A prosódia eloquente de 40 versos

Este manuscrito é um comentário turco otomano em quarenta versos do Alcorão, com hadith (Ditos do profeta Maomé) e citações em verso de Okçuzade Mehmet Şahî, morto em 1039 a.H. (1629 d.C.). Esta cópia foi feita no século XI a.H. (século XVII d.C.). O texto é escrito em naskh, em tinta preta e vermelha. O selo waqf (doação) de al-Wazīr al-Shahīd ‘Alī Pāshā, datado de 1130 a.H. (1717 d.C.), aparece nos fólios 1a, 1b e 2a. O nome de um antigo proprietário, Sayyid Burhān al-Dīn, e seu selo datado de 1039 a.H é encontrado no fólio 1a, provavelmente colocado lá quando o segundo proprietário adquiriu a obra um século depois. O texto começa com um incipit iluminado com vinheta (fólio 1b). A encadernação em pele de cabra marrom-escura com medalhão central lobalizado, preenchido com trabalho floral em arabesco e delineado em ouro, é contemporânea ao manuscrito. O manuscrito pertence ao Museu de Arte Walters e foi denominado como Walters W. 667.

Duas obras sobre crenças e práticas islâmicas

Este códice é composto por dois trabalhos sobre as crenças e as práticas islâmicas de Aḥmet bin Muḥammed Şemsī Pāşā, morto por volta de 990 a.H. (1580 d.C.). Estas obras são intituladas Tercümet ül-Viḳāye (a tradução de “Wiqāyat al-Riwāyah”) e I’tiḳādiyāt (crenças), como inscrito nas rubricas dos fólios 2b e 29b, respectivamente. Ambos os textos foram copiados na escrita nasta'liq negra do século X a.H. (século XVI d.C.). O fólio 2a possui uma nota de aprovação do famoso jurista otomano Abū al-Su’ūd (Ebussuud) Efendi (morto em 982 a.H. [1574 d.C.]). A primeira composição, Tercümet ül-Viḳāye, é uma versificação do famoso compêndio da lei Ḥanafī, conhecida em árabe como Wiqāyat al-riwāyah (Salvaguardas de transmissão) de Maḥmūd ibn Ṣadr al-Sharī’ah al-Maḥbūbī, que prosperou no século VIII a.H. (século XIV d.C.). A encadernação em couro marrom-escuro tem um medalhão central oval, com pingentes e partes do canto com desenhos de arabesco em um fundo dourado. O manuscrito pertence ao Museu de Arte Walters e foi denominado como Walters W. 665.

Alfabeto civil com ensinamentos morais

O Alfabeto civil com ensinamentos morais, publicado em 1710, é o primeiro alfabeto civil oficial da Rússia. Também conhecido como o "Livro do ABC de Pedro o Grande", que visava simplificar o alfabeto russo, foi produzido depois de muitos anos de experiências conduzidas por especialistas russos e holandeses, sob a orientação e com a participação direta do czar Pedro, o Grande (reinou em 1682-1725). Esta cópia do alfabeto é particularmente interessante, pois ela contém correções para a composição e o formato das letras, escritas à mão pelo czar. A parte posterior da encadernação tem instruções de Pedro, nas quais ele decreta que certos símbolos e letras riscados não devem ser usados na impressão de livros civis no futuro. O alfabeto inclui letras eslavas impressas e manuscritas, ensinamentos morais das Sagradas Escrituras e tabelas de correspondência relativas aos números eclesiásticos e aritméticos para os sistemas de numeração eclesiástico, árabe e romano. O documento faz parte da coleção da Gráfica do Sínodo de Moscou e encontra-se no Arquivo Histórico do Estado Russo, em São Petersburgo.

Uma descrição histórica, geográfica e estatística do Império Russo. Volume 1, livro 3. Província de Olonetsk

Este trabalho do historiador e estatístico Ivan Ilich Pushkarev (1808-1848) é uma descrição histórica e estatística da província russa de Olonetsk, contendo informações sobre sua geografia, pessoas, desenvolvimento econômico e instituições governamentais. Ele foi concebido como um trabalho fundamental, com base nos materiais dos ministérios e comissões de estatística das províncias. Pushkarev planejava publicar 18 volumes com as descrições de 76 províncias, regiões e distritos, e uma descrição histórica e estatística conclusiva do Império Russo como um todo. No entanto, ele teve tempo de preparar apenas quatro partes do primeiro volume, que incidiu sobre o Norte russo. As duas primeiras partes foram produzidas em colaboração com outros autores, mas Pushkarev escreveu sozinho a terceira e quarta partes, que descrevem Olonetsk e Vologda, no noroeste. Este livro inclui uma descrição e um mapa da província, brasões de armas, projetos de vilas e desenhos de Petrozavodsk, o Mosteiro Alexandro-Oshevensky, a cachoeira Kivach, o rio Vytegra, o canal Mariinsky e o povoado de Solomenny. Também estão incluídos dados estatísticos, tabelas indicando as distâncias entre as cidades e textos de registros antigos. Esta cópia encontra-se na Biblioteca Presidencial Yeltsin, em São Petersburgo.

Ampliação do poema, o Burdah, ou a expansão das estrelas brilhantes no louvor do melhor da humanidade, o profeta Maomé

O manuscrito é uma cópia do poema em homenagem ao profeta Maomé, popularmente conhecido como Qaṣīdat al-burdah (O poema do manto). Ele foi composto por Sharaf al-Dīn Muḥammad al-Būṣīrī (morto em 694 a.H [1294 d.C.]). O poema contém uma takhmīs (ampliação, ou expansão do poema) escrita por Naṣīr al-Dīn Muḥammad al-Fayyūmī. A ampliação e o texto do Qaṣīdat al-burdah foram produzidos nas escritas naskh e thuluth, respectivamente, por Riḍwān ibn Muḥammad al-Tabīzī, em 767 a.H. (1366 d.C.), provavelmente para a Biblioteca de Mawlawī (Mevlevi), em Konya, Turquia. O manuscrito é escrito em uma única coluna de 12 linhas, com palavras de ordem fora da moldura do texto adicionadas posteriormente. A página de rosto iluminada inclui uma declaração de patrocínio. O manuscrito pertence ao Museu de Arte Walters e foi denominado como Walters W. 581.

Pelas regiões árticas da Rússia: a viagem de Adolf Nordenskiöld pela e Ásia em 1878-1880

Este livro, ilustrado de Eduard Andreevich Granstrem (1843-1918), um escritor russo de histórias populares para jovens, relata a primeira navegação bem-sucedida pela Passagem do Nordeste, realizada pelo finlandês Nils Erik Adolf Nordenskiöld (1832-1901), geógrafo e explorador do Ártico, no navio a vapor Vega, em 1878–1879. Uma possível passagem do norte, entre o Atlântico e o Pacífico, tinha sido motivo de debates desde o início do século XVI, mas Nordenskiöld foi o primeiro navegador a realizar a travessia ao longo de toda a costa norte da Europa e da Ásia. Acompanhado por três outros navios, o Vega deixou Karlskrona, na Suécia, em 22 de junho de 1878, com uma tripulação de 21 homens, além de um complemento de oficiais e cientistas. Depois de navegar ao longo da costa norte da Sibéria, Nordenskiöld e sua equipe passaram o inverno retidos no gelo, perto do estreito de Bering. Eles seguiram para o Japão no verão de 1879, chegando a Yokohama em 2 de setembro. Nordenskiöld retornou à Suécia através do Canal de Suez, atingindo Estocolmo em 24 de abril de 1880 e, desse modo, circunavegando os continentes da Ásia e da Europa. O livro de Granstrem também descreve as expedições russas e estrangeiras no Oceano Ártico antes do final do século XIX. Esta cópia encontra-se na Biblioteca Presidencial Yeltsin, em São Petersburgo.

Uma descrição histórica, geográfica e estatística do Império Russo. Volume 1, livro 4. Província de Vologda

Este trabalho do historiador e estatístico Ivan Ilich Pushkarev (1808-1848) é uma descrição histórica e estatística da província russa de Vologda, contendo informações sobre sua geografia, pessoas, desenvolvimento econômico e instituições governamentais. Ele foi concebido como um trabalho fundamental, com base nos materiais dos ministérios e comissões de estatística das províncias. Pushkarev planejava publicar 18 volumes com as descrições de 76 províncias, regiões e distritos, e uma descrição histórica e estatística conclusiva do Império Russo como um todo. No entanto, ele teve tempo de preparar apenas quatro partes do primeiro volume, que incidiu sobre o Norte russo. As duas primeiras partes foram produzidas em colaboração com outros autores, mas Pushkarev escreveu sozinho a terceira e quarta partes, que descrevem Olonetsk e Vologda, no noroeste. Este livro inclui uma descrição e um mapa da província, brasões de armas, projetos de vilas e desenhos de Vologda, o Mosteiro de São Cornélio, a praça na vila de Gryazovets, o Mosteiro Spaso-Prilutsky, e a antiga catedral e antiga casa do Stroganov em Solvychegodsk. Também estão incluídos dados estatísticos, tabelas indicando as distâncias entre as cidades e textos de registros antigos. Esta cópia encontra-se na Biblioteca Presidencial Yeltsin, em São Petersburgo.