Anuário do tribunal do castelo de Ukmerge de 1595 e alguns registros de 1686–88

No auge de seu poder, no século XV, o Grão-Ducado da Lituânia governou os territórios das atuais Belarus, Letônia, Lituânia e Ucrânia, e partes da Estônia, Moldávia, Polônia e Rússia. Na União de Lublin de 1569, o Grão-Ducado e o Reino da Polônia se fundiram para formar a República das Duas Nações. A comunidade possuía um regime jurídico-administrativo altamente desenvolvido, com base em tribunais regionais que deliberavam sobre processos cíveis envolvendo a aristocracia e em tribunais do castelo que lidavam com outras questões locais, incluindo casos criminais. Os tribunais eram obrigados a manter registros detalhados de seus trabalhos, conservados no antigo idioma bielorrusso e em polonês. No século XIX, os registros do tribunal do Grão-Ducado eram centralizados em Vilnius e acabaram se tornando parte das coleções de manuscritos da Biblioteca da Universidade de Vilnius. A biblioteca passou a deter 543 livros de atos jurídicos do Grão-Ducado da Lituânia, que datam de 1540-1845. Estes livros são uma fonte incomparável da história da Lituânia, da Polônia e de Belarus. Esta imagem mostra o volume do anuário do tribunal do castelo de Ukmerget de 1595 e alguns registros de 1686–88. Ukmerge situa-se à 78 quilômetros de Vilnius, no centro-leste da Lituânia. Em 1655, durante a Segunda Guerra do Norte de 1655-1660, exércitos suecos e russos saquearam a cidade.

Anuário do tribunal do castelo de Trakai de 1677–78

No auge de seu poder, no século XV, o Grão-Ducado da Lituânia governou os territórios das atuais Belarus, Letônia, Lituânia e Ucrânia, e partes da Estônia, Moldávia, Polônia e Rússia. Na União de Lublin de 1569, o Grão-Ducado e o Reino da Polônia se fundiram para formar a República das Duas Nações. A comunidade possuía um regime jurídico-administrativo altamente desenvolvido, com base em tribunais regionais que deliberavam sobre processos cíveis envolvendo a aristocracia e em tribunais do castelo que lidavam com outras questões locais, incluindo casos criminais. Os tribunais eram obrigados a manter registros detalhados de seus trabalhos, conservados no antigo idioma bielorrusso e em polonês. No século XIX, os registros do tribunal do Grão-Ducado eram centralizados em Vilnius e acabaram se tornando parte das coleções de manuscritos da Biblioteca da Universidade de Vilnius. A biblioteca passou a deter 543 livros de atos jurídicos do Grão-Ducado da Lituânia, que datam de 1540-1845. Estes livros são uma fonte incomparável da história da Lituânia, da Polônia e de Belarus. Na imagem vê-se o anuário do tribunal do castelo de Trakai de 1677-78. Trakai abriga um importante castelo, antiga sede de um extenso principado que incluía a maior parte da Lituânia central e ocidental.

Anuários dos atos municipais de Kaunas de 1555–64

No auge de seu poder, no século XV, o Grão-Ducado da Lituânia governou os territórios das atuais Belarus, Letônia, Lituânia e Ucrânia, e partes da Estônia, Moldávia, Polônia e Rússia. Na União de Lublin de 1569, o Grão-Ducado e o Reino da Polônia se fundiram para formar a República das Duas Nações. A comunidade possuía um regime jurídico-administrativo altamente desenvolvido, com base em tribunais regionais que deliberavam sobre processos cíveis envolvendo a aristocracia e em tribunais do castelo que lidavam com outras questões locais, incluindo casos criminais. Os tribunais eram obrigados a manter registros detalhados de seus trabalhos, conservados no antigo idioma bielorrusso e em polonês. No século XIX, os registros do tribunal do Grão-Ducado eram centralizados em Vilnius e acabaram se tornando parte das coleções de manuscritos da Biblioteca da Universidade de Vilnius. A biblioteca passou a deter 543 livros de atos jurídicos do Grão-Ducado da Lituânia, que datam de 1540-1845. Estes livros são uma fonte incomparável da história da Lituânia, da Polônia e de Belarus. Na imagem vê-se um volume dos anuários dos atos municipais de Kaunas de 1555-64. Kaunas está situada no centro-sul da Lituânia, e, por volta do século XVI, era uma das cidades mais importantes do Grão-Ducado.

Bem‐vindo à Rainbow Springs

”Bem‐vindo à Rainbow Springs” é um exemplo da apresentação tradicional dada pelos guias turísticos das fontes naturais da Flórida, as quais foram as primeiras atrações amplamente divulgadas como destino turístico ao longo da história do estado. Saudação de boas‐vindas, parte canção folclórica, parte mito, e demonstra como os afro‐americanos foram parte integrante no início do comércio turístico da Flórida. O estilo da apresentação recorda as canções de trovadores e representações teatrais dos tempos antigos. O capitão Lockett, do barco Rainbow Springs, faz sua saudação enquanto pilota um barco com fundo de vidro. Esta composição foi gravada em 4 de maio de 1956 pela Foster Barnes, do Stephen Foster Center, durante o Festival Folclórico da Flórida de 1956, em White Springs.

Cuidados e alimentação de uma sereia

Este filme mostra uma jovem treinando para atuar como sereia em Weeki Wachee, um parque aquático na Flórida, fundado por Newton Perry (1908‐1987) após a Segunda Guerra Mundial. Depois de servir na Marinha dos Estados Unidos durante a guerra, onde, entre outras funções, treinou mergulhadores militares, o campeão de natação Perry procurou locações para montar um parque aquático. Ele encontrou uma grande nascente em uma área despovoada a 160 quilômetros ao norte de Tampa, com água cristalina que fluía para o Golfo do México, com 26 quilômetros de distância. Para atrair turistas para o seu parque, em 1947, Perry construiu um "teatro subaquático" no qual as pessoas podiam admirar a vida selvagem da nascente. Para diferenciar ainda mais Weeki Wachee de outras atrações de beira de estrada, Perry treinou algumas jovens para permanecerem debaixo d'água por longos períodos de tempo usando seu inovador sistema de tubulação para respiração subaquática. As nadadoras realizavam evoluções e um balé debaixo d'água. Perry anunciava as jovens como as sereias de Weeki Wachee, que, na década de 1950, foi uma das atrações mais populares dos Estados Unidos. Em 1959, a American Broadcast Company comprou o parque, construiu um teatro enorme, com capacidade para 500 lugares, que foi montado debaixo do solo, ao lado da nascente, e começou a promover a nascente por todo o país. Neste filme de 1961, câmeras subaquáticas permitem que os espectadores vejam as aulas de controle da respiração, graciosas evoluções nado sincronizado, e regras de etiqueta subaquática.

Moonport, Flórida, Estados Unidos da América

Este filme em preto‐e‐branco, do início da década de 1960, foi feito como um tributo ao programa espacial dos Estados Unidos, na Flórida. Ele começa mostrando uma sequência de lançamento do Projeto Mercúrio, o primeiro programa de voos espaciais tripulados dos Estados Unidos. Também são mostrados exemplos da tecnologia da época, incluindo rádios transistores portáteis e enorme computadores. Quarenta e cinco litros (doze galões) de gasolina custavam US$ 3,60. Também é mostrado um lançamento de foguete que não deu certo. O filme destaca os efeitos econômicos e sociais do programa espacial na Flórida, incluindo o grande número de pessoal altamente qualificado que se mudou para a área do Cabo Canaveral; o crescimento em expansão de instalações recreativas, culturais e educacionais, bem como o desenvolvimento da indústria leve e uma economia em rápido crescimento desde Pensacola até Miami. O filme também mostra lançamentos de mísseis táticos realizados pelos militares, equipamentos e processos de testes médicos para astronautas, um modelo inicial do Edifício de Montagem de Veículos (VAB), uma macaca astronauta conhecida como Miss Baker, a Escola de Medicina de Aviação Naval de Pensacola e a Base Aérea Eglin em Fort Walton Beach.

Wakulla Springs e as manobras das tropas na Segunda Guerra Mundial

Neste filme da década de 1940, feito no noroeste da Flórida, em cores, mas sem som, as tropas do Exército dos Estados Unidos realizam treinamento avançando através do Cypress Swamp (Pântano dos Grandes Ciprestes), formam uma corrente humana por todo o rio, rastejam, e usam ervas daninhas e musgo espanhol (ou barba‐de‐velho) para se camuflarem. As tropas atiram com metralhadoras, disparam de árvores, e nadam para realizarem um ataque através do rio. Assim que as tropas chegaram à costa, cortinas de fumaça são vistas e explosões atingem a água. Outras tomadas mostram uma equipe em terra com metralhadoras, seguidas de cenas de tropas que nadam usando varas de bambu como flutuadores. Tropas com armas e capacetes praticam a técnica de mergulhar a cabeça na água para esconder‐se enquanto nadam através do rio, e flutuar usando a lona das barracas e as varas como jangadas. Um veículo anfíbio reboca tropas na água. Soldados saltam de uma torre, nadam através de chamas na água, lançam bombas de fumaça e nadam através de mais chamas. Eles também praticam pular do convés de um navio enferrujado abandonado (possivelmente em Carrabelle). A ação então volta para Wakulla com soldados posando com uniformes camuflados e mais alguns deles atravessando o rio.

Uma História da Universidade do Punjab

A Universidade do Punjab (como é grafado agora) foi formalmente criada em Lahore, no atual Paquistão, em 1882. Foi a quarta universidade fundada pelas autoridades coloniais britânicas no subcontinente indiano, sendo as três primeiras nas fortalezas iniciais britânicas de Bombaim, Madras e Calcutá. Desde o início, a Universidade do Punjab foi tanto uma instituição de ensino superior quanto uma entidade examinadora, e também a primeira instituição de ensino superior na Índia, em uma região de maioria muçulmana. J.F. Bruce (1867-1933), que publicou essa obra em 1933, foi o primeiro professor de história da universidade. Ele descreve os primeiros dias da universidade, doações de príncipes reinantes e particulares, e figuras-chave no seu desenvolvimento acadêmico. Proeminentes entre os últimos foram G.W. Leitner, um inglês de origem húngara, que foi o primeiro secretário, e o professor A.C. Woolner, vice-chanceler em 1928-1936. Bruce discorre sobre o desenvolvimento da fundação constitucional da universidade, seus departamentos de ensino e de serviços e atividades extracurriculares. O livro inclui fotografias de professores e funcionários administrativos e listas de reitores, decanos, conferencistas graduados e outros associados à história da universidade.

A suprema arte do tratamento de olhos

Este manuscrito, contendo mais de 350 fólios, data do século XIX ou, talvez, até mesmo do início do século XX. O tema principal da obra discorre sobre diversos tipos de tratamentos para doenças, especialmente, e de forma mais extensiva, sobre procedimentos e tratamentos oftalmológicos. Notas diversas aparecem em alguns fólios. Uma página, por exemplo, contém listas de dias auspiciosos. Também estão incluídas várias páginas de informações sobre especiarias e uma explicação sobre abreviações e unidades de medida. Informações adicionais sobre laxantes e infusões, bem como tratamentos para doenças dos pés e da pele, e epilepsia, também estão incluídas. Contém referências aos hospitais na Áustria, Itália e Espanha, tornando a obra importante para o estudo da introdução da medicina moderna no Egito. Após o texto principal, um índice analítico abrange mais de 30 páginas, seguido por uma coleção de receitas (ou prescrições).

O extraordinário livro sobre os efeitos das especiarias

Este manuscrito do século XVII, escrito por Zawraq al-Maghribī, é um tratado sobre o uso de ervas e partes do corpo animal. Com base no legado de ensinamentos de seu pai, Ḥafṣ Īsā ibn Husayn, o autor afirma que ele, pessoalmente, testou todas as informações contidas no livro. A obra é dividida em 12 seções, metodicamente organizadas com referência ao corpo humano, literalmente da cabeça aos pés. O capítulo 1 abrange dores de cabeça; o capítulo 2, trato digestivo e tórax; o capítulo 3, estômago, fígado, pâncreas, rins e bexiga; o capítulo 4, estômago e intestinos, incluindo o uso de laxantes; o capítulo 5, órgãos reprodutivos; o capítulo 6, articulações; o capítulo 7, feridas e infecções; o capítulo 8, doenças crônicas; o capítulo 9, febres diversas; o capítulo 10, envenenamento; o capítulo 11, talismãs e o capítulo 12, temas variados. O autor afirma que prefere o uso da ciência e da experimentação ao uso de magia, não porque a crença em feitiços possa ser infundada, mas porque pode-se cometer erros no cálculo de tempos auspiciosos e outros problemas associados à sua utilização. Dessa forma, ele combina a discussão sobre talismãs mágicos, encantamentos e coisas do gênero com sua discussão sobre observações empíricas, um aspecto do texto que o torna bastante interessante para o historiador da ciência. Concluída na segunda-feira, dia 20 do Muharram de 1073 AH (4 de setembro de 1662), o manuscrito é dedicado a Dawūd ibn Malik Mansūr, um governante local. O manuscrito é produzido a duas mãos. A primeira vai até o fólio 58, uma segunda mão começa no fólio 59 e continua até o 63; a primeira mão recomeça no 64 e continua até o 82, a segunda mão recomeça no 83 e continua até o final da obra.