Bessarábia

Descrição

Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Bessarábia é o Número 51 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. Na época em que este estudo foi escrito, a Bessarábia (atualmente Moldávia e Ucrânia) fazia parte do Império Russo. A seção histórica do estudo aborda os séculos de rivalidade entre os Impérios Russo e Turco em busca do controle do território, que finalmente passou a pertencer à Rússia no século XIX. Ela observa a grande diversidade étnica e linguística da província, cuja população incluía romenos, ucranianos, russos, judeus, alemães, búlgaros, gagaúzes (um povo túrquico), poloneses, gregos, ciganos (romanis), albaneses e armênios. Uma tabela, baseada no censo russo de 1897, fornece os números e porcentagens dos principais grupos por distrito. A seção econômica salienta o caráter agricultural da província, observando que a “Bessarábia é uma das províncias mais férteis da Rússia, com sua superfície consistindo em uma grande extensão de solo negro”. Após a Revolução Russa de 1917, a Bessarábia declarou independência da Rússia e votou a favor da união à Romênia. No entanto, a Rússia nunca reconheceu a união com a Romênia e, em 1940, o governo soviético pressionou a Romênia para que cedesse a Bessarábia e a parte norte da Bucóvina à União Soviética, que controlou o território até o rompimento do Estado soviético, em 1991.

Última Atualização: 21 de julho de 2014