Versos do Alcorão

Descrição

O anverso deste fragmento inclui as suras 101 a 104, alguns dos capítulos mais curtos e finais do Alcorão, que continuam no verso do fragmento e em outro fragmento, mantido nas coleções da Biblioteca do Congresso. No topo do fragmento está o texto do capítulo 101, embora não conste seu cabeçalho, intitulado al-Qari'ah (A calamidade). Esta sura em particular descreve o Dia do Julgamento, quando os feitos dos homens serão pesados, para que se determine se habitarão em uma residência de prazeres (Céu) ou no fogo eterno (Inferno). O capítulo 102, al-Takathur (A pilhagem), vem em seguida e alerta sobre a inclinação dos humanos para a acumulação de bens mundanos, em vez de buscar aquilo que é mais elevado na vida. O capítulo 103, al-'Asr (Tempo e idade), continua com o louvor daqueles que são constantes e pacientes na vida. Finalmente, o anverso deste fragmento inclui, na parte inferior, o cabeçalho e o bismillah (em nome de Deus) do capítulo 104, intitulado al-Humazah (O caluniador), cujo texto aparece no verso do fragmento. O verso inclui as suras curtas de 104 a 106, começando pelo texto de al-Humazah, que condena a insinceridade, a hipocrisia e a calúnia. O capítulo 105, al-Fil (O elefante), refere-se aos eventos que ocorreram durante o ano do nascimento do Profeta. O capítulo 106, al-Quraysh (A tribo dos coraixitas), aparece na parte inferior do fólio e clama pela adoração de um único Deus. Os cabeçalhos do capítulo incluem o número total de versos e estão escritos em caligrafia thuluth dourada sobre fundo azul e vermelho. Os marcadores de versos consistem em shamsah (rosetas) douradas com núcleo vermelho, com 12 pétalas delineadas em preto e pontos azuis e vermelhos ao longo de seu perímetro. A caligrafia usada nos versos é masahif, uma caligrafia cursiva menor e menos rígida do que a muhaqqaq. Seu nome, que significa “códices” ou “volumes”, reflete seu uso recorrente nas cópias do Alcorão. Masahif e outras caligrafias cursivas em negrito, como naskh e muhaqqaq, são típicas dos Alcorões produzidos no Egito durante os séculos XIV e XV.

Última Atualização: 6 de abril de 2015