Alcorão Safávida (2:11-27)

Descrição

Este fragmento contém os versículos 11-21 da segunda Surata (capítulo) do Alcorão, al-Baqarah (A vaca), que continua com os versículos 21-27 no verso do fragmento. O Al-Baqarah aparece logo após o capítulo introdutório al-Fatihah (A abertura) e, com um total de 286 versos, é o maior capítulo do Alcorão. Seu nome deriva da parábola de Moisés e da vaca mencionados em 2:67-71, no qual é ensinado que as pessoas não devem apresentar desculpas para justificar a desobediência. O sura está em medinês antigo, e salienta a fé e a integridade de caráter pessoal. Os dez versículos neste fólio alertam sobre as consequências da falta de sinceridade e duplicidade religiosa. A caligrafia e iluminuras do fragmento são típicas da Pérsia Safávida (1501-1722). Muitos Alcorões foram feitos para exportação na cidade de Shiraz, no sudoeste, durante a segunda metade do século XVI e contêm temas semelhantes. Estes incluem flores pintadas de ouro e vinhas destacadas em vermelho e roxo escuro nas margens, e caligrafia contornada em faixas douradas em forma de nuvens contendo flores laranjas e azuis. A decoração suntuosa nas margens define a folha como um dos primeiros fólios do segundo capítulo do Alcorão. As páginas subsequentes, como o verso da folha, não teriam incluída tão suntuosa decoração nas margens. A escrita é rayhani, um dos seis estilos de escrita cursiva desenvolvida pelo grande calígrafo Ibn al-Bawwab, que morreu em a.H. 423 (d.C. 1032). Se assemelha mais às escritas naskh e muhaqqaq, embora mais fina e menor em tamanho, e foi usada para textos onde a legibilidade era uma necessidade, em particular os Alcorões ou, na tradição otomana, outras obras religiosas, como Du’a-namahs, ou manuais de oração.

Data do Assunto

Idioma

Título no Idioma Original

Safavid Qur'an (2:11-27)

Tipo de Item

Descrição Física

18,2 X 33,8 centímetros

Observações

  • Escrita: rayhani

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 7 de maio de 2015