11 de janeiro de 2010

Mapa do Império Brasileiro

Este mapa detalhado do Brasil Imperial foi desenhado por Conrado Jacob Niemeyer (1788-1862) baseado em um mapa anterior de Duarte da Ponte Ribeiro, o Barão de Ponte Ribeiro (1795-1878). Após iniciar sua carreira como médico, Ponte Ribeiro tornou-se um importante diplomata durante os primeiros anos da Independência do Brasil, representando seu país em Portugal, México, Peru, Bolívia e Argentina. Niemeyer foi um engenheiro que ficou mais conhecido pela construção, às próprias custas, de uma das principais estradas que ligam os diversos bairros do Rio de Janeiro; esta estrada hoje leva seu nome.

Mapa da Suécia

Este mapa mostra o Reino da Suécia, conforme era no final do século XVIII  . Na época, o reino incluía a atual Suécia, bem como a Finlândia que, contudo, foi tomada pelo Império Russo em 1809. O mapa é obra de Samuel Gustaf Hermelin (1744-1820), um industrial e diplomata sueco que também trabalhava com cartografia. Hermelin estudou mineração na Universidade de Uppsala antes de viajar aos Estados Unidos para estudar industrialização. Durante sua estadia nos Estados Unidos, ele exerceu papel fundamental no estabelecimento das relações diplomáticas entre a Suécia e os Estados Unidos. Após seu regresso à terra natal, Hermelin tentou iniciar um negócio de mineiração rentável na Laponia sueca, mas essas operações só se tornaram rentáveis após sua morte, quando foram estabelecidas ligações ferroviárias entre a Laponia e o sul da Suécia.

Frequentando o Festival Muçulmano

Esta fotografia mostra homens e jovens num festival Muçulmano em Trinidad e Tobago. A minoria Muçulmana em Trinidad é compreendida principalmente de pessoas cujos ancestrais foram trazidos do Sul da Ásia no século XIXth século, quando Trinidad era parte do Império Britânico. A fotografia é da coleção da Biblioteca Comemorativa de Colombo da Organização dos Estados Americanos (OEA), que inclui 45,000 fotografias ilustrativas da vida e da cultura nas Américas. Muitas das fotografias foram tiradas por importantes fotógrafos em missões aos países membros da OEA. A OEA foi fundada em Abril de 1948 por 21 nações do hemisfério ocidental, que adotaram um estatuto reafirmando seu compromisso com objetivos comuns e o respeito pela soberania de cada um. Desde então, a OEA se expandiu incluindo as nações do Caribe de língua Inglesa bem como o Canadá. A organização que antecedeu a OEA foi a União Pan-Americana, fundada em 1910, que por sua vez se originou da União Internacional das Repúblicas Americanas, estabelecida durante a Primeira Conferência Internacional dos Estados Americanos em 1889-90.

Brasil

Este antigo mapa do Brasil é de Jacopo Gastaldi (cerca de 1500-cerca de 1565), um cartógrafo piemontês que trabalhou em Veneza e ascendeu à posição de cosmógrafo da República Veneziana. Gastaldi produziu mapas e ilustrações para partes de Delle Navigationi et Viaggi (Jornadas e viagens), uma compilação de diários de viagem do diplomata e geógrafo veneziano Giovanni Battista Ramusio (1485-1557). A obra de Ramusio compreendia mais de 50 memórias, incluindo os escritos de Marco Polo.

O Círculo Austríaco

O Sagrado Império Romano (962-1806) foi organizado, no início do século XVI, em dez círculos imperiais. Cada um tinha sua própria assembléia (dieta) ou parlamento, os quais tinham determinadas responsabilidades no que diz respeito à defesa, à coleta de impostos e outras funções. (Alguns territórios do império, por exemplo, a Bohemia e partes da Itália, não foram agrupados em círculos.) Este mapa francês do final do século XVIII mostra o Círculo Austríaco, que coincidia em grande parte com aquelas terras governadas pela Casa dos Habsburgo, de Viena. Além da Áustria, propriamente dita, o Círculo Austríaco incluía partes da atual Alemanha, Itália, Eslovenia e Suíça.

Mapa topográfico do Vale de Centa

Este mapa espanhol nítido e ricamente executado, do final do século XVIII,   dos arredores de Oran, no extremo norte da Argentina, tencionava promover a colonização desta região. O mapa foi elaborado a pedido de Ramón Garcia de León y Pizarro, Governador e Capitão-Geral da Província de Salta, que fundou Oran em agosto de 1794 , possivelmente como um posto avançado para reforçar reivindicações territoriais espanholas ao longo da então fronteira luso-espanhola. O mapa mostra a planejada e parcialmente estabelecida comunidade de Oran, outras povoações, um canavial, propriedades individuais, rios e córregos, estradas, limites administrativos, localização de aldeias nativas ( "Ynfieles"), vegetação e relevo. Inclui uma cártula decorativa com título e inscrição, uma legenda codificada e uma longa nota sobre as vantagens geográficas e estratégicas da área, indicando que o objetivo principal do  mapa era promover a colonização. O mapa é dedicado ao "Rei Nosso Senhor Dom Carlos III" (Rei Charlos IV).