O pavilhão das peônias

Descrição

A peça Mu dan ting huan hun ji  (O pavilhão de peônias) é de Tang Xianzu (1550–1616), um nativo de Linchuan, província de Jiangsu. Tang alcançou o grau de jin shi em 1583 e assumiu vários cargos, mas ele foi rebaixado como consequência de um memorial que escreveu. Mais tarde, reintegrado como magistrado do distrito de Shuichang, província de Zhejiang, Tang se aposentou desta posição em 1598. Como dramaturgo, ele gozava de grande popularidade, mas seus manuscritos inéditos foram supostamente queimados pelos seus filhos. Quatro de suas peças com o tema de sonhos são conhecidos coletivamente como “Quatro sonhos.” Entre elas encontra-se esta obra pela qual ele é mais conhecido. Tang concluiu esta peça, também chamada de Huan hun ji (Retorno da alma), por volta de 1588. Na época, dizia-se que todos por essas terras podiam recitá-la. A peça tem 55 cenas, com um enredo original e canções que foram impressos e reimpressos muitas vezes. As palavras do autor nem sempre se encaixavam na música. Mais tarde os escritores tentaram preservar o texto original, acrescentando comentários e notas à peça, o que explica as diferentes versões existentes da obra. O drama narra a história de amor entre Du Liniang e Mengmei Liu nos últimos dias da dinastia Song do Sul, nos anos 1270. Em um belo dia de primavera, Du Liniang, a filha de 16 anos do alto oficial Du Bao, faz uma caminhada no jardim onde ela adormece. Em seu sonho ela encontra o jovem estudioso Liu Mengmei. Um próspero romance rapidamente se desenvolve em sua mente. Du Liniang torna-se preocupada com a questão de seu sonho, definha e morre do mal do amor. Três anos depois, Liu vai para a capital para fazer os exames imperiais, passa pelo túmulo de Du e apanha seu retrato. Ele então encontra Du em um sonho. Ao seu pedido, Liu concorda em exumá-la, ela é trazida de volta à vida e eles se casam. O pai de Du não acredita no que aconteceu e Liu é preso como um ladrão de túmulos e impostor. O final da peça segue a fórmula de muitos dramas chineses. Depois que Liu recebe os resultados dos exames imperiais em que ele está no topo da lista, o pai se compadece e o imperador perdoa a todos. Entre os momentos mais agradáveis da peça estão a “Caminhada no jardim” e o “Sonho surpresa” na cena dez. A peça destaca a tensão entre a natureza de Du Liniang e os códigos de ética vigentes, e sua busca de, e lealdade para, o amor. Esta cópia, em dois juan, em quatro volumes, foi impresso em 1617 em uma oficina particular. Um membro da famosa família de gravadores de Anhui, Huang Mingji, foi especialmente convidado para gravar as ilustrações em xilogravura. Ele usou linhas fluidas e flexíveis e incorporou a técnica de pintura de pontos de árvores e paisagens. Estas ricas ilustrações dão a esta edição um tom especialmente elegante e refinado.

Última Atualização: 14 de fevereiro de 2012