a 1796. Ela era muito admirada, particularmente pela nobreza russa, que se beneficiou das reformas que ela instituiu. O monumento, erguido em 1873, fica em uma praça logo após a rua principal de São Petersburgo, a Nevsky Prospekt. Foi projetado por Mikhail Osipovich Mikeshin (1835-1896) e Alexander Mikhailovich Opekushin (1838-1923). Conforme descrito em Rússia com Teerã, Port Arthur e Pequim (1914), de Baedeker, "uma base de granito avermelhado sustenta um pedestal em forma de sino, que serve de apoio à uma figura da Imperatriz, de 4 metros de altura, vestida com um manto de arminho e segurando o cetro imperial na mão direita e a grinalda na mão esquerda. Ao redor do pedestal estão nove figuras de bronze colossais, de célebres contemporâneos da Imperatriz". Estes "célebres contemporâneos" incluem o General Alexander Suvorov, o político Príncipe Potiomkin, Ekaterina Dashkova, a primeira mulher a presidir a Academia Russa de Ciências, e o célebre poeta Gavrila Derzhavin.

Peterhof visto do Castelo, São Petersburgo, Rússia

Esta impressão fotocrômica do palácio de Peterhof, em São Petersburgo, é parte de "Vistas da Arquitetura e de Outros Locais, Principalmente na Polônia, Rússia e Ucrânia", do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). Baseado em um projeto do arquiteto francês Alexandre Jean-Baptiste LeBlond (1679-1719), Peterhof é considerado como o Versailles russo. Foi construído por Pedro, o Grande (1672-1725) como residência de verão. Situado na margem da Baía de Neva (ou Golfo de Kronstadt), o palácio oferece uma vista de Kronstadt, a cidade e a fortificação fundada por Pedro, em 1703. Vê-se, aqui, a Fonte de Sansão, um trabalho do escultor russo Mikhail Kozlovski (1753-1802). Conforme descrito em Rússia com Teerã, Port Arthur e Pequim (1914), de Baedeker, a principal característica da fonte "consiste em uma figura de Sansão, em bronze folheado a ouro. . . forçando a abertura das mandíbulas de um leão, da qual um jato de água, tão grosso como o braço de um homem, é jogado a uma altura de 20 metros. As cascatas são ladeadas por cerca de 45 estatuetas douradas, vasos e similares. O espaço entre o palácio e a praia, 300 metros de largura, está organizado como um parque. Os caminhos à beira do canal são circundados por altos pinheiros, entremeados por 22 fontes (11 de cada lado). "

A Catedral de Santo Isaac, vista do Jardim de Alexandre, São Petersburgo, Rússia

Esta impressão fotocrômica da Catedral de Santo Isaac, em São Petersburgo, é parte de "Vistas da Arquitetura e de Outros Locais, Principalmente na Polônia, Rússia e Ucrânia", do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). Com o nome de Santo Isaac, o suposto santo padroeiro de Pedro, o Grande (1672-1725), a catedral foi encomendada por Alexandre I (1777-1825) e foi construída entre 1819 e 1858, sob a direção do arquiteto francês Richard de Montferrand ( 1786-1858). É a maior catedral na Rússia. De acordo com Rússia com Teerã, Port Arthur e Pequim (1914), de Baedeker: "A catedral, construída em granito e mármore, com uma desconsideração exorbitante quanto aos custos, tem a forma de uma cruz com 11 metros de comprimento e 96 metros de largura. . . . As portas são acessadas através de largos degraus de granito." A cúpula dourada, "visível a grande distância", requereu mais de 100 kg de ouro para ser concluída.

Catedral Kasan, São Petersburgo, Rússia

Esta impressão fotocrômica da Catedral Kazan, também conhecida como a Catedral de Nossa Senhora de Kazan, em São Petersburgo, é parte de "Vistas da Arquitetura e de Outros Locais, Principalmente na Polônia, Rússia e Ucrânia", do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). A catedral leva o nome de Nossa Senhora de Kazan, o ícone mais venerado da Igreja Ortodoxa Russa, e foi projetada pelo arquiteto russo Andrey Voronikhin (1759-1814). De acordo com a Rússia com Teerã, Port Arthur e Pequim (1914), de Baedeker, a catedral é "acessada por uma colunata semicircular de 136 colunas coríntias, copiada da catedral de São Pedro, em Roma. A igreja, erigida em 1801-11. . . . a um custo de 4 milhões de rublos, tem a forma de uma cruz, com 72 metros de comprimento e 55 metros de largura. É encimada por uma cúpula de metal de 20 metros de diâmetro, cuja parede circular é adornada com 16 pilastras. A altura total até o alto da cruz é de 79 metros. . . . As portas de bronze da entrada principal são cópias das portas do Batistério de Florença".

Pedro, O Grande, Largo de, São Petersburgo, Rússia

Esta impressão fotocrômica do Largo de Pedro, o Grande, em São Petersburgo, é parte de "Vistas da Arquitetura e de Outros Locais, Principalmente na Polônia, Rússia e Ucrânia", do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). A estátua, que fica ao lado do Rio Neva, bem antes da Catedral de São Isaac (visível ao fundo), é famosa como o "Cavaleiro de Bronze", do poema narrativo de Alexander Pushkin, de 1833. A estátua foi encomendada por Catarina II (1762-1796) para homenagear Pedro I. Um modelo foi feito pelo escultor francês Etienne Maurice Falconet (1716-1791) em 1769. A fundição da estátua começou em 1775 e foi concluída em 1782. A estátua fica em um enorme bloco de granito, medindo 14 metros de comprimento, seis metros de largura e cinco metros de altura. A Rússia com Teerã, Port Arthur e Pequim (1914), de Baedeker, observava: "A o Oeste do Almirantado fica a Praça Pedro, com canteiros de flores, e (próximo ao Neva)a famosa estátua equestre de Pedro, o Grande. A czar, cavalgando em uma inclinação rochosa, tem o rosto virado para o Neva, e aponta, com a mão direita, em direção ao local de seus trabalhos".

A Newsky, (i.e., Nevskii), Prospekt e o Almirantado, São Petersburgo, Rússia

Esta impressão fotocrômicaica da Nevsky Prospect e o Almirantado, em São Petersburgo, é parte de "Vistas da Arquitetura e de Outros Locais, Principalmente na Polônia, Rússia e Ucrânia", do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). Em seu romance, Nevsky Prospect, Gogol escreveu sobre a rua, "entre nela e você entra em um parque de diversões". Com o nome de Alexander Nevsky (1220-1263), o herói do século XIII que levou os exércitos russos à vitória sobre os alemães e os invasores suecos, Nevsky Prospekt foi planejada por Pedro, o Grande (1672-1725), e projetada pelo arquiteto francês Alexandre Jean Baptiste Leblond (1679-1719). Vai do Almirantado (visível nesta fotografia) ao Alexander Nevsky Lavra (Mosteiro). A Rússia com Teerã, Port Arthur e Pequim, de Baedeker (1914), descrevia a rua como "tendo 35 metros de largura e 2,75 metros de comprimento, sendo a rua mais longa em São Petersburgo. Do Almirantado, ela vai em linha reta até a Praça Znamenskaya, onde se curva ligeiramente para o Sul e atravessa um quarteirão mais pobre, até o Mosteiro Alexander Nevski. No que diz respeito à parte Ocidental da Ponte Anitchkov, é a rua mais movimentada de São Petersburgo". O Almirantado foi uma das primeiras estruturas construídas em São Petersburgo. A construção começou em 1704, um ano após a fundação da própria cidade, sob comando de Pedro, o Grande, que queria criar uma formidável marinha russa. A estrutura contemporânea foi construída em 1806-23 pelo arquiteto russo Adrian Zakharov (1761-1811). Tem mais de 400 metros de largura e 160 metros de altura, com uma imponente flecha dourada com mais de 70 metros de altura.

O Largo do Palácio de Inverno e a Coluna de Alexandre, São Petersburgo, Rússia

Esta impressão fotocrômica do Palácio de Inverno e da Coluna de Alexandre, em São Petersburgo, é parte de "Vistas da Arquitetura e de Outros Locais, Principalmente na Polônia, Rússia e Ucrânia", do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). O Palácio de Inverno foi construído entre 1754 e 1762 para a Imperatriz Elizabeth, filha de Pedro, o Grande (1672-1725), e serviu como residência dos czares russos, da década de 1760 até a Revolução de 1917. O edifício em estilo barroco mede mais de 17 mil metros quadrados e se distingue por sua impressionante tonalidade verde, colunas coríntias e emblemas decorativos e figuras relacionadas com o passado da Rússia. O palácio abriga, atualmente, o mundialmente famoso Museu State Hermitage. Em frente ao Palácio de Inverno, no centro da Praça do Palácio, está a Coluna de Alexandre, que homenageia o czar Alexandre I (1777-1825). A coluna foi projetada pelo arquiteto francês Auguste Richard de Montferrand (1786-1858), que também foi o arquiteto da Catedral de Santo Isaac, em São Petersburgo (a maior e a mais alta catedral ortodoxa russa daquela época). A coluna de 550 toneladas métricas é feita de granito vermelho. Um artigo de 1886, na revista Harper's, a descrevia como "o maior monólito dos tempos modernos. . . . É um eixo único de granito vermelho, com 26 metros de altura e 4,30 metros de diâmetro, colocado sob um pedestal monolítico cúbico de 7,60 metros de altura, encimado por um capitel de bronze, acima do qual se eleva um anjo e uma cruz, conferindo-lhe uma altura total de 47 metros".

Catedral de São Pedro e São Paulo, São Petersburgo, Rússia

Esta impressão fotocrômica da Catedral de São Pedro e São Paulo, os padroeiros de São Petersburgo, é parte de "Vistas da Arquitetura e de Outros Locais, Principalmente na Polônia, Rússia e Ucrânia", do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). A construção de uma igreja de madeira, no local da catedral, começou em 1703, um mês após a cidade de São Petersburgo ter sido fundada oficialmente. A igreja foi consagrada em 01 de abril de 1704. A catedral de pedra foi construída entre 1712 e 1733, sob a direção do arquiteto suíço-italiano Domenico Trezzini (1670-1734). A nova catedral foi consagrada em 29 de junho de 1733. O campanário pegou fogo na noite de 29-30 de abril de 1756, em um incêndio causado por um raio. Em 1766, Catarina, a Grande, ordenou que o campanário fosse reconstruído, e a nova torre foi concluída em 1776. A catedral serve como local de sepultamento dos imperadores russos e suas famílias, desde a época de Pedro, o Grande (1672-1725).

Champs-Elysées, uma Avenida, Paris, França

Esta impressão fotocrômica dos Champs-Elysées em Paris é parte de "Vistas da Arquitetura, Monumentos e Outros Locais da França", do catálogo da Detroit Publishing Company (1905). A área dos Champs-Elysées consistia, originalmente, de campos e hortas comerciais. Em 1616, Maria de Médicis (1575-1642), a viúva de Henrique IV, estendeu os Jardins das Tulherias para criar uma caminho ladeado por árvores. O caminho foi alargado em 1667 pelo paisagista André Le Nôtre (1613-1700). A avenida, agora com quase dois quilômetros de comprimento, estende-se entre a Place de la Concorde e o Arc de Triomphe. Conforme descrito na edição de 1900 de Paris e Seus Arredores com rotas de Londres a Paris: Manual Para Viajantes, de Baedeker, "essa magnífica avenida, ladeada por belos edifícios, é um dos passeios públicos mais chiques de Paris".