Alcorão de Père Lachaise

Descrição

Este Alcorão mameluco do século XIV, que pertencia a Père Lachaise, confessor de Luís XIV, foi obtido pela Ordem dos Jesuítas de Paris, em 1693. O manuscrito foi confiscado quando a ordem foi dissolvida na França, em 1763. Gerhoh Steigenberger (1741-1787), cânone regular do mosteiro da Baviera Superior de Polling, posteriormente o comprou, juntamente com grande parte da biblioteca dos jesuítas dissolvida. Steigenberger havia sido enviado a Paris para comprar livros e manuscritos para a biblioteca monástica. Depois do fechamento do monastério em 1803, o manuscrito foi transferido para a biblioteca da corte de Munique, predecessora da atual Biblioteca Estatal da Baviera. Ele foi produzido em escrita Muhaqqaq monumental dourada, que foi usada predominantemente para manuscritos do Alcorão no período mameluco. Os ornamentos de margem mostram motivos em flor de lótus, que foram trazidos para a arte islâmica após as incursões mongóis do século XIII. Os mamelucos eram uma casta militar, originalmente composta de escravos da Turquia, que governou o Egito a partir de cerca de 1250 até 1517.

Idioma

Título no Idioma Original

Qur’an of Père Lachaise

Tipo de Item

Descrição Física

280 folhas, papel: ilustrações; 29 x 21 centímetros

Observações

  • Código BSB: Código árabe 6

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 6 de abril de 2015