A Ucrânia

Descrição

Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. A Ucrânia é o Número 52 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. O estudo apareceu em um momento importante na história da Ucrânia. Após a Revolução Russa de 1917, forças políticas no país exigiram autonomia e, mais tarde, a completa independência em relação à Rússia. Uma república ucraniana foi declarada em novembro de 1917 e, em fevereiro de 1918, a Ucrânia concluiu um tratado de paz separado com a Alemanha, Áustria-Hungria, Bulgária e Turquia. O estudo discute o desenvolvimento de uma identidade nacional ucraniana desde o século XVII; o nacionalismo ucraniano; relações entre Ucrânia e Rússia, Ucrânia e Polônia, e Ucrânia e Romênia; e a história dos pogroms contra a grande comunidade judaica do país. Os apêndices incluem uma análise da população da Ucrânia e o número de ucranianos que viviam no Império Russo (assim como na Áustria-Hungria e nos Estados Unidos), e o texto do Tratado de Brest-Litovsk, de 1918, entre a República Popular da Ucrânia e as Potências Centrais. Após a derrota da Alemanha na Primeira Guerra Mundial, a Ucrânia se tornou parte da União Soviética e não conquistou sua independência da Rússia até 1991.

Última Atualização: 21 de julho de 2014