A batalha de Arcul

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras da série Paris, que retratam a campanha de Qianlong de 1755-1757 para anexar o canato Zunghar, um império nômade localizado sobretudo no território da Região Autônoma Uigur do Xinjiang no atual noroeste da China.

A batalha de Yesil-köl-nor

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras da série Paris, que retratam a campanha de Qianlong de 1755-1757 para anexar o canato Zunghar, um império nômade localizado sobretudo no território da Região Autônoma Uigur do Xinjiang no atual noroeste da China.

O Khan de Badakhshan oferece tributo

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras da série Paris, que retratam a campanha de Qianlong de 1755-1757 para anexar o canato Zunghar, um império nômade localizado sobretudo no território da Região Autônoma Uigur do Xinjiang no atual noroeste da China.

O imperador é presenteado com prisioneiros muçulmanos capturados durante a pacificação

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras da série Paris, que retratam a campanha de Qianlong de 1755-1757 para anexar o canato Zunghar, um império nômade localizado sobretudo no território da Região Autônoma Uigur do Xinjiang no atual noroeste da China.

A invasão do acampamento em Gadan-Ola

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras da série Paris, que retratam a campanha de Qianlong de 1755-1757 para anexar o canato Zunghar, um império nômade localizado sobretudo no território da Região Autônoma Uigur do Xinjiang no atual noroeste da China.

A pacificação e rendição de Yili

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras da série Paris, que retrata a campanha de Qianlong de 1755-1757 para anexar o canato Zunghar, um império nômade localizado sobretudo no território da Região Autônoma Uigur do Xinjiang no atual noroeste da China.

A batalha de Oroi-Jalatu

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras da série Paris, que retratam a campanha de Qianlong de 1755-1757 para anexar o canato Zunghar, um império nômade localizado sobretudo no território da Região Autônoma Uigur do Xinjiang no atual noroeste da China.

A vitória de Khorgos

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras da série Paris, que retratam a campanha de Qianlong de 1755-1757 para anexar o canato Zunghar, um império nômade localizado sobretudo no território da Região Autônoma Uigur do Xinjiang no atual noroeste da China.

Locomotiva: Jornal para a educação política do povo, nº 1, 1º de abril de 1848

O jornal radical de 1848 Locomotive é o trabalho jornalístico mais importante de Friedrich Wilhelm Alexander Held (1813-1872). Depois de seguir carreira militar como oficial do exército prussiano, Held retornou à vida civil e trabalhou por um tempo como ator e escritor. Em 1843, mudou-se para Leipzig, onde publicou o jornal Die Lokomotive (A locomotiva). O jornal alcançou sucesso rapidamente, com sua circulação atingindo 12 mil exemplares por dia. Seu jornal logo foi proibido, apesar de Held ser mais um defensor da monarquia constitucional do que um político radical. Após várias tentativas de continuar publicando em Leipzig, Held mudou-se para Berlim, onde, em 1º de abril de 1848, começou a publicar a Locomotive: Zeitung für politische Bildung des Volkes (Locomotiva: um jornal para a educação política do povo). O ano de 1848 foi marcado por reviravoltas revolucionárias em grande parte da Europa, causadas pela alta dos alimentos e a instabilidade econômica e política, o que levou à derrubada do rei Luís Filipe da França, em fevereiro. Na Alemanha, os delegados se reuniram em Frankfurt para exigir reformas políticas e a criação de uma Alemanha unificada e democrática. Os levantes populares, por fim, perderam força ou foram sufocados pelas tropas prussianas ou austríacas. A publicação de Locomotive foi proibida em janeiro de 1849. As 201 publicações do jornal mostradas aqui, que vão de abril a dezembro de 1848, são um testemunho direto dos acontecimentos revolucionários de 1848.
Exibir mais 200 edições

As chaves da misericórdia e os segredos da sabedoria

Este manuscrito é uma fonte inestimável para a compreensão de doutrinas e práticas alquímicas no mundo islâmico durante a Idade Média. Seu autor, o polímata Mu‛ayyad al-Dīn al-Tuġrā’ī, nasceu em 1062 d.C., na Pérsia (atual Irã) e trabalhou como secretário na corte de Seljuque. Mais tarde, ele foi nomeado vizir em Mosul (atual Iraque), mas sua carreira chegou a um final dramático em 1121 quando, após a desonra de seu protetor, ele foi falsamente acusado de heresia e decapitado. Notas sobre a biografia de al-Tuġrā’ī’s foram adicionadas à primeira página do manuscrito em uma data posterior, juntamente com algumas marginálias destinas a corrigir, destacar ou comentar passagens específicas do tratado. Kitāb mafātīh ar-rahma wa-asrār al-hikma (As chaves da misericórdia e os segredos da sabedoria) consiste em duas partes. A primeira metade do tratado é uma muqaddima (introdução longa), na qual o autor apresenta uma exposição sistemática da doutrina alquímica, a partir da teoria dos quatro elementos, para a elaboração de um elixir branco para a transmutação de cobre em prata e de um elixir vermelho para a transmutação de prata em ouro. A segunda parte do manuscrito contém a tradução de al-Tuġrā’ī’s para o árabe de um tratado grego do famoso alquimista Zósimo de Panópolis, que prosperou por volta de 300 d.C. Al-Tuġrā’ī interpola o texto com seus próprios comentários e com citações de outras autoridades (incluindo filósofos como Aristóteles, Demócrito e Galeno e personagens míticas ou históricas, como Hermes e Cleópatra) ao ponto de ser difícil identificar muito do trabalho original grego. No entanto, a própria existência desta tradução diz muito sobre o papel da ciência árabe na preservação e na transmissão do antigo e helenístico conhecimento científico. O manuscrito é embelezado com numerosos desenhos de aparatos químicos, incluindo os recipientes para destilação e sublimação e diferentes tipos de fornalhas e tabelas destinadas a explicar o conteúdo teórico do texto.