Sob quatro bandeiras

Descrição

Apresenta-se aqui o terceiro Filme de Guerra Oficial do Governo dos Estados Unidos da Primeira Guerra Mundial, publicado em 1919 pelo Corpo de Sinais do Exército dos Estados Unidos. O filme em preto e branco de 25 minutos foi realizado em áreas de guerra entre a metade e o final do ano de 1918, principalmente na França. Equipes da Seção Fotográfica, compostas por um operador de câmera de vídeo, um operador de câmera fotográfica e assistentes, foram anexadas a cada uma das divisões da Força Expedicionária Americana. A imagem se move de maneira um pouco brusca e, visualmente, é de qualidade irregular. Contudo, as situações não foram encenadas e retratam com grande imediatez a devastação e a morte, o companheirismo, o drama, a ternura da enfermagem, os minúsculos tanques da época, chamados de “baby tanks”, e a vida cotidiana dos doughboys (apelido dado aos soldados americanos) “do lado de lá”. O filme mostra os campos desolados da Bélgica e da França, as longas fileiras de tropas marchando, momentos das Batalhas de Belleau Wood e Chateau-Thierry em junho de 1918, bem como o Presidente Poincaré e o General Mangin, da França, inspecionado troféus de guerra capturados dos alemães. “Um lixeiro teria muito trabalho a realizar aqui”, exclama a legenda quando é exibida uma grande quantidade de armamento inimigo abandonado. Também são mostrados parte da cidade de Saint-Mihiel, cena de uma grande vitória americana em meados de setembro, e o resultado da vitória, com veteranos franceses desfilando pelas ruas do vilarejo. Os generais Foch, Haig, Diaz e Pershing são vistos brevemente. As legendas dizem: “A VITÓRIA DA DEMOCRACIA! A grande notícia chega”. A manchete do jornal anuncia a paz, o Presidente Woodrow Wilson aparece em cena, assim como os desfiles da vitória em Washington. O filme conclui: “E agora o rugir dos canhões cessou e os dias e noites de paz voltaram para aqueles que vivem do outro lado do oceano. . . . E aqui em casa, vamos olhar para o sol nascente e, sob seu brilho, veremos os navios que navegam em direção ao ocidente trazendo os garotos que enviamos à guerra. . . . . . . E a história escreverá que o que eles fizeram ajudou a libertar o mundo e manter viva a chama da Democracia”.

Última Atualização: 14 de novembro de 2017