10 de fevereiro de 2011

Recife Antigo

A Coleção Thereza Christina Maria é composta por 21.742 fotografias, reunidas pelo Imperador Pedro II ao longo de sua vida e por ele doadas à Biblioteca Nacional do Brasil. A coleção abrange uma ampla variedade de temas. Documenta as conquistas do Brasil e do povo brasileiro no século XIX, e também inclui muitas fotografias da Europa, África e da América do Norte. A cidade portuária de Recife, que aparece nesta fotografia, foi uma das primeiras colônias no Brasil. Estabelecida no final da década de 1500 pelos portugueses, ficou sob o domínio holandês durante parte do século XVII. Em seus primórdios, a cidade de Recife possuia uma população de judeus bastante grande e era, também, um ponto de entrada para muitos escravos africanos. A influência desta mistura de culturas no caráter da cidade de Recife continuou no século XIX, quando esta fotografia foi tirada por Mortiz Lamberg, que trabalhava no estúdio de Alberto Henschel. Henschel, de origem alemã, foi um dos fotógrafos retratistas mais prolíficos do Brasil. Posteriormente, Lamberg tornou-se um fotógrafo respeitado por seus próprios méritos, publicando o livro de fotografias Brasilien.

Montevidéu Comemora o Carnaval Dançando Candombe

Esta fotografia, das festividades de carnaval em Montevidéu, Uruguai, mostra mulheres fantasiadas, parte de um bloco de carnaval, dançando Candombe. O Candombe é um ritmo baseado em tambores afro-uruguaios que tem raízes nas regiões banto da África Oriental e Equatorial, terra original de muitos escravos trazidos ao Uruguai no século XVIII. A fotografia é da coleção da Biblioteca Comemorativa de Colombo, da Organização dos Estados Americanos (OEA), que inclui 45.000 fotografias ilustrativas da vida e da cultura nas Américas. Muitas das fotografias foram tiradas por importantes fotógrafos em missões da OEA aos países-membros. A OEA foi fundada em abril de 1948, quando 21 países do hemisfério ocidental adotaram o Estatuto da OEA, no qual reafirmavam seu compromisso pela consecução de objetivos comuns e o respeito pela soberania uns dos outros. Desde então, a OEA se expandiu, incluindo as nações do Caribe de língua inglesa, bem como o Canadá. O organização que antecedeu a OEA foi a União Pan-Americana, fundada em 1910 que, por sua vez, originou-se da União Internacional das Repúblicas Americanas, criada durante a Primeira Conferência Internacional dos Estados Americanos, entre 1889-90.

Mapa do Rio Branco ou Parimé e dos Rios Caratirimani Uararicapará Majari, Tacutú e Mahu

Este mapa mostra a rede de rios e afluentes que atravessam o norte do Brasil. O mapa concentra-se no Rio Branco, um dos principais afluentes do Rio Negro, e em vários afluentes menores, incluindo os rios Caratirimani, Uararicapará, Majari, Tacutú e Mahu. Os rios emanam das cordilheiras e cadeias de montanhas que separam o Brasil da Venezuela e da Guiana. O mapa é de José Joaquim Freire (17?-1847), um oficial naval português, cartógrafo, desenhista e aquarelista que, em 1783-92, era membro da expedição de Alexandre Rodrigues Ferreira enviada ao Pará, Amazonas e Mato Grosso pelo Real Gabinete de História Natural do Museu da Ajuda de Lisboa, por ordem da Imperatriz Maria I. Freire, era o responsável pela preparação de desenhos e aquarelas da fauna e da flora, da cultura das populações nativas e de vistas de cidades e lugarejos.

O Livro de Aroodh

Este manuscrito, de um autor desconhecido, é um trabalho incompleto que se esforça em aplicar as métricas da poesia árabe aos poemas turco-otomanos. Começa com as métricas de al-mutaqarib, ar-ramal e al-munsarih. A transcrição é, provavelmente, do século XVII. O manuscrito é da Coleção Bašagić de Manuscritos Islâmicos, da Biblioteca Universitária de Bratislava, na Eslováquia, que foi inscrita no programa Memória do Mundo, pela UNESCO, em 1997. Safvet beg Basagić (1870-1934) foi um acadêmico bósnio, poeta, jornalista e diretor de museu, que reuniu uma coleção de 284 volumes manuscritos e 365 volumes impressos que refletem o desenvolvimento da civilização islâmica, desde o seus primórdios até o início do século XX. O manuscrito é o item 463 na Jozef Blaškovič, Arabské, turecké a perzské rukopisy Univerzitnej knižnice v Bratislave (manuscritos em árabe, turco e persa da Biblioteca da Universidade de Bratislava).

Comparações em Gramática Árabe

Uma parcela considerável deste trabalho sem título de um autor desconhecido é dedicada à discussão de al-qiyas, ou comparação, na gramática árabe. O trabalho também contém trechos de um trabalho de Muftizade e dissertações sobre lógica, bem como outras referências a Muftizade. O manuscrito foi transcrito por Abdallah al-Hamshini. O manuscrito é da Coleção Bašagić de Manuscritos Islâmicos, da Biblioteca Universitária de Bratislava, na Eslováquia, que foi inscrita no programa Memória do Mundo, pela UNESCO, em 1997. Safvet beg Basagić (1870-1934) foi um acadêmico bósnio, poeta, jornalista e diretor de museu, que reuniu uma coleção de 284 volumes manuscritos e 365 volumes impressos que refletem o desenvolvimento da civilização islâmica, desde o seus primórdios até o início do século XX. O manuscrito é o item 283 na Jozef Blaškovič, Arabské, turecké a perzské rukopisy Univerzitnej knižnice v Bratislave (manuscritos em árabe, turco e persa da Biblioteca Universitária, Bratislava).

Artigos sobre a Transferência de Nova Holanda no dia 27 de agosto, Old Style (Calendário Antigo), Ano 1664

Em 27 de agosto de 1664, uma flotilha de quatro navios de guerra britânicos, sob o comando do Coronel Richard Nicolis, entrou no porto de Nova Amsterdam (atual cidade de Nova York)e exigiu que Peter Stuyvesant, o diretor geral da colônia holandesa de Nova Holanda, rendesse a colônia aos britânicos. Subjugado pelo poder de fogo adversário, Stuyvesant não teve outra escolha a não ser obedecer, e sob o domínio inglês Nicolis tornou-se o primeiro governador da nova Província de Nova York. Este documento lista os artigos da capitulação, através dos quais a colônia foi entregue e que estabeleciam os direitos dos colonizadores holandeses sob o domínio inglês. Entre os 24 artigos encontravam-se cláusulas que garantiam certos direitos permanentes, incluindo a liberdade de consciência na adoração divina e disciplina eclesiástica, a posse dos direitos de propriedade e o direito dos holandeses de seguirem seus próprios costumes relacionados à heranças. A tomada de Nova Holanda pelos inglêses foi uma das razões pelas quais ocorreu a Segunda Guerra Anglo-Holandesa de 1665-67, e não foi senão em 1674, com o Tratado de Westminster, que o governo dos Países Baixos reconheceu, oficialmente, a transferência da colônia para os inglêses.