Versos do Alcorão

Descrição

Este fragmento corânico inclui uma página-tapete na parte esquerda, cujo objetivo é introduzir uma nova seção do Alcorão, bem como os ayat (versos) subsequentes, de 53 a 54, da surata (capítulo) 39, intitulada al-Zumar (As multidões). O Suratal-Zumar é o último de uma série de seis capítulos (34 a 39) que abordam os mistérios do mundo espiritual e do além. O verso 53, em particular, enfatiza a compaixão de Deus. A página-tapete iluminada em vermelho e verde, na parte esquerda do fólio, tem como objetivo introduzir a 24ª juz' (seção) do Alcorão e inclui uma inscrição contendo os versos 77 a 79 da 56ª surata, intitulada Surat al-Waqi'ah (O inevitável). Esses versos normalmente abrem o Alcorão, embora eles possam aparecer em páginas decoradas usadas para separar as ajza' (partes) do Alcorão. Lê-se nos versos: “Que este é de fato um Alcorão Glorioso / Em um Livro bem protegido / Que ninguém deverá tocar, exceto os que estiverem puros”. O texto no lado direito do fólio foi escrito com uma caligrafia thuluth preta, com cinco linhas por página. Várias alifs (vogais “a”) estão marcadas com tinta vermelha, enquanto o nome de Deus está escrito em dourado e realçado com tinta preta. Na margem direita, aparece o termo ashar, que denota o décimo verso, enquanto os marcadores de verso consistem em rosetas de oito pétalas com pontos vermelhos e azuis. O verso deste fragmento continua com os versos 32 a 34 e, do lado esquerdo, os versos de 50 a 52 de al-Zumar. O estilo dessa página iluminada e a caligrafia do texto são semelhantes aos de outro fragmento mantido pela Biblioteca do Congresso. Ambos os fragmentos parecem ser provenientes do mesmo Alcorão, produzido durante o período mameluco (séculos XIV a XV) no Egito.

Última Atualização: 6 de abril de 2015