7 de novembro de 2011

Parlamento, Viena 1

Rudolf von Alt (1812–1905) foi um pintor, desenhista e gravurista austríaco famoso por suas cenas urbanas, paisagens e interiores. Na imagem vê-se o desenho à tinta de Alt, com o branco realçado do edifício do parlamento, em Viena, com assinatura e data de 1885 no canto inferior do lado direito. Localizada no Innere Stadt (Centro da cidade), ou o primeiro distrito de Viena ("Viena 1"), a estrutura neoclássica foi construída em 1874-1883 pelo arquiteto dinamarquês Barão Theophil Edvard von Hansen (1813-1891). O edifício serviu como ponto de encontro das duas câmaras do Reichsrat (Conselho Imperial Áustríaco) até a dissolução da monarquia austro-húngara em 1918. O desenho é parte da obra original de Kronprinzenwerk (A obra do príncipe herdeiro), o nome curto de uma enciclopédia sobre todas as terras da Coroa e os povos da monarquia austro-húngara contendo 24 volumes ilustrados. Foi publicado em 1886-1902, sob o título Die österreichisch-ungarische Monarchie in Wort und Bild (A monarquia austro-húngara em texto e imagem) em alemão e húngaro. O projeto foi iniciado por Rudolf, o príncipe herdeiro da Áustria, e coordenado por ele até sua morte em 1889. Ele reflete a sua fé no liberalismo, na ciência e no progresso. A visão de Rudolf era retratar sem parcialidade e com igualdade todos os povos e grupos etnográficos da monarquia.

Casamento Hutsul

Este desenho a caneta e tinta de um casamento Hutsul do final do século XIX é de Thaddäus Rybkowski (1848-1926), um artista polonês, cujo trabalho retrata cenas da vida rural na Galícia e na Polônia. Nascido na Polônia russa, Rybkowski foi educado na Escola de Arte da Cracóvia. Mais tarde, ele veio para Viena, onde estudou no ateliê do professor Leopold-Löffler Radymno. O hutsuls são um grupo étnico-cultural seminômades que durante séculos tem habitado a região dos Montes Cárpatos. O dialeto hutsul é considerado uma variante do idioma ucraniano, fortemente influenciado pelo polaco e pelo romeno. O desenho de Rybkowski capta muitos aspectos da cultura hutsul tradicional, que era conhecida por seus casamentos elaborados e roupas coloridas e cheias de detalhes, artes e ofícios. O desenho é parte da obra original de Kronprinzenwerk (A obra do príncipe herdeiro), nome curto para uma enciclopédia sobre todas as terras da Coroa e os povos da monarquia austro-húngara com 24 volumes ilustrados. Foi publicado em 1886-1902, sob o título Die österreichisch-ungarische Monarchie in Wort und Bild (A monarquia austro-húngara em texto e imagem) em alemão e húngaro. O projeto foi iniciado por Rudolf, o príncipe herdeiro da Áustria, e coordenado por ele até sua morte em 1889. Ele reflete a sua fé no liberalismo, na ciência e no progresso. A visão de Rudolf era retratar sem parcialidade e com igualdade todos os povos e grupos etnográficos da monarquia.

Vista de Sarajevo

Gyula (Julius) Háry (1864–1946) foi um pintor e artista gráfico húngaro, mais conhecido por suas aquarelas detalhadas de cenas pitorescas da Áustria-Hungria e Itália. Ele nasceu em Zalaegerszeg, no oeste da Hungria, e estudou arte na Escola de Artes Aplicadas de Budapeste. Háry foi pela primeira vez a Sarajevo, a capital e maior cidade da Bósnia-Herzegovina, em 1884, seis anos após o controle da província ter sido transferido do Império Otomano para a Áustria-Hungria, nos termos do Tratado de Berlim de 1878. Ele fez várias visitas de retorno a Sarajevo e produziu uma série de aquarelas e desenhos da cidade. Este desenho a tinta assinado, realçado com branco é parte da obra original de Kronprinzenwerk (A obra do príncipe herdeiro), nome curto para uma enciclopédia sobre todas as terras da Coroa e os povos da monarquia austro-húngara com 24 volumes ilustrados. Foi publicado em 1886-1902, sob o título Die österreichisch-ungarische Monarchie in Wort und Bild (A monarquia austro-húngara em texto e imagem) em alemão e húngaro. O projeto foi iniciado por Rudolf, o príncipe herdeiro da Áustria, e coordenado por ele até sua morte em 1889. Ele reflete a sua fé no liberalismo, na ciência e no progresso. A visão de Rudolf era retratar sem parcialidade e com igualdade todos os povos e grupos etnográficos da monarquia. Este desenho foi incluído no volume dedicado à Bósnia-Herzegovina, publicado em 1901.

Proclamação de abertura das autoridades da universidade antes de um período letivo

A Universidade de Viena foi fundada pelo Duque Rudolph IV da Áustria em 1365 e é a mais antiga universidade do mundo de língua alemã. Assim como em outras universidades europeias, o idioma principal de ensino era o latim. Esta proclamação em latim é de Petrus Muchitsch, um filólogo clássico e teólogo que serviu duas vezes como reitor da universidade, em 1577-1578 e novamente em 1578. Nesta saudação, Petrus convida os alunos da universidade para retomar seus estudos após o fim da epidemia da peste de 1578 em Viena. Impressa na forma de um cartaz, o documento inclui um dos mais antigos horários de aulas da universidade existentes, listando os cursos das Faculdades de Teologia, Medicina, Direito, e Artes Liberais, Filosofia e Línguas, e indicando quais cursos eram para os alunos de bacharelado e mestrado em separado, e quais eram cursos conjuntos.

Ex libris

Wolfgangus Lazius é o nome latinizado de Wolfgang Laz (1514-1565), um humanista austríaco, historiador, cartógrafo, e médico que produziu o primeiro conjunto de mapas das terras hereditárias da coroa austríaca. Lazius foi professor de medicina na faculdade da Universidade de Viena, onde foi várias vezes decano e reitor. O Imperador Fernando I nomeou-o seu médico pessoal, historiador e conselheiro, bem como curador das coleções imperiais. Como muitos estudiosos do século XVI formados em ciências, Lazius foi atraído para a arte emergente da cartografia. Ele empreendeu expedições científicas e geográficas por todo o império, coletando dados para seus mapas, que ele desenhou e gravou pessoalmente. Na imagem vê-se o ex libris feito pelo próprio Lazius, que possui um crânio com um rótulo e um texto abaixo, um brasão e esboços dos livros e mapas produzidos por Lazius, incluindo Chorographia Austriae (ou Typi Chorografici Provinciarum Austriae). A corografia de Lazius (do grego choros significa “país” e grapho significa “escrever”) é considerada como o mais antigo atlas da Áustria. Foi publicada em Viena, em 1561, indicando que o ex libris foi projetado algum tempo depois. A gravura é impressa em papel reciclado. A parte de trás mostra um fragmento de um mapa da Grécia feito por Lazius.

Danças folclóricas do Japão

Este rolo com imagens pintadas à mão contém ilustrações de oito tipos de danças folclóricas japonesas: Sumiyoshi Odori, uma dança herdada do Santuário Sumiyoshi em Osaka; Oise Odori, uma dança da Província de Ise, onde o Santuário Ise é consagrado à Amaterasu, a principal divindade feminina do xintoísmo; Kake Odori, na qual um grupo de pessoas dança ao redor do perímetro de uma aldeia ou vila para exorcizar os espíritos do mal; Kokiriko Odori, na qual dançarinos folclóricos batem as varetas de bambu que trazem nas mãos; Komachi Odori, na qual um grupo de garotas com roupas bonitas dançam ao som da música do tambor no Festival de Tecedor; Karako Odori, uma dança com crianças vestindo roupas típicas chinesas; Hōsai Odori, uma dança com cânticos religiosos originada de um padre louco, Hōsai; e Sashimono Odori, uma dança com estandartes imitando aqueles usados nos campos de batalha. As ilustrações são todas pintadas em um estilo anterior ao ukiyo-e (em sua maioria produzidas em meados do século XVII), e o rolo tem breves descrições cômicas em forma de versos na parte superior. O rolo foi elaborado no estilo de um pintor popular, cujo nome é desconhecido, e é uma evidência histórica das danças folclóricas realizadas provavelmente no início do século XVII.