Quadra louvando a visão

Descrição

Este fragmento caligráfico inclui uma ruba'i (quadra em pentâmetro iâmbico), louvando a visão como o mais aguçado dos sentidos humanos. O texto é redigido em preto, na escrita Nasta'liq, sobre um papel bege decorado com tinta dourada. O painel de texto é emoldurado por duas bordas em bege e dourado e colado a um papel azul decorado com motivos dourados florais e de videiras. Começando com um chamado a huwa al-mu'izz (Deus como o Glorificado), o verso diz: "O coração é um lugar de tristeza e o olho é o lugar da essência / Isso significa que a essência da sua chegada está no olho marejado / No coração está a tristeza, e no olho está a idealização de ti / Porque meu olho é mais refinado do que meu coração." O poeta descreve seu choro ("olho marejado") ao ver sua adorada, tentando demonstrar que a imaginação visual é mais sensível e reage mais prontamente do que o coração. No canto inferior esquerdo, o al-katib (o escritor) Mas'ud al-Tabib assinou seu nome, juntamente com seus epítetos diminutivos al-da'if aqall al-'ibad ("o fraco, o menor dos servos"). O nome completo do calígrafo era Rukn al-Din Mas'ud al-Tabib, e ele era conhecido como um mestre do estilo Nasta'liq. Rukn al-Din tinha o apelido de al-Tabib ("o doutor"), pois vinha de uma longa linhagem de médicos reais e ele mesmo tinha um título na corte (ou divan) de Shah 'Abbas I (que reinou dentre 1587 e 1629) em Isfahan. No entanto, quando o governante não se recuperou bem após uma enfermidade, fez com que Rukn al-Din devolvesse seu pagamento e o forçou a deixar a cidade. Rukn al-Din se dirigiu a Mashhad (nordeste do Irã) e, de lá, fez uma jornada até Balkh (atualmente, no Afeganistão) e, ao final, para a Índia.

Última Atualização: 30 de setembro de 2016