Insha' (composição literária ou carta)

Descrição

Este fragmento caligráfico pertence a uma série de 22 insha' (composições literárias ou cartas) escritos pelos calígrafos Mir Kalan, Khan Zaman (filho de Khan Khanan), Qa'im Khan, Lutfallah Khan e Mahabat Khan. A julgar pela caligrafia (nasta'liq indiano), uma impressão em selo que traz a data de 1113 a.H. (1701 ou 1702) e uma carta que menciona a cidade de Janpur, parece que esta obra foi realizada na Índia, durante o século XVIII. O calígrafo deste fragmento é identificado pela inscrição “raqamahu Mir Kalan” (escrito por Mir Kalan), texto que aparece no topo tanto do anverso, quanto do verso. Caso se trate do mesmo Mir Kalan que foi um renomado pintor ativo em meados do século XVIII na cidade de Lucknow, a identificação apoiaria a teoria de que esta série de caligrafias na coleção da Biblioteca do Congresso constituiria um corpus de materiais produzidos por vários escritores ativos na Índia do século XVIII. As caligrafias estão tipicamente escritas em um estilo nasta'liq apressado, sobre papel branco, coladas sobre papéis-cartão de cor rosa ou salmão. Elas chamam a atenção por estarem em condição particularmente ruim, em muitos casos, gravemente danificadas por buracos de traças e/ou manchas de água. Algumas carregam marcas de rabiscos nas margens, enquanto outras incluem impressões de selos que foram cortadas e coladas sobre os papéis-cartão. Na maioria dos casos, uma menção ao calígrafo consta na parte superior, precedida pela expressão raqamahu ou khatt-i (na caligrafia de). O texto do fragmento é composto por nazm (poesia) e naskh (prosa), uma combinação típica na arte da composição. O autor começa com dois bayts (versos) de poesia e, em seguida, reclama sobre as dificuldades da separação, invoca shawq e ishtiyaq (paixão) da amizade, e finaliza sua maktub (carta) com a afirmação de que ele a oferece como uma flor ao ser amado. O verso desta carta caligráfica também contém uma impressão de selo na parte central inferior que carrega o nome de Sayyid 'Ali Taqi Khan. No canto inferior esquerdo há também um desenho rabiscado. O texto propriamente dito começa por uma invocação de Deus huwa al-'aziz (Ele é o Glorioso) e um excerto poético sobre a dor de ser separado de um amigo. Em seguida, vem o conteúdo desta carta 'irfani (profundamente espiritual); o autor insiste que ele não esqueceu de seu amigo, que seu amor é — como uma inscrição sobre pedra – inapagável. Ele garante ao amigo que o vê por toda parte, onde quer que olhe (mesmo nas paredes); e que está envolvido na contínua dhikr (lembrança) de sua pessoa. Por fim, ele se desculpa por não ter sido possível visitá-lo, por causa do cansaço e da fadiga, mas promete que, assim que melhore, correrá até ele com paixão.

Última Atualização: 31 de julho de 2014