23 de dezembro de 2011

África Central: a realidade nua e crua de um povo nu

Charles Chaillé-Long (1842–1917) foi um americano do estado de Maryland que se alistou como soldado no Exército da União na Guerra Civil, lutou na Batalha de Gettysburg e alcançou o posto de capitão. Em 1870 ele foi um dos cerca de 50 ex-oficiais confederados da União recrutados para auxiliar o quediva do Egito no desenvolvimento de um exército nacional. Ele se tornou chefe de gabinete do General Charles (“Chinês”) Gordon quando este era governador da província de Equatória no Sudão. Neste cargo, em abril de 1874 Chaillé-Long partiu em uma missão diplomática até Mutesa, rei da tribo Baganda, sendo o primeiro americano a visitar Uganda. Ele passou a explorar o lago Vitória e o rio Nilo. Chaillé-Long retornou à Cartum em outubro de 1875. Partiu novamente em dezembro para liderar uma expedição ao Makraka Niam-Niam (como ele chamava o país de Azande) e à bacia do Nilo-Congo. África Central: a realidade nua e crua de um povo nu trata-se de um relato das viagens de Chaillé-Long pelo Sudão e pela Uganda. O livro é escrito em prosa extravagante e está cheio de autoelogios pelas realizações do autor. Chaillé-Long retornou mais tarde aos Estados Unidos, formou-se pela Faculdade de Direito de Columbia em 1880 e exerceu a advocacia durante dois anos em Alexandria, Egito. Ele tornou-se cônsul geral dos Estados Unidos na Coréia em 1887–1889. Ele escreveu diversos artigos e livros de viagem em inglês e francês.