Casa importante em Cachirí, província de Soto

Descrição

Esta aquarela de Carmelo Fernández (de 1809 a 1887) retrata a maior casa em Cachirí, que no início da década de 1850 ficava na província de Soto e atualmente fica no departamento de Santander, no nordeste da atual Colômbia. A cidade fica em torno de 2.200 metros acima do nível do mar em uma área propensa a inundações e, historicamente, a terremotos. Fernández nasceu em San José de Guama, Venezuela, em uma família bem relacionada (era sobrinho de José Antonio Páez, herói da independência venezuelana e três vezes presidente). Ele estudou arte em Nova York quando ainda era jovem. Voltou para casa em 1827 e serviu no exército, onde aprendeu desenho topográfico. A agitação política na Venezuela o levou a se mudar para Nova Granada (atualmente Colômbia e Panamá) em 1849. Ali, tornou-se o primeiro desenhista da Comisión Corográfica (Comissão Corográfica), que foi cofundada e dirigida por Agustín Codazzi (1793 a 1859), um geógrafo e engenheiro nascido na Itália. A comissão, que começou seus trabalhos em 1850, estudou a geografia, cartografia, recursos naturais, história natural, cultura regional e agricultura da Nova Granada. De 1850 a 1852, Fernández pintou cerca de 30 aquarelas nas províncias a nordeste de Bogotá: Tunja, Pamplona, Ocaña, Socorro, Vélez e Santander. Estas obras, que hoje fazem parte da Biblioteca Nacional da Colômbia, retratam diversos grupos étnicos, raciais e sociais, além da variada paisagem física da Nova Granada. Fernández foi sucedido na comissão por Henry Price (1819 a 1863) e, mais tarde, por Manuel María Paz (1820 a 1902). Ele retornou a Caracas com 43 anos, onde viveu a maior parte do restante de sua vida. Em 1873, ele produziu sua obra mais famosa, um retrato de Simón Bolívar que aparece nas moedas venezuelanas.

Última Atualização: 29 de novembro de 2016