O imperador é presenteado com prisioneiros no portão do meio

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras retratando a campanha de Jinchuan de 1771-1776 (também conhecida como a Segunda Guerra de Jinchuan), na qual Qianlong derrotou os povos indígenas montanheses que viviam na parte ocidental da província de Sichuan, no centro-sul da China.

Um banquete da vitória no salão da luz púrpura oferecido pelo imperador aos oficiais e soldados que se destacaram

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras retratando a campanha de Jinchuan de 1771-1776 (também conhecida como a Segunda Guerra de Jinchuan), na qual Qianlong derrotou os povos indígenas montanheses que viviam na parte ocidental da província de Sichuan, no centro-sul da China.

O levantamento do cerco em Zhuluo

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 12 gravuras retratando a campanha contra Taiwan de 1787-1788, na qual as tropas chinesas lideradas pelo general Fukang'an derrotaram uma insurreição armada em Taiwan contra o governo Qing.

Batalha em Dapulin

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 12 gravuras retratando a campanha contra Taiwan de 1787-1788, na qual as tropas chinesas lideradas pelo general Fukang'an derrotaram uma insurreição armada em Taiwan contra o governo Qing.

Os oficiais e os soldados que se destacaram na campanha contra as tribos muçulmanas

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras da série Paris, que retratam a campanha de Qianlong de 1755-1757 para anexar o canato Zunghar, um império nômade localizado sobretudo no território da Região Autônoma Uigur do Xinjiang no atual noroeste da China.

Um banquete da vitória oferecido pelo imperador aos oficiais e soldados que se destacaram

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras da série Paris, que retratam a campanha de Qianlong de 1755-1757 para anexar o canato Zunghar, um império nômade localizado sobretudo no território da Região Autônoma Uigur do Xinjiang no atual noroeste da China.

A reconquista da pequena Jinchuan

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras que retratam a campanha de Jinchuan de 1771-1776 (também conhecida como a Segunda Guerra de Jinchuan), na qual Qianlong derrotou os povos indígenas montanheses, na parte ocidental da província de Sichuan, no centro-sul da China.

A captura de Lamu e o vale Rize

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras que retratam a campanha de Jinchuan de 1771-1776 (também conhecida como a Segunda Guerra de Jinchuan), na qual Qianlong derrotou os povos indígenas montanheses, na parte ocidental da província de Sichuan, no centro-sul da China.

A captura da torre da fortaleza de pedra na montanha Luobowa

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras que retratam a campanha de Jinchuan de 1771-1776 (também conhecida como a Segunda Guerra de Jinchuan), na qual Qianlong derrotou os povos indígenas montanheses, na parte ocidental da província de Sichuan, no centro-sul da China.

A captura da cordilheira de Yixi e Daertu

As "Gravuras de batalhas em cobre" são uma série de gravuras em placas de cobre que datam da segunda metade do século XVIII. As gravuras foram encomendadas pelo imperador Qianlong da dinastia Qing (1644-1911), que governou em 1735-1796. Elas descrevem suas campanhas militares nas províncias do interior da China e ao longo das fronteiras do país. As ilustrações mestre das gravuras eram grandes pinturas feitas por artistas europeus missionários empregados naquela época na corte de Pequim. Estes artistas foram o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688–1766), o jesuíta francês Jean-Denis Attiret (1702–1768), o jesuíta boêmio Ignatius Sichelbarth (1708–1780) e o missionário agostiniano italiano Jean-Damascène Sallusti (m. 1781). As gravuras do primeiro conjunto de 16 pinturas não foram produzidas na China, e sim em Paris, naquela época a casa dos melhores artesãos europeus que trabalhavam com essa técnica. O imperador decretou ainda que o trabalho imitasse o estilo do gravador em cobre de Augsburgo, Georg Philipp Rugendas, o Velho (1666-1742), cujo trabalho ele conhecia. Cópias em pequena escala das pinturas de Castiglione e de seus colegas de Pequim foram enviadas a Paris para serem transferidas para chapas de cobre, impressas, e depois enviadas de volta para a China, juntamente com as chapas e as gravuras. Posteriormente, conjuntos de gravuras foram executadas em Pequim por aprendizes chineses dos jesuítas e diferem marcadamente em estilo e elaboração daquelas da série de Paris. As gravuras em cobre da batalha de Qianlong eram apenas um dos meios que o imperador manchu empregava para documentar suas campanhas de expansão militar e supressão da agitação regional. Elas serviam para glorificar seu governo e para exercer o controle ideológico sobre a historiografia chinesa. Na história da arte chinesa, as gravuras impressas em placas de cobre permaneceram como um episódio. Vistas em seu contexto político, as gravuras de Qianlong representam um gênero distinto e pictórico excepcional e são exemplos reveladores da autodramatização do poder imperial do Estado. O Departamento do Leste da Ásia da Biblioteca Estadual de Berlim possui um conjunto de cinco séries com um total de 64 gravuras. Esta é uma das 16 gravuras que retratam a campanha de Jinchuan de 1771-1776 (também conhecida como a Segunda Guerra de Jinchuan), na qual Qianlong derrotou os povos indígenas montanheses, na parte ocidental da província de Sichuan, no centro-sul da China.