Três gazais de Tabib Isfahani

Descrição

Este fragmento caligráfico contém três gazais (poemas líricos) de 'Abd al-Baqi, conhecido como Tabib Isfahani. Ele foi um tabib (médico da corte) do rei persa Nadir Shah (reinou entre 1736 e 1747) e um prolífico escritor, cujos muitos versos compõem seu divan (compêndio de poemas). Sua takhallus (assinatura) “Tabib” aparece nos versos. O primeiro gazal rima com payda (encontrado), o segundo gazal rima com ra (marcador do acusativo) e o terceiro gazal rima com aftada ast (aconteceu, ocorreu). Todos os três gazais descrevem a fidelidade de um amante e a tristeza sentida quando da separação de sua amada. O amante descreve sua dor enquanto, simultaneamente, aconselha a si mesmo a não reclamar e a ser paciente diante da adversidade. O texto foi executado em caligrafia shikastah-nasta'liq, diagonalmente e em duas colunas, separadas por duas linhas verticais planas pintadas em ouro. A página do texto é feita de papel de cor creme e emoldurada com bordas pintadas em púrpura, verde claro e dourado. O texto e sua moldura foram colados a uma folha maior de papel rosa, sustentado por papel-cartão, para reforço. Já que Tabib Isfahani foi um poeta do século XVIII, este fragmento foi, provavelmente, executado durante o reinado de Nādir Shāh, isto é, por volta de meados do século XVIII. Nādir Shāh é mais conhecido por suas invasões da Índia Mogol (ele saqueou Delhi e Lahore, trazendo de volta ao Irã o famoso Trono do Pavão), de modo que esta obra deve ter sido criada enquanto o rei se encontrava na Índia (1738 a 1739). Ela foi recomposta mais tarde e, talvez, incluída em um álbum de caligrafia.

Última Atualização: 6 de abril de 2016