O livro das tabelas alfonsinas

Descrição

Uma reflexão do conhecimento de astronomia da época, essas tabelas foram produzidas na Espanha entre 1263 e 1272, sob a direção de Isaac ben Sid e Jehuda ben Moshe ha-Kohen. A crença de Ptolomeu de que os planetas orbitavam a Terra era então o sistema cosmológico predominante, e o modelo heliocêntrico do sistema solar formulado por Copérnico, quem pessoalmente estudou e copiou as tabelas, ainda estava distante dois séculos. Conhecida como tabelas alfonsinas em homenagem ao rei Afonso X de Castela (reinou em 1252-1284), as tabelas são uma compilação de dados sobre as posições e os movimentos dos planetas. Afonso era um patrono da ciência que empregou estudiosos cristãos, judeus e muçulmanos para traduzirem obras da ciência árabe para o latim e o espanhol. Ele montou uma equipe de astrônomos que compilou as tabelas alfonsinas com base nos cálculos do astrônomo árabe al-Zarqali (também conhecido como Arzaquel, 1029-1087). A obra foi editada e impressa em Veneza, em 1483, o único trabalho astrológico alfonsino a ser impresso durante o Renascimento. O manuscrito é da Catedral de Toledo e agora se encontra na Biblioteca Nacional da Espanha. Ele foi propriedade do cardeal Francisco Javier de Zelada, na Itália, e foi trazido para a Espanha pelo cardeal Lorenzana no final do século XVIII.

Última Atualização: 20 de maio de 2016