28 de outubro de 2011

O extraordinário livro sobre os efeitos das especiarias

Este manuscrito do século XVII, escrito por Zawraq al-Maghribī, é um tratado sobre o uso de ervas e partes do corpo animal. Com base no legado de ensinamentos de seu pai, Ḥafṣ Īsā ibn Husayn, o autor afirma que ele, pessoalmente, testou todas as informações contidas no livro. A obra é dividida em 12 seções, metodicamente organizadas com referência ao corpo humano, literalmente da cabeça aos pés. O capítulo 1 abrange dores de cabeça; o capítulo 2, trato digestivo e tórax; o capítulo 3, estômago, fígado, pâncreas, rins e bexiga; o capítulo 4, estômago e intestinos, incluindo o uso de laxantes; o capítulo 5, órgãos reprodutivos; o capítulo 6, articulações; o capítulo 7, feridas e infecções; o capítulo 8, doenças crônicas; o capítulo 9, febres diversas; o capítulo 10, envenenamento; o capítulo 11, talismãs e o capítulo 12, temas variados. O autor afirma que prefere o uso da ciência e da experimentação ao uso de magia, não porque a crença em feitiços possa ser infundada, mas porque pode-se cometer erros no cálculo de tempos auspiciosos e outros problemas associados à sua utilização. Dessa forma, ele combina a discussão sobre talismãs mágicos, encantamentos e coisas do gênero com sua discussão sobre observações empíricas, um aspecto do texto que o torna bastante interessante para o historiador da ciência. Concluída na segunda-feira, dia 20 do Muharram de 1073 AH (4 de setembro de 1662), o manuscrito é dedicado a Dawūd ibn Malik Mansūr, um governante local. O manuscrito é produzido a duas mãos. A primeira vai até o fólio 58, uma segunda mão começa no fólio 59 e continua até o 63; a primeira mão recomeça no 64 e continua até o 82, a segunda mão recomeça no 83 e continua até o final da obra.

A lua cheia e o esclarecimento das atividades do sol e da lua

O autor ou compilador deste manuscrito, Alī ibn Sālim ibn Muhammad, se apresenta como um estudante de Dāwūd al-Antāki, e atribui mais tarde o texto que ele está apresentando à renomada autoridade em ciência do século VIII, Jābir Ibn Hayyān. O texto está dividido em três seções principais seguidas de uma conclusão. A primeira seção trata de minas, e discute a associação entre várias minas e corpos celestes. A segunda seção aborda as pedras e a terceira seção discute plantas e ervas. Há um fólio adicional com algumas informações não contidas no tratado em si. O presente manuscrito, concluído no Dhu al-Qa’ida de 1300 AH (setembro de 1883), não é propriamente antigo. O manuscrito original se encontrava na biblioteca da Khedive Mustafa Pasha.

O Livro sobre as propriedades das pedras preciosas

A página de rosto identifica o manuscrito como uma cópia do Kitab khawas al-jawāhir (O livro sobre as propriedades das pedras preciosas), escrito por Yaqūb ibn Ishāq al-Kindī, no século IX. A obra tem 25 capítulos, que são intitulados “Sobre o conhecimento de joias em geral”, “Sobre o conhecimento de rubis”, “Sobre o conhecimento de esmeraldas”, “Sobre o conhecimento de lápis-lazuli”, e assim por diante. Cada um destes capítulos traz informações básicas sobre estas pedras preciosas e suas propriedades, como entendidas na época. As informações sobre os preços das gemas e a localização das minas contribui para o encanto da obra. O manuscrito contém ainda um estudo separado sobre minerais, escrito por Kitāb fi al-ahjār (O livro sobre as pedras).

Ixcatlán, Santa María, México

Este mapa de Ixcatlán, Santa María, no atual estado de Oaxaca, México, pertence à Coleção Relações Geográficas, a qual faz parte da Coleção Latino-Americana Benson da Universidade do Texas, em Austin. Datadas entre 1578-1586, as relações geográficas são respostas a um questionário formulado pela coroa espanhola em 1577, solicitando informações sobre os territórios espanhóis que mantinham nas Américas. Os questionários abordavam temas como demografia, administração política, idiomas falados, descrição física do território e vegetação nativa. A coroa recebeu 191 respostas a estes questionários. Das 167 respostas conhecidas, 43 fazem parte da Coleção Latino-Americana Benson. As outras estão guardadas no Arquivo Geral das Índias, em Sevilha, e na Real Academia de História, em Madri. As relações contém informações históricas, culturais e geográficas importantes sobre a Nova Espanha durante o século XVI. Muitos dos questionários são acompanhados por mapas e fotos. Ambos trazem informações sobre temas como a economia colonial e a disseminação da religião européia na Nova Espanha, e instrumentos para o estudo da história da arte latino-americana e do desenho manuscrito. Este mapa, datado de 13 de outubro de 1579, tem anotações em espanhol.

Cholula, Tlaxcala, México

Este mapa de Cholula, no atual estado de Puebla, México, pertence à Coleção Relações Geográficas, a qual faz parte da Coleção Latino-Americana Benson da Universidade do Texas, em Austin. Datadas entre 1578-1586, as relações geográficas são respostas a um questionário formulado pela coroa espanhola em 1577, solicitando informações sobre os territórios espanhóis que mantinham nas Américas. Os questionários abordavam temas como demografia, administração política, idiomas falados, descrição física do território e vegetação nativa. A coroa recebeu 191 respostas a estes questionários. Das 167 respostas conhecidas, 43 fazem parte da Coleção Latino-Americana Benson. As outras estão guardadas no Arquivo Geral das Índias, em Sevilha, e na Real Academia de História, em Madri. As relações contém informações históricas, culturais e geográficas importantes sobre a Nova Espanha durante o século XVI. Muitos dos questionários são acompanhados por mapas e fotos. Ambos trazem informações sobre temas como a economia colonial e a disseminação da religião européia na Nova Espanha, e instrumentos para o estudo da história da arte latino-americana e do desenho manuscrito. Este mapa data de 1581 e contém anotações em náuatle, a língua dos astecas, e em espanhol.

Bem‐vindo à Rainbow Springs

”Bem‐vindo à Rainbow Springs” é um exemplo da apresentação tradicional dada pelos guias turísticos das fontes naturais da Flórida, as quais foram as primeiras atrações amplamente divulgadas como destino turístico ao longo da história do estado. Saudação de boas‐vindas, parte canção folclórica, parte mito, e demonstra como os afro‐americanos foram parte integrante no início do comércio turístico da Flórida. O estilo da apresentação recorda as canções de trovadores e representações teatrais dos tempos antigos. O capitão Lockett, do barco Rainbow Springs, faz sua saudação enquanto pilota um barco com fundo de vidro. Esta composição foi gravada em 4 de maio de 1956 pela Foster Barnes, do Stephen Foster Center, durante o Festival Folclórico da Flórida de 1956, em White Springs.