23 de dezembro de 2011

Camelo pastando na estepe. Estepe Golodnaia

No começo do século XX, o fotógrafo russo Sergei Mikhailovich Prokudin-Gorskii (1863-1944), usou um processo especial de fotografia colorida para criar um registro visual do Império Russo. Algumas fotografias de Prokudin-Gorskii datam de 1905, mas a maior parte de seu trabalho é do período entre 1909 e 1915 quando, com o apoio do Czar Nicolau II e do Ministério dos Transportes, ele empreendeu extensas viagens por muitas partes diferentes do império.

Dvinsk. Igreja Católica Romana

No começo do século XX, o fotógrafo russo Sergei Mikhailovich Prokudin-Gorskii (1863-1944), usou um processo especial de fotografia colorida para criar um registro visual do Império Russo. Algumas fotografias de Prokudin-Gorskii datam de 1905, mas a maior parte de seu trabalho é do período entre 1909 e 1915 quando, com o apoio do Czar Nicolau II e do Ministério dos Transportes, ele empreendeu extensas viagens por muitas partes diferentes do império.

Igreja do Ícone da Virgem Hodigitria (1763) vista do sudeste, Kimzha, Rússia

Esta vista sudeste da Igreja do Ícone da Mãe de Deus Hodigitria, na aldeia de Kimzha (distrito de Mezen, oblast de Arkhangelsk), foi tirada em 2000 pelo Dr. William Brumfield, fotógrafo americano e historiador da arquitetura russa, como parte do projeto "Encontro de Fronteiras" da Biblioteca do Congresso. A aldeia de Kimzha surgiu no início do século XVI, na margem direita do rio Kimzha, um afluente do rio Mezen que deságua no Mar Branco. Em 1699, um relâmpago seguido de um incêndio causou a destruição da Igreja do ícone da Mãe de Deus Hodigitria no século XVII. A obra na igreja teve início em seguida. Devido aos escassos recursos da aldeia, a igreja foi consagrada somente em 1763. É o único exemplo sobrevivente de um tipo de igreja característico da área do rio Pinega, com uma torre elevada tipo "tenda" (shatër) e uma cúpula contígua ladeada por quatro cúpulas sobre frontões em forma de barril (bochka). A abside (à direita) possui um frontão similar. Na década de 1870 os troncos de lariço duráveis da igreja foram revestidos com pranchas, pintadas de branco com faixas azuis e verdes. Naquela época, um campanário foi erguido sobre o pórtico oeste. (Existia um campanário antigo na margem do rio). O escritório de restauração soviético desaprovou o revestimento de pranchas do século XIX e, na década de 1980, parte dele foi removido. A falta de fundos suspendeu o processo. Desde 1993, várias tentativas foram feitas para restaurar este monumento único, porém com resultados limitados.

Conjunto de pogost: Igreja da Transfiguração (1714) (à esquerda), campanário (século XIX) e Igreja da Intercessão (1764), visto do oeste, ilha de Kizhi, Rússia

Esta vista oeste do conjunto principal na ilha de Kizhi (Carélia) foi tirada em 1993 pelo Dr. William Brumfileld, fotógrafo americano e historiador da arquitetura russa, como parte do projeto "Encontro de Fronteiras" da Biblioteca do Congresso. Localizada em um arquipélago na parte sudoeste do lago Onega, a ilha de Kizhi é um dos locais mais venerados no norte da Rússia, com um pogost, ou cemitério cercado, contendo duas igrejas de madeira e um campanário. A característica dominante do local é a Igreja da Transfiguração do Salvador (à esquerda), construída por volta de 1714. A igreja é o último exemplo original sobrevivente de uma forma elaborada de arquitetura das igrejas do norte da Rússia, composta por camadas ascendentes octagonais reforçadas com extensões retangulares nas direções da bússola. Os vários componentes da estrutura de troncos de pinho são coroados com frontões em forma de barril que suportam um total de 22 cúpulas cobertas com telhas aspen. No centro do conjunto há um campanário do século XIX, uma estrutura de troncos de madeira com revestimento de pranchas. Ao sul da torre (à direita) encontra-se a Igreja da intercessão da Mãe de Deus, construída com troncos de pinho em 1764 e constituída por uma estrutura quadrada principal apoiando uma torre octogonal coroada com nove cúpulas. No extremo oeste da igreja há um vestíbulo (trapeznaia). A Igreja da intercessão da Mãe de Deus podia ser aquecida e, portanto, era conhecida como uma “igreja de inverno”.

Pogost (igrejas e cemitério) (séculos XVIII e XIX), visto do noroeste, Liadney, Rússia

Esta vista noroeste de duas igrejas de madeira e um campanário na aldeia de Liadiny (oblast de Arkhangelsk) foi tirada em 1998 pelo Dr. William Brumfileld, fotógrafo americano e historiador da arquitetura russa, como parte do projeto "Encontro de Fronteiras" da Biblioteca do Congresso. Localizada a cerca de 30 km de Kargopol, a área de Liadiny está habitada desde tempos imemoriais e a própria aldeia foi o local de um antigo pogost, território sagrado com um cemitério cercado. O conjunto contém duas igrejas: a Igreja da Epifania (à esquerda), construída no final do século XVIII e a Igreja da Intercessão da Mãe de Deus, concluída em meados do século XVIII (no centro). As igrejas foram construídas com troncos de madeira, revestidas com pranchas, provavelmente adicionadas no século XIX. Ambas as estruturas são notáveis, mas a Igreja da Intercessão da Mãe de Deus é a mais impressionante, com sua torre elevada tipo "tenda". O interior da Igreja da Intercessão da Mãe de Deus consiste em um andar inferior para os serviços de inverno (o seu altar é dedicado a São Brás) e um andar superior espaçoso com o altar principal. Este espaço superior contém um iconóstase parcialmente preservado e um magnífico teto de painel pintado. O conjunto de Liadiny foi concluído no final do século XVIII com a construção de um campanário octogonal. Ambas as igrejas estão passando por uma restauração parcial.

Cúpula da mesquita Gur-Emir a partir do oeste (rachada). Samarkand

No começo do século XX, o fotógrafo russo Sergei Mikhailovich Prokudin-Gorskii (1863-1944), usou um processo especial de fotografia colorida para criar um registro visual do Império Russo. Algumas fotografias de Prokudin-Gorskii datam de 1905, mas a maior parte de seu trabalho é do período entre 1909 e 1915 quando, com o apoio do Czar Nicolau II e do Ministério dos Transportes, ele empreendeu extensas viagens por muitas partes diferentes do império.