Um calendário completo organizado por assunto

Descrição

Lei bian li fa tong shu da quan (Um calendário completo organizado por assunto) foi compilado por Xiong Zongli (1409-1482) durante a dinastia Ming. Ele combinou duas outras obras Ming, Song Huishan tong shu (Calendário astronômico enciclopédico) de Song Huishan e Li fa ji cheng (Trabalhos coletados em calendários astronômicos) de He Shitai, fez correções, e publicou-os sob um novo título. O trabalho é em 30 juan. Nos primeiros 19 juan, os índices listam os nomes dos três autores. Nos juan 20-30, os nomes dos autores não são fornecidos e é possível que essas partes tenham sido escritas por diferentes autores. O conteúdo da obra é misto e trivial, com foco nas previsões da vida diária, tais como inovações para uma casa, sucessão de um título ou nomeação para um novo posto, orações e bençãos, a chegada da maturidade de meninos e meninas, casamentos e cerimônias, a construção de uma lagoa, a visita a um médico, a localização de um demônio da pestilência e assim por diante. O livro também fornece informações, com ilustrações, sobre a boa e a má sorte no ciclo de 12 meses, divindades da boa e da má sorte no ciclo de 12 anos do sol e da lua, locais adequados para cada um dos 12 anos, para cada um dos 12 meses, etc. Como o conteúdo do livro estava muito relacionado com geomancia popular sobre a vida diária, ele foi bem recebido e teve ampla utilização. No entanto, os cálculos e previsões usados pelo autor eram diferentes daqueles feitos por outros adivinhos, o que causou confusão. Durante a dinastia Qing, uma outra obra, Qin ding xie ji bian fang shu (Tratado sobre os tempos de harmonização e distinção das direções) foi publicado em 1739 por ordem imperial para unificar as diversas práticas de adivinhação. A Si ku quan shu ti yao (Bibliografia anotada da Coleção Siku) fez uma referência a este trabalho como “errôneo”. Nos primeiros anos da dinastia Qing, publicações particulares de calendários anuais começaram a surgir e a serem distribuídas. Pelo o ano 16 do reinado de Qianlong (1751) a corte concedeu aos cidadãos o direito de publicar de forma particular almanaques e calendários, cujas cópias logo inundaram o mercado. Este trabalho pode ter sido usado como uma das referências durante a compilação do almanaque oficial.

Última Atualização: 24 de maio de 2017